Guerra de vaidades: Richa fala de redução na tarifa e Fruet em Copa, mas só jornal ganha com publicidade

Fruet e Richa travam duelo de egos pagando anúncios caros no jornal Gazeta do Povo, mas a tarifa na capital continua alta; ao invés dessa disputa de vaidades, cara, com o nosso dinheirinho, por que eles não somam esforços e reduzem o preço da passagem em Curitiba?

Fruet e Richa travam duelo de egos pagando anúncios caros no jornal Gazeta do Povo, mas a tarifa na capital continua alta; ao invés dessa disputa de vaidades, cara, com o nosso dinheirinho, por que eles não somam esforços e reduzem o preço da passagem em Curitiba?

Os curitibanos foram surpreendidos com anúncios de página inteira do governo do estado e da prefeitura de Curitiba, no jornal Gazeta do Povo, neste domingo (16), um dos veículos pertencentes ao grupo RPC/Globo.

O prefeito Gustavo Fruet (PDT), à  página 5, preferiu falar da Copa do Mundo. “Curitiba é do mundo”, diz o anúncio do executivo municipal pago, é claro, com o dinheirinho de cada trabalhador que reivindica a redução na tarifa do ônibus.

à€ página 7 do mesmo jornal, o governador Beto Richa (PSDB) tenta capitalizar em anúncio de página inteira a redução no preço da tarifa em seis cidades-polo — Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel e Foz do Iguaçu — mais queda de R$ 0,10 na região metropolitana de Curitiba. Ele atribui a redução à  extinção do ICMS no óleo diesel.

O diabo é que o tucano não avisou que na Grande Curitiba, por exemplo, também haveria redução na quantidade de ônibus rodando. Os poucos veículos estão circulando lotados. O povo espremido como se fosse sardinha em lata. Vide o caso de São José dos Pinhais. Lá, os vereadores chegaram a esboçar um protesto contra o governador.

Fruet continua fingindo que a questão da redução da tarifa em Curitiba não é com ele, pois prefere falar de Copa do Mundo.

Por outro lado, Richa não citou nem uma vez que a queda no valor das tarifas foi possível, também, graças a ajuda da presidenta Dilma Rousseff que isentou o transporte coletivo de PIS/Cofins.

Nessa guerra de anúncios só há um ganhador: a RPC/Gazeta do Povo que abocanhou as propagandas; mas tem vários perdedores: os curitibanos.

Interessante que nessa guerra publicitária, cujo combustível é o dinheirinho do contribuinte, as agências de propaganda têm a mesma matiz política/ideológica. Atendem tanto a prefeitura da capital quanto o governo do estado. Até as peças de campanhas são reaproveitadas da administração anterior.

Agora a pergunta que não quer calar: Por que Richa e Fruet não somam esforços, poupando esse dinheirão gasto com publicidade, e não bancam a redução da tarifa em Curitiba? Por quê?

15 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O Richa pelo menos fez alguma coisa -pouca SIM, mas FEZ, ja o banana Fruet nada fez.

    • Fez nada, quem fez foi a Dilma, o desconto do Richa é por causa da Dilma…Depois do jeito que ele andou aumento o ICMS de alguns produtos, daria pra quadruplicar o valor do benefício..

  2. Tradução o Governador querendo se aparecer com demagogias como ja foi provado neste post e o Prefeito querendo se aparecer com inutilidades.
    realmente tudo farinha do mesmo saco

  3. Tradução, nosso Governador preocupado com algo importante para a sociedade e o Prefeito preocupado com algo desnecessario para o país, eupergunto, ainda tem tempo do Brasil desistir dessa Copa e evitar passar vergonha?

  4. Opá.
    Não ia gastar dinheiro só com campanha educacional sr. Secretario da Comunicação!
    Que palhaçada!

  5. Como sempre Beto Richa e suas atitudes demagogas, de novo tentando aplicar o mesmo golpe da tarifa de onibus, o mesmo de 2004, que ele brigou com seu atual secretario de planejamento, o mesmo do ano passado que quebrou a cara.
    E como disse em um post anterior que na segunda foi mudado os horarios de onibus dos nossos onibus da região metropolitana diminuindo a frota, coincidentemente na quinta o governador oportunista carreirista sem escrúpulos abaixou a passagem, palmas parabens??? mas quem esta pagando essas atitudes demagogas??? o povo nos que agora tem que pegar onibus mais lotados! E esses subsidios vão pro bolso de quem????pro do povo que não né!!!Então abaixa a tarifa, mas diminui onibus, faz as coisas continuar na mesma e as empresas vão continuar no lucro.
    Beto Richa é um Hipocrita e ano que vem é #FORABETORICHA
    Ja o Fruet ta muito omisso não fala nada não sabe de nada.
    Fruet Bora abrir a caixa preta mostrar as planilhas de custos pro povão ver que sua atitude de não baixar a tarifa e manter a qualidade é mais louvavel que a do governador HIPOCRITA.
    A manter a qualidade?? Fruet, aumentar o numero de onibus nas linhas tambem é promessa de campanha e ja no inicio do governo.
    Estamos de olho!!

  6. É compreensível que o Governo Estadual colabore com a redução das tarifas em Curitiba, em uma união com o Estadual, mas o Governo deve governar para o Estado e não somente para a Capital.
    E eu não defendo que os preços das passagens sejam mantidos, ao contrário, acredito que se realmente tivessem vontade até mesmo o passe livre seria possível, se houvesse um governo para o povo.
    Algumas cidades já estão questionando porque o subsídio para a integração das passagens de RMC e não para a integração de outras cidades.
    Assim, há um cuidado a ser tomado. Por quê Curitiba sim e as demais não???
    Será que queremos mais um “governador de Curitiba”, como já tivemos por aqui?

  7. Esses dois governos só existem na propaganda…

  8. Caro Esmael:

    Contribuindo com o debate, o professor Gilberto Maringoni defende o subsídio ao transporte coletivo em São Paulo, tal como já ocorre em muitas cidades do mundo onde os administradores públicos , por não estarem tão presos a compromissos não tão públicos, perceberam que é muito mais barato subsidiar do que não subsidiar. Por várias razões entre as quais citam-se frequentemente:

    Transporte coletivo mais barato e bom , mesmo subsidiado, retira veículos individuais do espaço das ruas e isso é muito mais economico para o interesse publico ao:

    a) reduzir necessidades de grandes obras viárias para atender ao transporte individual;
    b) no Brasil, como existe o Vale Transporte, reduziria o custo da mão de obra aos empregadores;
    c) aumentaria a competitividade dos produtos e serviços produzidos naquela cidade ou região metropolitana;
    d) aumentaria o nível de participação da cidade no PIB;
    e) aumentaria a renda média dos habitantes da cidade;
    f) aumentaria a receita em tributos pelo aumento da produção e da renda;
    g) diminuiria a emissão de poluentes pela diminuição do numero de motores a explosão em uso simultâneo e parados em engarrafamentos;
    h) diminuiria o tempo despendido para deslocamentos e novamente com isso, as emissões;
    i) tornaria a cidade mais atraente para indivíduos mais qualificados e com isso sua industria e serviços mais qualificadas;
    j) tornaria a questão “transporte coletivo” um assunto mais debatido e por isso mais transparente, devido à sua maior participação no orçamento municipal e importância para a vida da cidade e o bem estar dos cidadãos;
    k) aumentaria a produtividade geral do contingente de trabalhadores, empregadores, funcionários públicos, que teria mais tempo para repouso, lazer, educação e inclusive, de leitura a bordo dos coletivos;
    l) Diminuiria o desgaste das vias publicas pela diminuição do numero de veículos se houver adequação dos pavimentos para os veículos coletivos;
    m) Diminuiria o numero de acidentes, ferimentos, mortes no trânsito;
    n) Aumentaria as oportunidades de convívio social menos segregadas entre as camadas da população mais e menos bem remuneradas;
    o) Reduziria as tensões sociais latentes que, no transito caótico, desnivelam os que vão apertados como sardinhas em lata e os que podem usufruir de ar condicionado, motores possantes;
    p) Reduziria a poluição sonora ao concentrar a fiscalização do nivel sonoro a menos veículos no total e a mais veículos em serviço publico de transporte;
    q) Possibilitaria grande economia no numero de agentes públicos na fiscalização do trânsito e do transporte pois aproveitaria melhor a estrutura existente;
    r) Possibilitaria a criação de mais empregos na condução de veículos dos meios de transportes públicos, venda de passagens, controles, etc;
    s) Possibilitaria o uso em maior escala de combustíveis fósseis menos poluentes como o Gás Metano, frente ao óleo diesel;
    t) Daria ao gás metano que se espera extrair do pré-sal uma utilização muito mais nobre, porque móvel, do que gerar energia elétrica em usinas termoelétricas, atividade que é muito mais recomendável exercer com fontes renováveis, como a hidroelétrica, eólica e solar que dependem de estruturas fixas para poderem aproveitar esses recursos na natureza;
    u) Contribuiria para adensar cargas de transporte em corredores, dando no caso de Curitiba, maior uso a eles do que atualmente, quando na maior parte do tempo, estão vazios enquanto as demais vias estão cheias de automóveis;
    v) Contribuiria, com o adensamento de cargas, para o uso mais intenso da própria energia elétrica para tracionar veiculos coletivos, com meios relativamente muito baratos, como o VLT e o VLP;
    x) Possibilitaria o uso combinado de carros individuais até estacionamentos dos terminais, nas regiões mais periféricas e menos adensadas;
    z) Acabaria com o verdadeiro martírio, humilhação, desânimo que é ter que ir trabalhar sabendo que antes precisa-se enfrentar a degradante situação de ser transportado como gado, como prisioneiros indo para Auschwitz, apenas porque, em algum gabinete, algum agente público aceitou que um novo administrador de setor do concessiona´rio privado, querendo mostrar serviço aos donos da empresa, encontrou mais uma formulinha mágica para permitir retirar mais um onibus da planilha, ou substituir o onibus existente por outro, menor, mais barato, com menso lugares sentados, naquele horário…

    http://www.cartamaior.com.br/templates/colunaMostrar.cfm?coluna_id=6139

    • Ivo, gostei muito do seu comentário mais por que vc que é do PT e a Mirian também, não compram essa briga então e pressionam o Fruet prá baixar a tarifa.
      Incoerente, muito incoerente o PT nacional dar o subsídio e o PT daqui de Curitiba não acatar.
      A Mirian é vaquinha de presépio.

    • Muito interessante seu comentário…Isso sim é um subsídio válido, pois traria benefício para a população inteira da cidade.

  9. Sim é possivel fonecer passagem mais barata ou de graça para quem precisa, estudar, quem esta no bolsa familia, ate pra classe media baixa que ta num sufoco terrivel. Hoje tem muita informacao, tecnologia e reduzir ou zerar a tarifa deve ser para quem realmente precisa. Sim é possivel. o que talvez nao temos é vontade politica de governantes que gastam, como vc bem diz sr blogueiro, milhões para inflar o ego, pq estao perdidos diante dessa onda da primavera ou inverno arabe que chegou ao Brasil. Sao politicos incompetentes das velhas famiglias, acostumadas ao bem bom do poder, nada mais….nao se pode esperar muita coisa de quem a politica se tornou producao de imagem para enrolar o povo!

  10. depois dessa o fruet merece uma sonora VAIA!! gastar nosso dinheiro pra bobagem como curitiba estivesse com postos de saúde funcionando bem , terminais sem goteiras e em prefeita condições, ruas sem buracos, obras acabadas etc etc.. do beto não vou nem comentar porque já caso perdido. o povo protestando pela tarifa e contra roubalheira da copa e o fruet gasta nosso dinheiro pra encher a bola da fifa.

  11. Esmael: Enquanto você e seus leitores estão lendo esse comentário, o Brasil está gastando nesse momento 55 mil reais por minuto com a geração de energia das termoelétricas, usando petróleo. Isso é que faz gastarmos 2,4 bilhões de reais por mês. ( 55.000,00 x 60 min x 24 horas x 30 dias = 2,4 bilhões/mês ).
    Mas ninguém liga, porque não sabe. E nem sabe que será cobrado no ano que vem. Nem que temos 9.000 MW em projetos prontos com aceite da ANEEL em pequenas usinas hidroelétricas, pararalisados na ANEEL e no BNDES. Nem que se economizássemos essa verdadeira fortuna, poderíamos praticamente fornecer gratuitamente o combustível para o transporte coletivo em todo o Brasil. Teríamos também muitas hidroelétricas para construir na Amazonia, se respeitassemos o direito dos indígenas a participar dos estudos e dos resultados líquidos dos empreendimentos hidroelétricos, garantido por lei, conforme esse artigo que o Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Elétrico publicou.

    http://www.ilumina.org.br/zpublisher/materias/Noticias_Comentadas.asp?id=20161

    Quanto mais informação melhor.