Segundo o Datafolha, Dilma e Lula venceriam. Ele, com mais facilidade

do Brasil 247

Em todos os quatro cenários pesquisados pelo Datafolha, dois com a presidente Dilma Rousseff e dois com o ex Luiz Inácio Lula da Silva concorrendo pelo PT, a vitória ocorreria no primeiro turno; a diferença é que, agora, diferentemente do passado, Lula teria uma folga um pouco maior do que a de sua sucessora, o que deve estimular novas pressões, dentro do PT e da base aliada, para que essa discussão seja reaberta.

Em todos os quatro cenários pesquisados pelo Datafolha, dois com a presidente Dilma Rousseff e dois com o ex Luiz Inácio Lula da Silva concorrendo pelo PT, a vitória ocorreria no primeiro turno; a diferença é que, agora, diferentemente do passado, Lula teria uma folga um pouco maior do que a de sua sucessora, o que deve estimular novas pressões, dentro do PT e da base aliada, para que essa discussão seja reaberta.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já deixou claro, em inúmeras oportunidades, que não pretende concorrer novamente à  presidência da República. Numa conversa com empresários, usou a imagem do piloto alemão Michael Schumacher, que venceu tudo na primeira fase da carreira e só acumulou frustrações, após seu retorno à  Fórmula 1, para justificar suas razões.

No entanto, a análise detalhada da pesquisa Datafolha deste fim de semana pode reativar as pressões, dentro e fora do PT, especialmente em setores da base aliada insatisfeitos com a relação com o Palácio do Planalto, para que ele reveja sua posição. Os dados revelam que, diferentemente do que ocorria em pesquisas anteriores, Lula teria hoje mais facilidade para se eleger do que a presidente Dilma !“ muito embora ambos pareçam capazes de vencer, com folga, no primeiro turno.

Ao todo, o Datafolha pesquisou quatro cenários: dois com Lula e dois com Dilma concorrendo pelo PT. Em vez de incluir apenas os candidatos já conhecidos, como Aécio Neves, do PSDB, Eduardo Campos, do PSB, e Marina Silva, da Rede Sustentabilidade, o Datafolha fez também uma simulação com o ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal.

Eis os resultados da pesquisa realizada nos dias 6 e 7 de junho de 2013:

Cenário A (com Dilma)

Dilma 51%

Marina 16%

Aécio 14%

Eduardo Campos 6%

Dilma teria uma vantagem de 15 pontos em relação aos adversários, que, em março deste ano, era de 26 pontos.

Cenário C (com Lula)

Lula 55%

Marina 15%

Aécio 13%

Eduardo Campos 5%

Lula teria uma vantagem de 22 pontos em relação aos adversários, que, em março deste ano, era de 30 pontos.

Cenário B (com Dilma)

Dilma 49%

Marina 14%

Aécio 12%

Joaquim Barbosa 8%

Eduardo Campos 5%

Dilma teria uma vantagem de 10 pontos em relação aos adversários, que, em março deste ano, era de 21 pontos.

Cenário D (com Lula)

Lula 55%

Marina 12%

Aécio 11%

Joaquim Barbosa 8%

Eduardo Campos 3%

Lula teria uma vantagem de 21 pontos em relação aos adversários, que, em março deste ano, era de 22 pontos.

—-

A pesquisa revela, portanto, que, sem Joaquim Barbosa, Dilma teria 15 pontos de vantagem sobre os adversários contra 22 de Lula. Com o ministro do STF no jogo, a margem de Dilma seria de 11 pontos contra 21 de Lula.

Em todos os cenários, trata-se de uma vantagem considerável, mas o fato é que a pesquisa acrescenta um elemento a mais de incerteza no jogo.

9 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O porcão ta pronto pro abate, liga pro chaves reservar um espaço. rsrsrsrsrs

  2. muitos falam, mas pelos seus não fazem algo. O lula teve seus erros, mas. é muito tolo quem diz que o país nao melhorou.
    AGORA. DIZER QUE O BETO 2018 etc. nesse desgoverno que esta e burrice.

  3. A República do “Eu NÃo Sabia”

    Por Mary Zaidan

    Nenhum governante deveria mentir. Muito menos institucionalizar a mentira. Oferecer-se ao público e, de cara lavada, dizer que não sabia o que todo mundo sabe que o dirigente sabia. Ainda que se dê o benefício da dúvida e se admita que por vezes governantes não saibam o que se passa embaixo de seus narizes, é impossível admitir o não saber como padrão.

    Oficializada pelo ex-presidente Lula, a república do “eu não sabia” virou moda.

    Lula jurou que foi traído, que nada sabia sobre o mensalão. No mesmo tom, disse ter sido “apunhalado pelas costas” pela sua ex-protegida Rosemary Noronha, que utilizava da intimidade com o presidente para traficar mimos.

    Lula também não sabia das peripécias de José Dirceu, que fora o craque, o capitão de seu time, que, por sua vez, desconhecia que seu assessor Waldomiro Diniz tinha negociatas com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Assim como José Genoíno assinou sem saber os empréstimos do Banco Rural que lastrearam parte do mensalão.

    Quando era ministro da Fazenda de Lula, Antonio Pallocci chegou a alegar que não sabia dirigir em Brasília, e, portanto, não poderia ter chegado pilotando um Peugeot cinza na casa da alegria do Lago Sul, conforme o caseiro Francenildo denunciara. Mais: não sabia e jamais soube da quebra do sigilo bancário do caseiro.

    A lista do “eu não sabia” é infinda.

    Aloizio Mercadante não sabia da compra do dossiê na qual o seu assessor foi flagrado e muito menos que a ação ocorrera para beneficiar a sua campanha ao governo do Estado e a de seu chefe Lula, que não sabia do envolvimento do seu assessor Freud Godoy na lambança dos aloprados.

    O ex-ministro Fernando Haddad, hoje prefeito de São Paulo, não sabia dos kits contra homofobia que chegariam a seis mil escolas, jogados no lixo depois de suspensos pela presidente Dilma Rousseff. Alexandre Padilha também não sabia da campanha “Eu sou feliz sendo prostituta”, veiculada por seu Ministério. Igualmente, Jorge Hereda, presidente da Caixa, não sabia que seus técnicos tinham mexido nas datas do pagamento do Bolsa Família, estopim para o boato de término do programa e para a corrida alucinada de beneficiários a agências, com quebradeiras e feridos.

    Vendida por marqueteiros como exímia gestora, centralizadora e mandona, Dilma não foge ao figurino. É enganada toda hora. Nada sabia sobre as trapaças de Erenice Guerra, e, supõe-se, nada sabe das aprontações de auxiliares que ela própria faxinou e que agora renomeia.

    Ninguém sabia que a refinaria de Pasadena (EUA) nada valia. Daí o equívoco de se pagar por ela U$ 1,18 bilhão. Uma conta que, ignorantes, não sabíamos.

  4. Se Lula ganhar tem que prestar atenção no vice, porque vai assumir logo.

  5. Se depender do meu voto e do voto de toda a minha familia jamais, mesmo por que se o PSDB não levar em 2014, em 2018 Beto Richa e Geraldo Alckmin despontam como provaveis nomes dentro do partido.

  6. Mesmo para perder o melhor nome do PSDB e Geraldo Alckmin.

  7. Depois das imagens de Aécio que circularam o país daquele jeito, tanto Lula como Dilma vencem com folga. Nesse ano com certeza o nosso PIB vai crescer mais e não somente isso, a melhoria da qualidade de vida da população melhorou e muito. Só lamento estarem queimando o Chalita a esperança do PMDB para 2018. Política é assim mesmo.

  8. Ah por favor né. Se tiver que ser mesmo do PT que seja a DILMA, acho que tem pulso firme e quando da tapinha nas costas é pra derrubar ministros, não para acariciar, como faz o Sapo Barbudo, amigo do Zé.

  9. O PT ainda se não for de Dilma na reeleição vai de Lula, ou seja, é pior para a oposição, ao contrário que se não tivessem a opção do pinguço Aécio Neves, iriam lançar nomes já queimados como Serra, Alckmim, etc.