Movimento promete ir à s ruas amanhã pelo feriado da Consciência Negra

Movimento Negro de Curitiba promete fazer barulho, nesta terça (12), em frente ao Tribunal de Justiça, a partir das 13 horas; entidades planejam passeata até as sedes do Sinduscom e ACP, que conseguiram suspender feriado da Consciência Negra, por meio de liminar, previsto para o próximo dia 20.

Movimento Negro de Curitiba promete fazer barulho, nesta terça (12), em frente ao Tribunal de Justiça, a partir das 13 horas; entidades planejam passeata até as sedes do Sinduscom e ACP, que conseguiram suspender feriado da Consciência Negra, por meio de liminar, previsto para o próximo dia 20.

Cerca de 20 entidades do movimento negro, reunidas no Comitê Zumbi dos Palmares, prometem protestar nesta terça (12), à s 13 horas, em frente ao Tribunal de Justiça do Paraná (Praça Nossa Senhora da Salete, no Centro Cívico), seguida de caminhada até a sede da Associação Comercial do Paraná (ACP) e do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado (Sinduscon-PR).

A manifestação visa sensibilizar a Justiça e a sociedade curitibana acerca da importância histórica de se comemora o feriado da Consciência Negra no próximo dia 20 de novembro.

No último dia 4 de novembro, com a maioria dos votos a favor, o à“rgão Especial do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) acatou o pedido de liminar da ACP e suspendeu o feriado da semana que vem.

Durante a passeata de amanhã será entregue à  população uma carta de repúdio à  atitude da ACP e do Sinduscon-PR e à  decisão do Tribunal de Justiça. Ainda será fomentada uma campanha de boicote ao comércio, incentivando as pessoas a não fazer compras no dia 20 de novembro, caso a decisão não seja revertida a tempo.

11 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I simply want to tell you that I am newbie to blogging and site-building and seriously savored your page. Likely I’m likely to bookmark your website . You definitely come with terrific well written articles. Kudos for sharing your web site.

  2. Esse feriado é ridiculo. Se eu ainda morasse em Curitiba faria quesäo de deixar todas as minahs compras para serem feitas esse dia.

  3. Dove è la festa per la “Giornata di Sensibilizzazione Italiano”?
    Perché, se non si dovesse carcamanos, seus curitibanos di merda, non avrebbero pizze, cannelloni, lazanhas, porpetas, spaghetti, vino, e questi FIAT 147 interrompendo il traffico. Ma che cosa!

  4. Terça Feira dia 12 tem 2 Manifesto Protesto às 13 horas é às 18 horas.

    Feriado Sim Curitiba. Racismo Não. Dia 20 dia da Consciência Negra Curitiba.

    13 Horas Manifestação em frente ao Tribunal de Justiça do Paraná.
    https://www.facebook.com/events/1477032489187934/

    18 Horas MARCHA DA CONSCIÊNCIA NEGRA SOBRE O RACISMO INSTITUCIONAL
    https://www.facebook.com/events/491754017589256/?source=1

  5. UMA COISA É CERTA E CONCRETA! A ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO PARANÁ E O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ “MERECEM AGRADECIMENTOS” POR CONSCIENTIZAREM, UNIREM E MOBILIZAREM MAIS OS NEGROS CONTRA O RACISMO VELADO E AGORA DESCARADO EM CURITIBA!
    OBRIGADO CHAUVINISTAS!

    Esmael e demais não adianta “caíram ás máscara da conveniência e do politicamente correto” construídas com coisas como a mentira, na falsidade, na dissimulação e no disfarce para esconder o racismo estrutural em Curitiba que se fundamenta na ideia de que é possível hierarquizar grupos humanos com base em questões étnicas. No Brasil, o racismo é dos poucos crimes que mereceram tipificação no texto constitucional. Só para lembrar aos brancos de extrema direita de Curitiba, o Artigo 5º, XLII da Constituição Federal, considera a prática do racismo como crime inafiançável imprescritível, sujeito a pena de reclusão nos termos da lei. A realidade social do racismo dissimulado em Curitiba, não acompanha o avanço jurídico da nossa pátria. O racismo continua sendo disseminado em Curitiba ao ponto de produzir efeitos estruturais em sua sociedade. Claro que há um alto grau de mestiçagem e em cima deste fato dizem que “o conceito de raça no Brasil é relativo”, que, durante muito tempo permitiu a imagem de um mito da democracia racial, onde podemos afirmar devido muitos inquéritos em delegacias de polícia e processos nos Tribunais de Justiça que o preconceito racial no Brasil é, na prática, proporcional à cor da pele sim, ou seja, os mais negros entre os negros são passíveis de maior discriminação. A cor negra ainda leva em si, isolada de quaisquer outros fatores aos espaços estruturais na ideologia social com segregação e subordinação: o navio negreiro e a senzala da manipulação da intelectualidade moderna de extrema direita neoliberal. Convenhamos por qualquer ótica que se veja (tempo de duração, número de pessoas atingidas, grau de exclusão), poucas causas são tão injustas, desde o descobrimento do Brasil aos nossos dias, como a da população negra no país.
    Com movimentos e protestos de negros “pipocando, tanto lá como cᔝ estão pondo em cheque “o mito” da democracia racial criado pelos intelectuais brancos de extrema direita desfeito devido o reconhecimento pelo próprio estado brasileiro (A PREFEITURA DE CURITIBA NAS PESSOAS DO PREFEITO GUSTAVO FRUET E DA VICE PREFEITA MIRIAN GONÇALVES QUE APOIAM OS NEGROS CURITIBANOS JUNTO COM A CÂMARA MUNICIPAL) do racismo estrutural aonde chega-se à delicada fase de mexer na espinha dorsal da sociedade por meio do uso pontual da ação afirmativa dos e para os negros no meio de políticas corretivas estruturais. O racismo de Curitiba vai no sentido contrário das ações afirmativas para negros que são medidas tomadas ou determinadas pelos estados (federal, estadual e municipal) para corrigir desigualdades provocadas por discriminações no passado e atualmente. A ação afirmativa, a maioria dos negros no país sabem, que é uma política temporária. Para ter efeitos, portanto, no curto espaço de tempo de vida útil, ou dentro do “prazo de validade”, precisa ser radical nos intentos, profunda no alcance e rápida na cura e prevenção de novo ciclo de mazelas sociais. Está aí o porque do protesto e do manifesto dos negros contra O RACISMO EM CURITIBA!
    RESUMINDO: Apesar de alguns avanços, a reversão do preconceito, da discriminação, e da segregação racial, exige e exigirá mais que boas intenções. Tendo em vista todas as considerações acima feitas, o aproveitamento das ações afirmativas como instrumentos de democracia, capacitação e inclusão, são forças para a política institucional e de vigilância dos movimentos organizados da sociedade civil contar coisas como estas aprontadas pelo Associação Comercial do Paraná e pelo Tribunal de Justiça do Paraná.

  6. Coisa de quem não tem o que fazer e tem tempo sobrando. Claro que a maioria dos negros não vai no protesto pois precisa trabalhar.

  7. Sou mestiço e digo que esse feriado da consciência negra é um absurdo.

  8. Sim, meia dúzia de encostados da UFPR vão participar. Na Reitoria da UFPR se concentram os militantes do movimento negro … é a terra da fantasia e do politicamente correto. Especializados em não se formar nunca, viver de bolsa e curtir um fuminho esperto, são contra o sistema e contra trabalhar. A piada do feriado da consciência negra é a piada de todos os feriados no Brasil, não representam nada no mundo real. E o feriado da Independência? Representa o quê? Nós nos separamos de portugal e continuamos sendo colônia inglesa. E a da proclamação da República? Representou algo mais do que meia dúzia de militares positivistas? E o povão? Nem sabia do que se tratava. Então, é mais uma piada da nossa sociedade racista, que coloca um vernizinho de politicamente correto, apenas para inglês ver. Se vc é negro e quer ser contra o racismo, vá estudar e trabalhar, não fique na reitoria fingindo ser “politizado” e contra o sistema, curtindo um fuminho numa boa e se formando nunca!

    • KKKK! A Reitoria da Ufpr é realmente a Terra do Nunca! Aquele pessoal lá vive no mundo da Lua … aí se você falar “homossexualismo! … agora tem que falar “homossexualidade” … kkkk. O cara tem que se policiar em cada palavra, se não já vem a sapatão de plantão dizer que você é machista! E os afro brasileiros? Fazem o que querem e o que bem entendem e os professores de borram de medo de levarem um processo de racismo. É enclave gay-afro em Curitiba! KKKKK! Só vale pesquisa sobre o subjetivismo, relativismo e gênero! Enquanto isto o mundo caminha, rindo da falta de qualquer contato com a realidade dos delirantes da Reitoria.