Por Esmael Morais

Com medo de greve, Richa desiste de calote e manda pagar reajuste a professores

Publicado em 20/09/2013

Pelo Twitter, Richa volta atrás e manda secretarias da Educação e Administração pagarem atrasados devidos a professores e funcionários das escolas públicas do Paraná; tucano foi recepcionado com protestos de educadores em Apucarana e Cambará e categoria prepara assembleia, no próximo dia 28, na qual será avaliada possibilidade de greve; segundo o Palácio Iguaçu, ao honrar o compromisso assumido, nenhum professor ficará fora do piso nacional do magistério; será que o magistério vai dar um novo voto de confiança ao tucano? E as demais categorias do funcionalismo público não vão querer o mesmo tratamento e pleitear novos reajustes salariais?

Pelo Twitter, Richa volta atrás e manda secretarias da Educação e Administração pagarem atrasados devidos a professores e funcionários das escolas públicas do Paraná; tucano foi recepcionado com protestos de educadores em Apucarana e Cambará e categoria prepara assembleia, no próximo dia 28, na qual será avaliada possibilidade de greve; segundo o Palácio Iguaçu, ao honrar o compromisso assumido, nenhum professor ficará fora do piso nacional do magistério; será que o magistério vai dar um novo voto de confiança ao tucano? E as demais categorias do funcionalismo público não vão querer o mesmo tratamento e pleitear novos reajustes salariais?

Depois de enfrentar duas manifestações de professores e funcionários de escolas no interior do Paraná — Apucarana e Cambará, no Norte e Norte Pioneiro, respectivamente — o governador Beto Richa (PSDB) afrouxou o sutiã nesta sexta (20) uma semana depois de aplicar calote na categoria.

Pressionado pelos protestos e temendo uma greve dos educadores, o tucano mandou hoje pagar na próxima folha de pagamento 0,6% retroativo a maio e em outubro o restante dos atrasados cobrado pelo magistério. A informação é de um orelha seca! do blog instalado em confortável poltrona no Palácio Iguaçu, sede do governo estadual.

Educação é prioridade absoluta no Paraná. Determinei hoje cedo que compromissos assumidos com os professores sejam honrados no próximo pagamento!, tuitou Richa.

Na última sexta (13), em primeira mão, este blogueiro informou que Richa e seu vice Flávio Arns (PSDB), secretário da Educação, tinham dado calote de R$ 50 milhões no magistério paranaense. A promessa, feita dia 30 de agosto, era de pagamento dos atrasados naquele dia. Ficou na promessa.

O total do calote tucano é resultado do levantamento feito pela APP-Sindicato, junto à  Secretaria de Estado da Educação (Seed), e abrange débitos relativos a promoções, progressões, diferença do Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN), novo enquadramento do Quadro de Funcionários da Educação Básica (QFEB).

Será que desta vez o governador vai cumprir com a nova promessa? E as demais categorias dos servidores públicos, não vão querer o mesmo tratamento dispensado aos educadores?

Pelo sim pelo não, no próximo sábado (28) professores e funcionários da 2,1 mil escolas da rede pública do estado se reunirão em assembleia para definir a pauta de greve. Se vão dar ou não um novo voto de confiança ao governador Beto Richa.