Por Esmael Morais

Requião diz que professores eram mais felizes em seu governo

Publicado em 02/10/2013

Com os aumentos propiciados, continua o peemedebista, um professor da rede estadual de ensino, em início de carreira e com jornada de 40 horas semanais, conquistou remuneração básica 160% superior à  remuneração do governo Lerner.

Em 2010, último ano da gestão, Requião lembra que a remuneração básica de um professor recém-contratado era de R$ 2.001,78 (sendo R$ 1.549,70 de vencimento + R$ 452,08 de auxílio transporte). Ao final de carreira, pode chegar a remuneração básica de R$ 5.918,85 (sendo R$ 5.396,77 de vencimento + R$ 452,08 auxílio transporte), mais vantagens pessoais, como adicional por tempo de serviço.

Ameaça de greve

Caso o governador Beto Richa não pague os valores prometidos, os educadores ameaçam montar acampamento em frente ao Palácio Iguaçu, nos dias 7 a 9 de outubro, e haverá greve por tempo determinado, nos dias 10 e 11. As recepções ao governador durante os seus compromissos em todo o Estado estão mantidas.

A APP-Sindicato também está elaborando um estudo sobre o cabimento de ação judicial para cobrar do governo, com juros, o atrasado das promoções e progressões. A dívida é composta por valores relativos à  implementação do Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN) do magistério, ao pagamento de promoções e progressões de carreira que se acumulam há mais de um ano, tanto para professores como para funcionários de escolas.