Lula exige que lei seja cumprida com “regime semiaberto”

do Brasil 247

Questionado se visitaria os réus petistas presos após condenação na AP 470, ex-presidente responde, em tom de cobrança: "Eu estou aguardando que a lei seja cumprida e quem sabe eles fiquem em regime semiaberto"; ex-ministro de seu governo José Dirceu e ex-presidente do PT José Genoino deveriam cumprir pena no semiaberto, mas estão no fechado desde sábado em Brasília; Lula voltou a dizer que gostaria de comentar o caso, mas apenas ao fim do julgamento; "Eu tô dizendo há muito tempo que vou esperar o julgamento total, que eu tenho muita coisa a comentar e eu gostaria de falar sobre o assunto".

Questionado se visitaria os réus petistas presos após condenação na AP 470, ex-presidente responde, em tom de cobrança: “Eu estou aguardando que a lei seja cumprida e quem sabe eles fiquem em regime semiaberto”; ex-ministro de seu governo José Dirceu e ex-presidente do PT José Genoino deveriam cumprir pena no semiaberto, mas estão no fechado desde sábado em Brasília; Lula voltou a dizer que gostaria de comentar o caso, mas apenas ao fim do julgamento; “Eu tô dizendo há muito tempo que vou esperar o julgamento total, que eu tenho muita coisa a comentar e eu gostaria de falar sobre o assunto”.

O ex-presidente Lula afirmou nesta segunda-feira 18, sobre as prisões dos petistas condenados pelo STF na Ação Penal 470, que a lei só será cumprida com o regime semiaberto. “Eu estou aguardando que a lei seja cumprida e quem sabe eles fiquem em regime semiaberto”, disse, após ser questionado se visitaria os réus na penitenciária da Papuda, em Brasília.

O ex-ministro José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro do partido, Delúbio Soares, deveriam estar cumprindo suas penas no regime semiaberto, conforme condenação do Supremo Tribunal Federal, mas não saíram da prisão desde sábado 16, quando chegaram na capital federal.

Lula, que recebeu hoje o Prêmio Raça Negra na Faculdade Zumbi dos Palmares, em São Paulo, também comentou sobre a nota do PT divulgada na sexta-feira 15. O texto assinado pelo presidente do partido, Rui Falcão, avalia que a execução das penas antes do fim do julgamento “constitui casuísmo jurídico e fere o princípio da ampla defesa”.

“Acho que o PT soltou uma nota que condiz com a realidade do momento. Nós temos os embargos infringentes a serem votados, vamos aguardar para ver o que vai acontecer”, opinou o ex-presidente. Ele voltou a dizer, como na semana passada, que não faz julgamento sobre decisões da suprema corte (leia mais aqui).

Lula reafirmou também ter bastante o que dizer sobre o julgamento, mas apenas quando ele chegar ao fim. “Eu tô dizendo para vocês há muito tempo que eu vou esperar o julgamento total, que eu tenho muita coisa a comentar e eu gostaria de falar sobre o assunto”.

Comentários encerrados.