Brasil considera que houve ruptura da ordem democrática no Egito, que já tem presidente interino

da Agência Brasil

O governo brasileiro considera que houve golpe no Egito, que depôs ontem o presidente eleito Mouhamed Mursi; as Forças Armadas do Egito informaram hoje que Adly Mansour, de 67 anos, tomou posse como presidente interino do país árabe.

O governo brasileiro considera que houve golpe no Egito, que depôs ontem o presidente eleito Mouhamed Mursi; as Forças Armadas do Egito informaram hoje que Adly Mansour, de 67 anos, tomou posse como presidente interino do país árabe.

A deposição do presidente do Egito, Mouhamed Mursi, é tratada pelo Brasil como ruptura da ordem democrática!. Mursi foi destituído do poder ontem (3) pelas Forças Armadas e no lugar dele foi nomeado o presidente da Suprema Corte, Adly Mansour. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Tovar da Silva Nunes, reiterou à  Agência Brasil que houve ruptura! e negou a possibilidade de fechar a embaixada brasileira no país.

Trata se de uma clara ruptura da ordem democrática devido à  destituição de um presidente democraticamente eleito [Mursi] e à  suspensão da Constituição!, disse o porta-voz. Segundo ele, o chanceler Antonio Patriota acompanha os acontecimentos no Egito por intermédio da embaixada brasileira, do Ministério das Relações Exteriores e da Secretaria de Estado do país.

Tovar rebateu a possibilidade, no momento, de fechar a Embaixada do Brasil no Egito, diferentemente do que determinaram os governos dos Estados Unidos e de Israel. No momento, não se considera necessário!, ressaltou.

Ao ser perguntado se há mudanças no futuro das relações do Brasil com o Egito, o porta-voz disse que ainda é cedo para fazer a avaliação sobre mudanças. Ainda não se pode falar em mudança das relações. O governo brasileiro deseja que o povo egípcio encontre uma solução dentro da ordem democrática de forma a atender à s suas aspirações de uma sociedade mais aberta, mais justa e mais próspera!, destacou.

Presidente interino do Egito assume o poder

O presidente nomeado pelas Forças Armadas do Egito, Adly Mansour, de 67 anos, tomou posse hoje (4) e prestou juramento diante da Suprema Corte Constitucional, que comandava até ontem. Mansour ficará interinamente no poder até que sejam realizadas eleições presidenciais, segundo as Forças Armadas. O interino substitui o presidente deposto Mouhamed Mursi.

A nomeação de Mansour foi anunciada pelo ministro da Defesa, Abdel Fattah Al Sisi, nessa quarta-feira. Mansour foi nomeado interino apenas dois dias após assumir a presidência da Suprema Corte do Egito.

Mansour era vice-presidente da Suprema Corte desde 1992 e foi encarregado de redigir a lei de supervisão para as eleições presidenciais, que ocorreram no ano passado e nas quais Mursi foi vitorioso. Nascido no Cairo, a capital egípcia, ele é formado em direito e fez pós-graduação em legislação geral e ciência administrativa. Estudou em Paris de 1975 a 1977.

Antes de assumir funções na Corte Suprema, Mansour fez parte do Conselho de Estado do Egito, em 1984, assumindo inclusive a presidência do órgão. Ele é casado e tem três filhos. Assume interinamente o poder com o apoio das Forças Armadas e de diferentes segmentos da oposição.

Os militares que destituíram Mursi ontem não informaram, por enquanto, quando ocorrerão as eleições presidenciais. O presidente deposto é mantido detido, juntamente com colaboradores, sob a supervisão dos militares.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Mas os egípcios não foram pra rua pedir pro cara renunciar? Porque não renunciou? A voz do povo é a voz de ALÁ… Mouhamed Mursi não sai por bem, sai por mal… Se o povo votou, foi lá e desvotou…Simples…

  2. Mas meus amigos é uma inocencia total , de achar que o Egito era democratico.
    O Egito nunca foi nem no tempo que o nome antigo era Misraim,nos tempos de Faraon Neco. Porque o Egito foi passado uns tempossendo colonia de outras nações, babilonia, Grecia, Imperio romano ,e otomano. Depois veio os Ingleses. Colocaram Abdel Nasser,Anuar Sadat,e Osni Mubarac que o cupou a presidecia até pouco tempo. Semple o sistema de governo do egito foi protegido pelos Estados Unidos da America.Mesmo oditador Osni Mubarak, eleição tipo brincando de casinha houve essa ,mas os Imperialistas ajudaram derrubar mubarak porque não era mais preciso um governo linha dura no Egito. Na guerra contra Israel o resto dos Arabes so iam porque o Egito ia. depois da paz de camps david o Egito assinou o acordo de paz com Israel, ai nunca maishouve ataque dos Arabes numa guerra declarada. Mas o Imperialismo viu que o Egito deixaria de ser laico ,para criar uma republica islamica. Ai passaram o rodo de novo..Acreditem no Egito a maioria da população é muçulmana,e na Turquia 98% dos habitantes são muçulmanos.O mundo vai ter que aceitar os muçulmanos como eles são ,ou vão sofrer a furia do mundo arabee, O arabe não conhece fronteira politica ,onde existe ceu e areia, e o termo onde o arabe considera sua casa .O gito não tem economia solida para entrar nos brics, na decada de 80 A Republica da Africa do sul tinha um pib maior que o continente africano, somando as riquezas das nações africans não chegava no pib Sul africano.

  3. DEPOIS O EGITO QUER ENTRAR NOS BRICS. VAI FICAR QUERENDO.