Por Esmael Morais

Pessuti e Requião “juntos” pela candidatura própria no PMDB

Publicado em 21/10/2013

Candidatura própria no PMDB pode "unir" tacitamente, novamente, Pessuti e Requião novamente em 2014; luta para garantir eleição de dois turnos abre espaço ainda à  candidatura de Sérgio Souza ao Senado; proposta de Pessuti coincide! com a de Requião: realização de prévia no partido em março.

Candidatura própria no PMDB pode “unir” tacitamente, novamente, Pessuti e Requião novamente em 2014; luta para garantir eleição de dois turnos abre espaço ainda à  candidatura de Sérgio Souza ao Senado; proposta de Pessuti coincide! com a de Requião: realização de prévia no partido em março.

O ex-governador Orlando Pessuti distribuiu nota à  imprensa, nesta segunda (21), anunciando sua disposição de concorrer ao Palácio Iguaçu. Secretário-geral do PMDB, ele afirmou que discutiu a questão com doze dos 13 deputados estaduais que compõem a bancada na Assembleia Legislativa do Paraná.

Na prática, a tese da candidatura própria “une” Pessuti ao senador Roberto Requião que também pleiteia no PMDB a vaga para concorrer com o governador Beto Richa (PSDB).

Pessuti defende que o partido realize seis encontros regionais até o final deste ano e, em março de 2014, prévia no PMDB para definir a tese da candidatura própria.

“Juntos”, Requião e Pessuti têm a maioria dos delegados à  convenção do partido.

Especula-se nos bastidores da política, no Centro Cívico, que se desenha um entendimento entre as duas principais lideranças peemedebistas no Paraná. Eles romperam politicamente em 2010, mas o curso da vida — a candidatura própria — estaria unindo-os tacitamente.

Nos bastidores da Assembleia, falou-se nesta tarde em chapa dos sonhos: Requião, governador; Pessuti, vice; e Sérgio Souza, senador.

De acordo com observadores, a engenharia política poderia assegurar o segundo turno na disputa pelo governo do Paraná, pois um confronto entre Richa e a ministra Gleisi Hoffmann (PT) possibilitaria eleição de um só turno.