Por Esmael Morais

Lerner dá “olé” na CPI do Pedágio

Publicado em 01/10/2013

Ex-governador Jaime Lerner deu "olé" nos membros da CPI do Pedágio nesta terça; "Não discordamos de se ter pedágio. O que discordamos é do preço abusivo do pedágio e das obras que não foram feitas", aliviou o deputado Nelson Luersen, presidente da comissão de investigação; concessionárias buscam novo acordo para reduzir tarifas em 10% e alongar contratos para mais 10 anos.

Ex-governador Jaime Lerner deu “olé” nos membros da CPI do Pedágio nesta terça; “Não discordamos de se ter pedágio. O que discordamos é do preço abusivo do pedágio e das obras que não foram feitas”, aliviou o deputado Nelson Luersen, presidente da comissão de investigação; concessionárias buscam novo acordo para reduzir tarifas em 10% e alongar contratos para mais 10 anos.

O ex-governador Jaime Lerner colocou no “bolso” os membros da CPI do Pedágio, nesta terça (1), durante depoimento como convidado na Assembleia Legislativa do Paraná.

A concessão das rodovias à  iniciativa privada aqui e em outros estados era a única solução viável. Em 1998, as crises externas afetavam o Brasil com uma Taxa Selic de 43%. Diante desse quadro, ninguém investiria sem uma taxa atrativa!, discursou Lerner, que surpreendeu a todos comparecendo à  comissão hoje pela manhã.

O ex-governador deu um “perdido” nos deputados da CPI ao falar sobre um possível superfaturamento por parte das concessionárias. Eu saí há 12 anos do governo. Não posso dizer se houve super lucro ou não.!

Nas vésperas das eleições de 1998, quando disputou a reeleição, Jaime Lerner reduziu o preço das tarifas do pedágio, mas, depois de eleito, as concessionárias conseguiram aplicar novos reajustes.

“Resolvemos reduzir unilateralmente as tarifas em 50% como uma estratégia para uma negociação, que só aconteceu em 2000”, recordou o ex-governador, que é considerado o pai do pedágio.

O presidente da CPI do Pedágio, Nelson Luersen (PDT), agradeceu a presença do ex-governador Jaime Lerner e reafirmou que o que realmente a comissão quer é a garantia das obras previstas no contrato original.

O blog apurou que os empresários do pedágio tentam novo acordo para baixar preço pedágio em 10% ainda este ano, vésperas das eleições de 2014. Eles querem como contrapartida do governo Beto Richa (PSDB) renovação da concessão por mais dez anos.

“Não discordamos de se ter pedágio. O que discordamos é do preço abusivo do pedágio e das obras que não foram feitas. O Poder Público é um Poder travado e que precisa ser destravado. O que queremos é corrigir as distorções”, declarou Luersen.