Reduzir o preço ou revogar o aumento na tarifa? Eis a questão

Intransigente, movimento não aceita redução simbólica! na tarifa de ônibus; protestos de amanhã e sexta deverão exigir de Fruet, a exemplo de São Paulo, a "revogação" de aumento na passagem de ônibus na capital paranaense.

Intransigente, movimento não aceita redução simbólica! na tarifa de ônibus; protestos de amanhã e sexta deverão exigir de Fruet, a exemplo de São Paulo, a “revogação” de aumento na passagem de ônibus na capital paranaense.

Nesta quinta-feira 20, a partir das 18 horas, são esperados milhares de jovens na Boca Maldita, centro de Curitiba, para mais uma jornada pela redução no preço da passagem de ônibus.

Nos bastidores, fala-se que amanhã o prefeito Gustavo Fruet (PDT) poderá voltar atrás anunciando redução na tarifa devido à  pressão da ministra Gleisi Hoffmann (PT). Especula-se que poderá reduzir entre R$ 0,05 e R$ 0,10 com objetivo de aplacar o movimento das ruas.

Entretanto, na manifestação de amanhã e de sexta (sim, depois de amanhã tem outro protesto), a juventude deverá rechaçar a redução e levantar bem alto a bandeira pela “revogação do aumento” na tarifa — a exemplo do que fez o prefeito Fernando Haddad (PT), em São Paulo.

Em Março, Fruet reajustou a tarifa de R$ 2,60 para R$ 2,85 e a domingueira de R$ 1 para R$ 1,50. Os manifestantes reivindicam que a tarifa do ônibus volte ao antigo preço.

Comentários encerrados.