DEBATE: Pela liberdade total da internet nas eleições; veja o vídeo

Participei de um debate no canal comunitário a cabo CWB TV (NET e TVA), com o advogado e blogueiro Tarso Cabral Violin, promovido pela Centra Única dos Trabalhadores (CUT), sobre as mídias alternativas e o uso da Internet como forma de oferecer conteúdo alternativo aos grandes conglomerados de comunicação.

Defendi liberdade total na internet durante as eleições, neutralidade da rede, universalização da banda larga, contra o armazenamento de dados (logs) dos usuários e menos legislação que criminaliza a rede mundial de computadores.

Também me posicionei contra a judicialização da censura e a favor de que decisões acerca da liberdade de expressão sejam tomadas somente pelo Supremo Tribunal Federal (STF), nunca pela primeira instância judicial.

O programa ReperCut é apresentado pelo jornalista Daniel Mittelbach.

9 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Irresponsabilidades devem ser sim punidas…
    E sinceramente, usar o STF para resolver questoes que afetam apenas uma pequena regiao? Pff… O STF deve ser usado para julgar casos de interesse nacional, e nao ilacoes nao fundamentadas de blogueiros que querem atingir a um ou outro candidato. A liberdade de expressao deve existir, porem tem que ter limites, a divulgacao de mentiras, calunias, etc, deve ser sim coibida..

    Mensalão da internet

    Na última sexta-feira, neste mesmo espaço, a ex-senadora Marina Silva fez uma corajosa abordagem sobre um tema que impressiona a quem frequenta o mundo das redes sociais. Classificado por ela como “Mensalet” ou “mensalão da internet”, trata-se da atuação de uma indústria subterrânea voltada a disseminar calúnias e a tentar destruir reputações.

    Ninguém discute os benefícios da internet, que carrega o sonho de um mundo mais plural e democrático. Tamanha transformação exige, porém, um novo senso ético e de responsabilidade compartilhada.

    Infelizmente, sob os novos horizontes tornados reais, existe um campo cinzento onde se instalou, no Brasil, um verdadeiro exército especializado em disseminar mentiras e agressões. Fingindo espontaneidade, perfis falsos inundam as áreas de comentários de sites e blogs com palavras-chaves previamente definidas; robôs são usados para induzir pesquisas com o claro objetivo de manipular os sistemas de busca de conteúdo; calúnias são disparadas de forma planejada e replicadas exaustivamente, com a pretensão de parecerem naturais.

    Absurdas acusações que jamais serão comprovadas, por serem falsas, são postadas e repostadas diariamente. A vítima pode ser um magistrado, um político ou um cidadão comum. Pode ser um jornalista, uma atriz, não importa. Os objetivos são constranger, forjar suspeições, levantar dúvidas, transformar em verdade a mentira repetida mil vezes.

    O mais grave é que esse roteiro se repete para buscar desconstruir a imagem de qualquer um que ouse defender ideias divergentes dos interesses daqueles que mantêm plugada essa verdadeira quadrilha virtual. E, quando alguém recorre à Justiça para se defender de ataques infundados, é acusado de exercer censura, invertendo, assim, as posições. A vítima passa à posição de réu.

    Esse tipo de ação covarde é um lado da moeda que, na outra face, tenta controlar a imprensa, impedir a formação de novos partidos, defender a remoção do direito de investigação do Ministério Público e a submissão das decisões do STF à maioria governista no Congresso Nacional.

    A boa notícia é que esse movimento, cuja origem e objetivos ficam cada vez mais claros, ganha crescente descrédito, fazendo com que certas vilanias fermentem apenas nas trincheiras dos espaços ocupados, e eventualmente pagos, pela má-fé.

    Até porque não é apenas o conteúdo da internet, a mais importante revolução do nosso tempo, que deve permanecer para sempre. A honra das pessoas também deveria.

    Liberdades de imprensa, de informação e de opinião são conquistas definitivas da nossa sociedade. Calúnia, injúria e difamação são crimes. E assim devem ser tratados.

  2. Vi o programa e gostei muito das opiniões expostas por ambos os debatedores.
    Valeu!

  3. o tal fala sério tinha que ter outro nome, que tal Fala merda.kkkkkk.

    • Seu comentario prova a sua absoluta Imbecilidade. Vc ja viu alguma vez, um debate onde quem organiza e os “debatedores”, pensam iguais??? Isso não é debate , isso é conversa de compadre.

  4. 2 esquerdistas num debate esquerdopata.

    0,00001% de audiência.

  5. KKKKK 2 blogueiros de Esquerda, em encontro promovido pela Cut, só poderia dar em que???? Pra ter valor de fato, um debate sério tinha de ter participação de pessoas com pensamentos antagônicos. kkkkkkkk

  6. 2 Blogueiros com orientação progressista, muito embora demonstrando alinhamentos ideológicos distintos em diversas nuances.

    Resultado: Acessar o blog do Dr. Tarso na busca do ponto de vista progressita sobre os fatos políticos, sendo que este advogado demonstrou competência em suas opiniões, desapegadas do velho ódio polarizador da política guerrilheira de baixo nível, o qual já cansou os (e)leitores há muito tempo, promovendo generalizada antipatia contra esta postura “hater” e ultrapassada…

    • Fui acessar o tal Blog do Tarso…

      Fiquei surpreso com sua postura ética acima das ideologias partidárias, quando cita o Vereador Pedro Paulo (PT) em sua lista proibida de Vereadores para Curitiba, em razão do envolvimento do mesmo com beneficiário de verba publicitária, apontando link real de matéria da Gazeta do Povo.

      Me chamou a atenção o fato de que o Ministério Público do Paraná parece ter “esquecido” o V. Pedro Paulo (PT), pois não há nenhuma notícia de que tenha sido intimado para prestar obrigatórios e necessários esclarecimentos, TENDO COMO AGRAVANTE O FATO DE QUE O MESMO FEZ PARTE DA CPI DOS CONTRATOS PUBLICITÁRIOS, FEZ RELATÓRIO PRÓPRIO E EM NENHUM MOMENTO MENCIONOU A ABSURDA IRREGULARIDADE EM QUE SEU GABINETE ESTEVE ENVOLVIDO.

      Parabéns ao Dr. Tarso pela firmeza de opiniões, não poupando a nenhum dos envolvidos.