Por Esmael Morais

“Hoje, PMDB aprovaria candidatura própria no Paraná”, diz Pessuti

Publicado em 26/11/2013

O curso da política vem reaproximando Pessuti e Requião no PMDB do Paraná; rompidos há três anos, os dois se uniram tacitamente pela candidatura própria no Paraná; juntos, calculam correligionários de ambos, senador e ex-governador têm 80% da convenção estadual do partido; bancada estadual peemedebista prefere!, até junho, continuar namoro com governador Beto Richa; em entrevista ao jornalista Celso Nascimento, da Gazeta do Povo, nesta terça, secretário-geral afirma que "se os peemedebistas tivessem se reunido ontem para definir sua posição em relação ao governo do Paraná em 2014, a maioria teria aprovado decisão em favor de candidatura própria".

O curso da política vem reaproximando Pessuti e Requião no PMDB do Paraná; rompidos há três anos, os dois se uniram tacitamente pela candidatura própria no Paraná; juntos, calculam correligionários de ambos, senador e ex-governador têm 80% da convenção estadual do partido; bancada estadual peemedebista prefere!, até junho, continuar namoro com governador Beto Richa; em entrevista ao jornalista Celso Nascimento, da Gazeta do Povo, nesta terça, secretário-geral afirma que “se os peemedebistas tivessem se reunido ontem para definir sua posição em relação ao governo do Paraná em 2014, a maioria teria aprovado decisão em favor de candidatura própria”.

O ex-governador Orlando Pessuti, secretário-geral do PMDB, em entrevista ao jornalista Celso Nascimento, colunista da Gazeta do Povo, repetiu as mesmas palavras já lavradas antes neste blog: “…se os peemedebistas tivessem se reunido ontem para definir sua posição em relação ao governo do Paraná em 2014, a maioria teria aprovado decisão em favor de candidatura própria”, analisou.

No começo deste mês, este blogueiro havia registrado que sem candidatura própria, em 2014, o diretório do PMDB no Paraná será dissolvido pela direção nacional (clique aqui para relembrar). Foi exatamente isso que Pessuti confirmou a Celso Nascimento: “…a orientação da cúpula nacional poderá ser qualquer uma !“ menos a de adotar a aliança com Beto Richa”.

Por “qualquer orientação” entenda-se candidatura própria — de Pessuti ou do senador Roberto Requião — ou ainda aliança com a candidata do PT, Gleisi Hoffmann. Excluída, é claro, a possibilidade de aliança com o tucano.

Pessuti, assim como Requião, estão unidos em torno da candidatura própria no PMDB. Primeiro levarão a voto, na convenção, duas perguntas: 1- candidatura própria ou coligação e 2- Pessuti ou Requião.