Por Esmael Morais

Gustavistas estudam convocar Richa e Ducci para depor na CPI da Urbs

Publicado em 18/09/2013

Prefeitura de Curitiba estranha que auditoria sobre transporte coletivo não tenha passado pelo crivo do plenário do Tribunal de Contas; gustavistas estudam pedir a convocação do governador Beto Richa e do ex-prefeito Luciano Ducci para que expliquem a licitação questionada pelo órgão de contas; Se há malfeito tem que existir, também, responsáveis!, dizem vereadores governistas.

Prefeitura de Curitiba estranha que auditoria sobre transporte coletivo não tenha passado pelo crivo do plenário do Tribunal de Contas; gustavistas estudam pedir a convocação do governador Beto Richa e do ex-prefeito Luciano Ducci para que expliquem a licitação questionada pelo órgão de contas; Se há malfeito tem que existir, também, responsáveis!, dizem vereadores governistas.

A CPI da Urbs, que investiga o transporte coletivo em Curitiba, estuda pedido de convocação do ex-prefeito Luciano Ducci (PSB) e do governador Beto Richa (PSDB) para que expliquem o teor da auditoria divulgada ontem à  tarde, durante coletiva à  imprensa, pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O blog teve informação de que a bancada de sustentação do prefeito Gustavo Fruet (PDT), na Câmara Municipal, estranhou que o resultado da auditoria fosse apresentado em coletiva antes de passar pelo crivo do plenário do TCE.

“A auditoria do TCE é capenga porque não apresentou os autores dos malfeitos apontados”, ironizou um vereador gustavista, que pediu anonimato, ao defender a convocação do ex-prefeito e do governador para deporem na CPI da Urbs.

“Foram eles — Richa e Ducci — que iniciaram o processo de licitação dos ônibus. Se há alguma irregularidade, como aponta auditoria do Tribunal de Contas, nada mais justo que eles expliquem isso à  sociedade”, disse ao blog um assessor de Fruet.

Além de denunciar a formação de cartel no transporte público da capital, o TCE ainda colocou uma casca de banana no caminho de Fruet ao sugerir a redução da tarifa em 16,7%. Isso significa que o usuário poderia estar pagando R$ 2,25, ao invés de R$ 2,70.

A CPI da Urbs se reúne hoje (18), à s 18 horas.