Por Esmael Morais

Coluna do Ricardo Mac Donald: “Gestões anteriores tratavam seguro de vida dos servidores como coisa particular”

Publicado em 18/10/2013

Ricardo Mac Donald, secretário Municipal de Governo de Curitiba, em sua coluna, ensina que a concorrência no contrato de serviços pode trazer benefícios ao poder público; capitão do time do prefeito Gustavo Fruet, o colunista lembra que as gestões anteriores !“ inclusive a de Luciano Ducci e Beto Richa !“ não faziam a licitação para segurar a vida dos servidores municipais; ele acusa que o seguro público era tratado como coisa particular entre os dirigentes de plantão, o corretor e a seguradora; Mac Donald diz que com a vencedora do certame, a Capemisa, o executivo municipal economiza R$ 5,2 milhões ao ano; leia o texto.

Ricardo Mac Donald, secretário Municipal de Governo de Curitiba, em sua coluna, ensina que a concorrência no contrato de serviços pode trazer benefícios ao poder público; capitão do time do prefeito Gustavo Fruet, o colunista lembra que as gestões anteriores !“ inclusive a de Luciano Ducci e Beto Richa !“ não faziam a licitação para segurar a vida dos servidores municipais; ele acusa que o seguro público era tratado como coisa particular entre os dirigentes de plantão, o corretor e a seguradora; Mac Donald diz que com a vencedora do certame, a Capemisa, o executivo municipal economiza R$ 5,2 milhões ao ano; leia o texto.

por Ricardo Mac Donald Ghisi*

Nos últimos 20 anos, o seguro de vida dos servidores municipais foi tratado como coisa particular entre os dirigentes de plantão, o corretor e a seguradora. A atual gestão optou por um caminho diferente: o da disputa entre os interessados em explorar o serviço.

Quem estava não queria sair. Então, tome ações no Judiciário, no Tribunal de Contas e onde mais fosse possível! Retardava-se a decisão, e a Prefeitura teve que insistir muito na concorrência pública, para que ela acontecesse.

A guerra encerrou-se. Espero! A partir da assinatura do novo contrato com a empresa vencedora, a Capemisa, que foi vitoriosa num certame transparente entre a Caixa, a Zurich Seguradora, e o Bradesco Seguros.

Por que a briga?

Vou explicar com números: depois da concorrência, o faturamento médio mensal caiu de R$ 1.531.236,79 para R$ 1.091.921,06. Ou seja, R$ 5.271.788,73 ao ano.

E para onde vai todo esse dinheiro agora? Para o bolso do servidor, que teve 35,16% de abatimento na sua taxa de seguro. Se antes pagava R$ 100,00 por mês, hoje paga R$ 64,84. Além de outro benefício: o auxilio funeral, que era de R$ 2.846,39, subiu para R$ 5.580,00.

à‰ certo que a vencedora não está perdendo dinheiro com a sua proposta. Portanto, depois da concorrência realizada, pudemos verificar os preços abusivos praticados por quem explorava o serviço e, por longos anos, deixou o servidor público relegado ao último estágio de suas preocupações.

Por que não fizeram isso antes?!, perguntam os servidores. São os mistérios da fé!!, responde um ex-prefeito de Barra do Jacaré….

*Ricardo Mac Donald Ghisi é advogado, secretário Municipal de Governo de Curitiba. Escreve à s sextas no Blog do Esmael.