Adesão do PSDB põe fim à  tentativa de divisão na Assomec

Luizão Goulart foi reconhecido presidente da Assomec, no final de semana, até pelos prefeitos do PSDB, como Beti Pavin, de Colombo; "racha" da entidade termina com isolamento político de Aldnei Siqueira, de Tamandaré; na próxima quinta, em Curitiba, tucanos, petistas, peemedebistas e assemelhados voltam a se reunir para discutir resíduos sólidos.

Luizão Goulart foi reconhecido presidente da Assomec, no final de semana, até pelos prefeitos do PSDB, como Beti Pavin, de Colombo; “racha” da entidade termina com isolamento político de Aldnei Siqueira, de Tamandaré; na próxima quinta, em Curitiba, tucanos, petistas, peemedebistas e assemelhados voltam a se reunir para discutir resíduos sólidos.

O prefeito de Almirante Tamandaré, Aldnei Siqueira (PSD), derrotado na eleição da Assomec (Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba), ocorrida em janeiro, se isolou politicamente ao dispensar médicos estrangeiros do programa Mais Médicos (clique aqui para relembrar), do governo federal, e por manter a ideia de dividir a entidade representativa dos prefeitos.

O grande fato foi a presença da prefeita Beti Pavin (PSDB), de Colombo, evidenciando o racha existente entre os chefes de executivos municipais ligados ao governador Beto Richa (PSDB). Na prática, a tucana referendou a direção da Assomec e põe fim à  tentativa de divisão na entidade comandada pelo prefeito de Pinhais, Luizão Goulart (PT).

Na última sexta (27), prefeitos, vice-prefeitos e secretários de 17 municípios da Região Metropolitana de Curitiba estiveram reunidos na cidade de Pinhais. Temas como o transporte coletivo, resíduos da construção civil, responsabilidades com o gasto público e geração de emprego e renda foram abordados.

“A Assembleia Ordinária da Assomec serviu para fortalecer ainda mais a entidade como elo de integração entre a capital e as cidades ao seu entorno”, disse Luizão.

Nesta quinta (3), prefeitos tucanos, petistas, peemedebistas e assemelhados voltam a se reunir em Curitiba para discutir a questão dos resíduos sólidos.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I just want to say I am very new to blogging and site-building and definitely liked you’re blog site. Very likely I’m want to bookmark your website . You actually come with outstanding well written articles. Cheers for revealing your website page.

  2. Parabéns ao Luizão que demonstra que prefere trabalhar e ajudar os prefeitos da metropolitana, do que fazer futrica e politicagem.

  3. O PRIMEIRO SINAL DE SABEDORIA DOS LÍDERES POLÍTICOS É A HUMILDE E SABER ACEITAR DEMOCRATICAMENTE O JOGO DEMOCRÁTICO! ALGO QUE A PREFEITA DE COLOMBO BETI PAVIN DENTRO DA SUA SENSIBILIDADE E INTUIÇÃO FEMININA CAPTOU!

    Esmael e demais quem quer ser líder, ainda mais na política, tem que se tornar uma pessoa que em dada situação, influencia, por suas idéias e ações, o pensamento e as atitudes de outros membros do grupo. O fato de influenciar, não implica que haja monopolização da atenção em todos os momentos da vida pública. Deve, sim, proporcionar e encorajar a participação de todos os outros membros. Os líderes eficientes são sensíveis às transformações de seus grupos e flexíveis na adaptação de seus comportamentos às novas exigências. O mesmo grupo de pessoas se comportará de formas diferentes quando atuarem sob líderes que se comportem de maneiras diferentes. Os líderes políticos dos grupos mais eficientes são mais capazes de desempenhar papéis diferentes do que os líderes de grupos menos eficientes (rachados com disputas internas inúteis).
    Os grupos mais eficientes sofrem menos verificações e recebem mais apoio para os seus integrantes, despertando a perspectiva pública que se pode ter confiança na capacidade deste mesmo grupo. Os integrantes de grupos com melhor desempenho estão atentos em promover união entre os seus membros. Ou seja, deve haver uma íntima relação entre a liderança política e a eficiência do grupo que está diretamente ligada à eficiência de uma boa equipe de trabalho, com uma atmosfera cooperativa e amistosa, além de desenvolver lealdade no grupo, no caso aqui especificado, da ASSOMEC. Mais especificamente, a liderança política consiste em determinadas ações algo que mobilize o grupo para os objetivos reais da sociedade, melhorem a qualidade das interações entre os membros, permitam união do grupo ou tornem disponíveis os recursos aos seus membros. Então caímos na questão da percepção, e a mesma é “enxergar” além do óbvio. Percepção é o ato, efeito ou faculdade de perceber. Ela se realiza por meio dos sentidos (visão, audição, olfato, paladar e tato). Cada indivíduo tem a sua maneira própria, diferente, de perceber o mundo, as pessoas, os acontecimentos. O fato de cada pessoa perceber de maneira diferente da outra está condicionado às suas características pessoais, educação e valores recebidos, experiência vivenciadas. Se a percepção vai influir nas relações com os outros, é necessário estarmos conscientes do grau de distorções das nossas percepções e de como torná-las mais próximas da realidade.
    Resumindo: Assim sendo faltou e falta percepção política ao (des) governador Beto Richa quando armou confusão para derrubar o atual Presidente da Assomec que é o atual Prefeito (PREFEITÁSSO) de Pinhais Luizão Goulart (90% ou mais de aprovação).
    Ou seja, o prefeito de Almirante Tamandaré, Aldnei Siqueira que “se isolou politicamente ao dispensar médicos estrangeiros do programa Mais Médicos, do governo federal, e por manter a ideia de dividir a entidade representativa dos prefeitos”, precisava e precisa aprender ao invés de ser taxado de “alienígena que está perdido em outra dimensão política.”