Bombas e gás lacrimogêneo no protesto de Curitiba; ouça relato exclusivo

Segundo relato do repórter Derick Fernandes, alguns manifestantes chegaram a entrar no Palácio Iguaçu, mas foram empurrados para fora pelo Batalhão de Choque. Fotos: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.

Segundo relato do repórter Derick Fernandes, alguns manifestantes chegaram a entrar no Palácio Iguaçu, mas foram empurrados para fora pelo Batalhão de Choque. Fotos: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.

Terminou em confronto o protesto em Curitiba, em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo do estado. O Batalhão de choque usa bomba de efeito moral e gás lacrimogêneo para dispersar milhares de manifestantes.

Pelo Twitter, à s 23h30, o governador Beto Richa (PSDB) se pronunciou sobre a pancadaria: “Alguns baderneiros derrubaram o portão e picharam as paredes. Ato isolado.”

Ouça o emocionado relato exclusivo do repórter Derick Fernandes:
[audio:https://www.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2013/06/confronto.mp3]
Clique aqui para fazer download do áudio.

81 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Quinta Feira é nos novamente … Fora Corrupção … Xô Burguesia ….

  2. Um povo que esta exigindo direitos pelas ruas, que nem sabe o que querem. O que precisa ser exigido: E uma educacao melhor nas escolas e que os pais ajundem com essa educacao ensinando os filhos bem, nao deixando as nas ruas perambulando e fazendo coisas que os pais nao sabem…. Outra coisas que precisa ser feita uma manufestacao como essa pra que os ladroes do dinheiro publico sejam desmascarados e punidos, assim os cidadaos de bem que trabalha seja protegidos. E isso so pode ser feito com uma educao de qualidade. Tanto nas escolas como en casa. Tem que criar mais empregos para jovens e desarmar os bandidos e puni-los. A bolsa familia, isso e uma boa ideia,mas nao e fiscalizada e o dinheiro vai pra mtas pessoas q nao necessita,q assim nao procura trabalhar. Outra coisa ridicula e esse direito trabalhista que existe . So deixa mais gente fora das lavouras e vindo morar nas favelas,por que os pequenos proprietarios das terras ,com os direitos impostos pelos empregos ja nao pode mais dar trabalho. Ja e hora de mudar isso no nosso Brasil.As favelas so ta aumentando,aumenta cada vez mais a violencia. E se nao mudar vai faltar alimento e vai ser uma vergonha para um PAIS Q E TAO VERDE que produz de tudo q se planta. LULA fez a reforma agraria pra gente que nem sabe o que e terra , uns 80 por cento venderam as terras sem utiliza-las para plantar q e o objetivo da reforma.Isso nao ta funcionando ,pq as LEIS nao sao eficiente e nem fiscalizadas.O problema maior q niguem quer resolver.Vai jogando de maos em maos e a populacao e mtos q trabalha e pruduz ta sendo prejudicados. Qto as construcoes dos estadios isso necessario uma vez q aceitamos sediar a copa.Nao justifica manifestarmos contra,pois os beneficios ainda virao e se tivermos prejuizos,ai temos q buscar os culpados!!!!!!

  3. Um povo que só exige direitos e não cumpre com os seus deveres, acha que dinheiro cai do céu, que não é capaz de cumprir com a obrigação mínima de jogar lixo em lixeira, que agride professor e depreda escola, esse povo estúfa o peito e saia para rua cheio de razão como se vítima fosse !

  4. PSDBmerda quebrou cara valendo, sobrou pra Geraldo Alckmim em São Paulo, invasão no Palácio Iguaçu, eles que estavam se achando, sentiram o gosto do próprio veneno. Só faltou o povo visitar a assembleia legislativa do Paraná.

    • Estranho mesmo foi eles anunciarem o baixar da passagem uns dia antes das manifestações, sera que o tiro tá saindo pela culatra, vamos para os próximos capítulos.

    • De repente eles chegam lá, para conversar com o Rossoni, que é o maior engavetador na Assembléia Legislativa do Paraná.

    • Hahahahahahahahahah, é verdade ALAOR JR…Mas ñ esquente, pois a hora deles vai chegar…É SÓ eles vacilarem nos pedágios!!

    • Alaor, você como bom membro do RedePT13 sabe que foi a turminha de vocês que tentou invadir o palácio Iguaçu, a PTzada com rostos cobertos, bem ao melhor estilo bandidinho de ser, tenta fazer de um manifesto legítimo, um ato de vandalismo para amedrontar.

      A polícia tem mais é que meter o cacete nessa bandidagem, mete bala de borracha e bomba de gás no lombo dessa galerinha que só quer quebra-quebra. Tenho certeza que os manifestantes de bem, aqueles que só querem lutar por seus direitos, não vão defender estes terroristas quando estiverem apanhando da polícia.

      E mais uma dica a essa turminha que esconde o rosto para praticar crimes, se cuidem que nós estamos de olho em vocês e na próxima nós mesmos vamos descer o pau em vocês.

  5. Esse prefeito medroso que se acha a unanimidade está encolhido de medo do povo invadir o gabinete da prefeitura. O pior é que ele não tem um argumento capaz de explicar porque não baixa a tarifa

  6. Exagerado, esse cara da rádio é um froxo, eu estava ajudando a segurar o portão para não deixar a galera da baderna quebra-lo. Depois de um tempo resolvemos sair ai eles arrebentaram o portão e a policia saiu jogando gás, mas não foi nada tão chocante…

  7. O alvo é o prédio vizinho, nao o Palacio Iguaçu. Nao que ache seu inquilino o máximo, mas está fazendo sua parte.O que não se vê é o Fruet trabalhar….algo de errado com o grupo….

  8. NÃO PUDE ESTAR LÁ ONTEM A NOITE, ENTÃO FAREI MEU PROTESTO ATRAVÉS DESSE BLOG.

    “PESSOAL, VAMOS A LUTA”¦QUEREMOS HOSPITAIS, CRECHES, ESCOLAS, SEGURANÇA E TRANSPORTE NO ESTILO FIFA”.

    -PORQUE PRA COPA SE TEM DINHEIRO E PRA NÓS TRABALHADORES NÃO TEM!!!
    FORA DILMA!!!

    • É verdade a Dilma é culpada de tudo de ruim que aconteceu e acontece, bem que Pedro Álvares Cabral e Pero Vaz de Caminha falaram que ela não prestava, hahahahahahahahahahahahahaha.

  9. E o Fala Sério entrou aqui com uns 3 ou 4 nicks diferentes, kkkkkkkkkk, quase a tua casinha caiu ontem tucaninho, kkkkkkkkkkkkkkkkk, por muito pouco o povo não invadiu a sala do Fala Sério e descobrem o seu nome verdadeiro.

  10. Que nada, o povo invadiu o Palácio Iguaçu pelo pedágio abusivo, contas públicas arrebentadas, Tarifaço do Detran, Tudo Aqui Paraná, toma tucanalhas, estavam se achando a gás da coca. Parem de defender os “santinhos” tucanos.

  11. Uma pena nesses momentos de violência é que se pensarmos bem, o povo está pagando para apanhar. É o estado contra o seu mantenedor, o povo…

    Mas está na hora do governo começar a respeitar o povo e sua vontade…

    Agora pessoal, sem invasão de prédio público, aí já vira crime…

  12. O Conversa Afiada republica artigo do Azenha:

    DILMA E OS JOVENS: NÃO É APENAS UM PROBLEMA DE COMUNICAÇÃO

    por Luiz Carlos Azenha

    O blogueiro Altamiro Borges costuma falar sobre a capilaridade dos grandes conglomerados de mídia do Brasil apontando para as agências de distribuição de fotos e notícias, que espalham o conteúdo gerado no Rio de Janeiro ou em São Paulo mesmo para os pequenos jornais ou emissoras de rádio do interior de Goiás ou da Amazônia.

    Quando a Secom, a Secretaria de Comunicação ligada à Presidência da República, diz que mudou a distribuição de verbas publicitárias para fomentar e apoiar órgãos locais e afirma que isso contribuiu para a democratização de conteúdos, está falando uma meia verdade: isso pode até resultar na contratação de jornalistas locais, mas não garante que a pauta seja distinta da dos grandes meios, que ocupam espaço nas publicações com seus colunistas e ditam o que é ou não pauta nacional.

    De minha parte, tenho escrito sobre o paradoxo da chamada “crise da mídia”. As empresas demitem jornalistas e reduzem custos ao mesmo tempo em que aumentam sua influência sobre o público através da apropriação das ferramentas disponíveis aos usuários das redes sociais.

    No passado, o leitor de Arapiraca, em Alagoas, provavelmente teria de esperar o dia todo até receber sua edição de O Globo impressa no Rio de Janeiro. Agora, via Facebook, ele recebe o artigo do Merval Pereira pregando a prisão de José Dirceu disseminado pelos próprios internautas. Mais que isso, recebe o artigo recomendado por um parente ou amigo, o que acrescenta um peso “” vamos dizer, “emocional” “” ao conteúdo.

    O poder dos conglomerados se ampliou na medida em que eles dispõem de mais recursos para disputar espaço nas redes sociais.

    Surgiu, no entanto, uma inédita capacidade dos mais jovens, antenados e digitalizados, de influir na pauta nacional através da formação de redes de opinião múltiplas e não necessariamente ligadas a partidos políticos.

    Como tenho dito desde o primeiro Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, a disputa agora já não é apenas pelo controle dos meios de produção de notícias, que de fato se democratizaram pelos padrões capitalistas (montar um blog e comprar uma câmera digital exige muito menos capital que o que Roberto Marinho usou para montar uma rede de TV). A disputa hoje é também sobre a capacidade de disseminar em rede conteúdos de seu interesse.

    O erro do Partido dos Trabalhadores em geral e do governo Dilma em particular foi descuidar da informação na era da informação.

    Lembro-me de quando Ronald Reagan, o Grande Comunicador, estava em minoria no Congresso dos Estados Unidos e decidiu falar diretamente aos eleitores, por cima dos mandatos distritais, usando para isso a visibilidade garantida ao púlpito presidencial.

    Donald Regan, assessor de imagem do presidente norte-americano, bolava os eventos. Reagan desembarcava no interior do Texas e, ao lado de fardos de feno, falava sobre a política agrícola, garantindo espaço na mídia local e regional.

    A presidente Dilma aparentemente não gosta de usar o púlpito para fazer política, ou seja, para contestar as versões sobre os fatos apresentadas como verdades absolutas pela mídia (como o apagão elétrico que, afinal, nunca aconteceu), para defender suas próprias ideias e influir na pauta de debates.

    Com isso, perante a opinião pública, está sempre na defensiva. Ainda que o apagão tenha, afinal, se mostrado uma ficção midiática, a nova dinâmica das redes sociais disseminou fortemente a impressão de um governo acuado, sem respostas, vacilante “” com implicações para a imagem de Dilma que podem ter tido algum impacto inclusive nas pesquisas de opinião.

    Ossificado, o PT parece não ter entendido até agora a importância da batalha da comunicação. Em desvantagem nos espaços da grande mídia, o partido já deveria ter desenvolvido uma estrutura para produzir e disseminar conteúdos nas redes sociais.

    Falo de discursos, notas oficiais e posicionamentos individuais dos parlamentares do PT, partido que dispõe ainda de um amplo corpo de técnicos e intelectuais que poderiam influir nos debates nacionais e se contrapor à pauta proposta pelas grandes redações.

    É irônico que Dilma tenha sido vaiada justamente no estádio mais bonito dos que foram construídos para a Copa das Confederações e que, dizem os que estiveram lá, deveria servir de orgulho para a engenharia nacional.

    O que me leva ao segundo ponto. Não se trata apenas de um problema de comunicação, mas também e principalmente de prioridades políticas.

    Ao abraçar as empresas de telefonia “” sejam quais forem os motivos para isso “” e engavetar um Plano Nacional de Banda Larga baseado na universalidade, no investimento público e no livre acesso em praças ou pontos de encontro de jovens, o governo Dilma fechou as portas para que milhões de seus apoiadores ingressassem no mundo digital, disseminando suas ideias e opiniões nas redes sociais. A culpa é de Paulo Bernardo?

    Ao abraçar os ruralistas “” sejam quais forem os motivos para isso “” e demolir a Funai, o governo Dilma se afastou dos indígenas, causando o desgosto de centenas de milhares de jovens internautas com grande capacidade de mobilização nas redes. A ironia suprema é que hoje a direita usa a causa indígena”¦ para atacar um governo cujo partido principal de sustentação sempre teve compromisso histórico com os indígenas. Culpa da Gleisi Hoffmann?

    Ao abraçar os fundamentalistas “” sejam quais forem os motivos para isso “” e cancelar campanhas de esclarecimento sobre a AIDS, além de demonstrar ambiguidade na questão do Estatuto do Nascituro, o governo Dilma perde o apoio de outro tanto de jovens militantes políticos que também são militantes digitais capazes, articulados e influentes. Culpa do Alexandre Padilha?

    Ao abraçar Gulherme Afif Domingos, o vice-governador de Geraldo Alckmin, e torná-lo ministro “” sejam quais forem as justificativas para isso ““, além de prometer apoio federal para a repressão a um movimento social em São Paulo, o governo Dilma se distancia profundamente de sua própria base (a Juventude do PT, saibam, faz parte das manifestações). Culpa de José Eduardo Cardozo?

    Notem, portanto, que não se trata apenas de um problema de comunicação.

    O fato é que existe uma nova dinâmica da informação, comandada em parte por jovens inconformados, que querem mudanças.

    Porém, os compromissos do governo Dilma contribuiram para alijar das redes sociais uma parcela significativa de seus apoiadores, que se encontram entre os excluídos digitais.

    Além disso, deram motivo para que militantes com poder de influência multiplicassem as críticas aos rumos da coalizão cada vez mais conservadora liderada pelo PT.

    É como se houvesse um choque geracional entre o mundo digital e o mundo analógico (na observação de gente como Marcelo Branco e Sergio Amadeu) “” com o PT encarnando, sem reação, o papel de um governismo conservador e desatento às pressões sociais que, lá atrás, estiveram na origem do próprio partido.

  13. Uma breve história da luta da grande mídia contra os interesses nacionais

    Em 1957, uma CPI da Câmara dos Deputados, comprovou que O Estado de São Paulo, O Globo e Correio da Manhã foram remunerados pela publicidade estrangeira para moverem campanhas contra a nacionalização do petróleo. Em momentos cruciais para o país se inclinaram para o golpismo e a traição aos interesses nacionais: contra Getúlio, a Petrobrás, JK, contra Jango, apoiando a ditadura, Collor, FHC e suas privatizações, atacando Lula.

    por Leandro Severo (*), na Carta Maior, via Facebook

    Em 1941, enquanto milhões de homens e mulheres derramavam seu sangue pela liberdade nos campos da Europa e da União Soviética, a elite dos círculos financeiros dos Estados Unidos já traçava seus planos para o pós-guerra.

    Como afirmou Nelson Rockefeller, filho do magnata do petróleo John D. Rockefeller, em memorando que apresentava sua visão ao presidente Roosevelt: “Independente do resultado da guerra, com uma vitória alemã ou aliada, os Estados Unidos devem proteger sua posição internacional através do uso de meios econômicos que sejam competitivamente eficazes”¦” (COLBY, p.127, 1998).

    Seu objetivo: o domínio do comércio mundial, através da ocupação dos mercados e da posse das principais fontes de matéria-prima.

    Anos mais tarde o ex-secretário de imprensa do Congresso americano, Gerald Colby, sentenciava sobre Rockefeller: “No esforço para extrair os recursos mais estratégicos da América Latina com menores custos, ele não poupava meios” (COLBY, p.181, 1998).

    Neste mesmo ano, Henry Luce, editor e proprietário de um complexo de comunicações que tinha entre seus títulos as revistas Time, Life e Fortune, convocou os norte-americanos a “aceitar de todo o coração nosso dever e oportunidade, como a nação mais poderosa do mundo, o pleno impacto de nossa influência para objetivos que consideremos convenientes e por meios que julguemos apropriados” (SCHILLER, p.11, 1976).

    Ele percebeu, com clareza, que a união do poder econômico com o controle da informação seria a questão central para a formação da opinião pública, a nova essência do poder nacional e internacional.

    Evidentemente para que os planos de ocupação econômica pelas corporações americanas fossem alcançados havia uma batalha a ser vencida: como usurpar a independência de nações que lutaram por seus direitos? Como justificar uma postura imperialista do país que realizou a primeira insurreição anticolonial?

    A resposta a esta pergunta foi dada com rigor pelo historiador Herbert Schiller: “Existe um poderoso sistema de comunicações para assegurar nas áreas penetradas, não uma submissão rancorosa, mas sim uma lealdade de braços abertos, identificando a presença americana com a liberdade ““ liberdade de comércio, liberdade de palavra e liberdade de empresa. Em suma, a florescente cadeia dominante da economia e das finanças americanas utiliza os meios de comunicação para sua defesa e entrincheiramento onde quer que já esteja instalada e para sua expansão até lugares onde espera tornar-se ativa” (SCHILLER, p.13, 1976).

    Foi exatamente ao que seu setor de comunicações se dedicou. Estava com as costas quentes, já que as agências de publicidade americanas cuidavam das marcas destinadas a substituir as concorrentes europeias arrasadas pela guerra.

    O setor industrial dos EUA havia alcançado um vertiginoso aumento de 450% em seu lucro líquido no período 1940-1945, turbinado pelos contratos de guerra e subsídios governamentais.

    Com esta plataforma invadiram a América Latina e o mundo.

    Com o suporte do coordenador de Assuntos Interamericanos (CIIA), Nelson Rockefeller, mais de mil e duzentos donos de jornais latinos recebiam, de forma subsidiada, toneladas de papel de imprensa, transportada por navios americanos.

    Além disso, milhões de dólares em anúncios publicitários das maiores corporações eram seletivamente distribuídos. É claro que o papel e a publicidade não vinham sozinhos, estavam acompanhados de uma verdadeira enxurrada de matérias, reportagens, entrevistas e releases preparadas pela divisão de imprensa do Departamento de Estado dos EUA.

    A vontade de conquistar as novas “colônias” e ocupar novos territórios como haviam feito no século anterior, no velho oeste, não tinha limites.

    No Brasil, circulava desde 1942, a revista Seleções (do Reader”™s Digest), trazida por Robert Lund, de Nova York.

    A revista, bem como outras publicações estrangeiras, pagavam os devidos direitos aduaneiros por se tratarem de produtos importados, mas solicitou, e foi atendida pelo procurador da República, Temístocles Cavalcânti, o direito de ser editada e distribuída no Brasil, com o argumento de ser uma revista sem implicações políticas e limitada a publicar conteúdos culturais e científicos. Assim começou a tragédia.

    Logo chegou o grupo Vision Inc., também de Nova York, com as revistas Dirigente Industrial, Dirigente Rural, Dirigente Construtor e muitos outros títulos que vinham repletos de anúncios das corporações industriais.

    Um fato bastante ilustrativo foi o da revista brasileira Cruzeiro Internacional, concorrente da Life International, que apesar de possuir grande circulação, nunca foi brindada com anúncios, enquanto a concorrente americana anunciava produtos que, muitas vezes, nem sequer estavam à venda no Brasil.

    Ficava claro que os critérios até então estabelecidos para o mercado publicitário, como tempo de circulação efetiva, eficiência de mensagem e comprovação de tiragem, de nada adiantavam. O que estava em jogo era muito maior.

    Um papel importantíssimo na ocupação dos novos mercados foi desempenhado pelas agências de publicidade americanas. McCann-Erickson e J. Warter Thompson eram as principais e tinham seu trabalho coordenado diretamente pelo Departamento de Estado. Para se ter uma ideia a McCann-Erickson , nos anos 60, possuía 70 escritórios e empregava 4619 pessoas, em 37 países, já a J. Warter Thompson tinha 1110 funcionários, somente na sede de Londres.

    Os Estados Unidos tinham 46 agências atuando no exterior, com 382 filiais. Destas 21 agências em sociedade com britânicos, 20 com alemães ocidentais e 12 com franceses. No Brasil atuavam 15 agências, todas elas com instruções absolutamente claras de quem patrocinar.

    No início dos anos 50, Henry Luce, do grupo Time-Life, já estava luxuosamente instalado em sua nova sede de 70 andares na área mais nobre de Manhattan, negócio imobiliário que fechou com Nelson Rockefeller e seu amigo Adolf Berle, embaixador americano no Brasil na época do primeiro golpe contra o presidente Getúlio Vargas.

    Luce mantinha fortes relações com os irmãos Cesar e Victor Civita, ítalo-americanos nascidos em Nova Iorque. Cesar foi para a Argentina em 1941 onde montou a Editorial Abril, como representante da companhia Walt Disney, já Victor, em 1950, chega ao Brasil e organiza a Editora Abril.

    Neste mesmo período seu filho, Roberto Civita, faz um estágio de um ano e meio na revista Time, sob a tutela de Luce e logo retorna para ajudar o pai.”¨”¨Poucos anos depois, o mercado editorial brasileiro está plenamente ocupado por centenas de publicações que cantavam em prosa e verso o american way of life.

    Somente a Abril, financiada amplamente pelas grandes empresas americanas, edita diversas revistas: Claudia, Quatro Rodas, Capricho, Intervalo, Manequim, Transporte Moderno, Máquinas e Metais, Química e Derivados, Contigo, Noiva, Mickey, Pato Donald, Zé Carioca, Almanaque Tio Patinhas, a Bíblia Mais Bela do Mundo, além de diversos livros escolares.

    Em 1957, uma Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara dos Deputados, comprova que O Estado de São Paulo, O Globo e Correio da Manhã foram remunerados pela publicidade estrangeira para moverem campanhas contra a nacionalização do petróleo.

    Em 1962, o grupo Time-Life encontra seu parceiro ideal para entrar de vez no principal ramo das comunicações, a Televisão. A recém-fundada TV Globo, de Roberto Marinho. Era uma estranha sociedade.

    O capital da Rede Globo era de 600 milhões de cruzeiros, pouco mais de 200 mil dólares, ao câmbio da época. O aporte dado “por empréstimo” pela Time-Life era de seis milhões de dólares e a empresa tinha um capital dez mil vezes maior.

    Como denunciou o deputado João Calmon, presidente da Abert (Associação Brasileira de Empresas de Rádio e Televisão): “Trata-se de uma competição irresistível, porque além de receber oito bilhões de cruzeiros em doze meses, uma média de 700 milhões por mês, a TV Globo recebe do Grupo Time-Life três filmes de longa metragem por dia ““ por dia, repito”¦ Só um “˜package”™, um pacote de três filmes diários durante o ano todo, custa na melhor das hipóteses, dois milhões de dólares” (HERZ, p.220, 2009).

    O Brasil e o mundo estão em efervescência. A tensão é crescente com revoluções vitoriosas na China e em Cuba. A luta pela independência e soberania das nações cresce em todos continentes e os EUA colocam em marcha golpes militares por todo o planeta. A Guerra Fria está em um ponto agudo.

    É nesse quadro que a Comissão de Assuntos Estrangeiros do Congresso dos EUA, em abril de 1964, no relatório “Winning the Cold War. The O.S. Ideological Offensive” define: “Por muitos anos os poderes militar e econômico, utilizados separadamente ou em conjunto, serviram de pilares da diplomacia. Atualmente ainda desempenham esta função, mas o recente aumento da influência das massas populares sobre os governos, associado a uma maior consciência por parte dos líderes no que se refere às aspirações do povo, devido às revoluções concomitantes do século XX, criou uma nova dimensão para as operações de política externa. Certos objetivos dessa política podem ser colimados tratando-se diretamente com o povo dos países estrangeiros, em vez de tratar com seus governos. Através do uso de modernos instrumentos e técnicas de comunicação, pode-se hoje em dia atingir grupos numerosos ou influentes nas populações nacionais ““ para informá-los, influenciar-lhes as atitudes e, às vezes, talvez, até mesmo motivá-los para uma determinada linha de ação. Esses grupos, por sua vez, são capazes de exercer pressões notáveis e até mesmo decisivas sobre seus governos” (SCHILLER, p.23, 1976).

    A ordem estava dada: “informar”, influenciar e motivar. A rede está montada, o financiamento definido.

    O jornalista e grande nacionalista, Genival Rabelo, exatamente nesta hora, denuncia no jornal Tribuna da Imprensa do Rio de Janeiro: “Há, por trás do grupo (Abril), recursos econômicos de que não dispõem as editoras nacionais, porém muito mais importante do que isso está o apoio maciço que a indústria e as agências de publicidade americanas darão ao próximo lançamento do Sr. Victor Civita, a exemplo do que já fizeram com as suas 18 publicações em circulação, bem como as revistas do grupo norte-americano Vision Inc.” (RABELO, p.38, 1966)

    Mas é necessário mais. É preciso enfraquecer, calar e quebrar tudo que seja contrário aos interesses dos monopólios, tudo que possa prejudicar os interesses das corporações. A General Eletric, General Motors, Ford, Standard Oil, DuPont, IBM, Dow Chemical, Monsanto, Motorola, Xerox, Jonhson & Jonhson e seus bancos J. P. Morgan, Citibank, Chase Manhattan precisam estar seguros para praticar sua concorrência desleal, para remeter lucros sem controle, para desnacionalizar as riquezas do país se apossando das reservas minerais.

    Várias são as declarações, nesta época, que deixam claro qual o caminho traçado pelos EUA. Nas palavras de Robert Sarnoff, presidente da RCA ““ Radio Corporation of America ““ “a informação se tornará um artigo de primeira necessidade equivalente a energia no mundo econômico e haverá de funcionar como uma forma de moeda no comércio mundial, convertível em bens e serviços em toda parte” (SCHILLER, p.18, 1976).

    Já a Comissão Federal de Comunicações (FCC), em informe conjunto dos Ministérios do Exterior, Justiça e Defesa, afirmava: “As telecomunicações evoluíram de suporte essencial de nossas atividades internacionais para ser também um instrumento de política externa” (SCHILLER, p.24, 1976).

    É esclarecedor o pensamento do delegado dos Estados Unidos nas Nações Unidas, vice-ministro das Relações Exteriores, George W. Ball, em pronunciamento na Associação Comercial de Nova Iorque: “¨”¨”Somente nos últimos vinte anos é que a empresa multinacional conseguiu plenamente seus direitos. Atualmente, os limites entre comércio e indústria nacionais e estrangeiros já não são muito claros em muitas empresas. Poucas coisas de maior esperança para o futuro do que a crescente determinação do empresariado americano de não mais considerar fronteiras nacionais como demarcação do horizonte de sua atividade empresarial” (SCHILLER, p.27, 1976).

    A ação desencadeada pelos interesses externos já havia produzido a falência de muitos órgãos de imprensa nacionais e, por outro lado, despertado a consciência de muitos brasileiros de como os monopólios utilizam seu poder de pressão e de chantagem.

    Em 1963, o publicitário e jornalista Marcus Pereira afirmava em debate na TV Tupi, em São Paulo: “Em última análise, a questão envolve a velha e romântica tese da liberdade de imprensa, tão velha como a própria imprensa. Acontece que a imprensa precisa sobreviver, e, para isso, depende do anunciante. Quando esse anunciante é anônimo, pequeno e disperso não pode exercer pressão, por razões óbvias. É o caso das seções de “˜classificados”™ dos jornais. Mas poucos jornais têm “˜classificados”™ em quantidade expressiva. A maioria dos jornais e a totalidade das revistas vivem da publicidade comercial e industrial, dos chamados grandes anunciantes. Acho que posso parar por aqui, porque até para os menos afoitos já adivinharam a conclusão” (RABELO, p.56, 1966).

    Não é difícil perceber o quanto a submissão aos interesses econômicos estrangeiros levou a dita “grande mídia” brasileira a se afastar da nação. A se tornar, ao longo dos anos, em uma peça chave da política do Imperialismo.

    Em praticamente todos os principais momentos da vida nacional se inclinaram para o golpismo e a traição. Já no primeiro golpe contra Getúlio, depois, contra sua eleição, contra sua posse, contra a criação da Petrobrás, contra a eleição de Juscelino, contra João Goulart, contra as reformas de base, apoiando a Ditadura, apoiando a política econômica de Collor, apoiando Fernando Henrique e suas privatizações, atacando Lula.

    Hoje, ela novamente tem lado: o das concessões de estradas, portos e aeroportos, o dos leilões de privatização do petróleo e da necessidade da elevação das taxas de juros, do controle do déficit público com evidentes restrições aos investimentos governamentais, ou seja, da aceitação de um neoliberalismo tardio.

    Porque atuam desta forma?

    Genival Rabelo deu a resposta: “Um industrial inteligente desta cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro me fez outro dia, esta observação, em forma de desafio: “˜Dou-lhe um doce, se nos últimos cinco anos você pegar uma edição de O Globo que não estampe na primeira página uma notícia qualquer da vida americana, dos feitos americanos, da indústria americana, do desenvolvimento científico americano, das vitórias e bombardeios americanos. A coisa é tão ostensiva que, muita vez, sem ter o que publicar sobre os Estados Unidos na primeira página, estando o espaço reservado para esse fim, o secretário do jornal abre manchete para a volta às aulas na cidade de Tampa, Miami, Los Angeles, Chicago ou Nova Iorque. Você não encontra a volta às aulas em Paris, Nice, Marselha, ou outra cidade qualquer da França, na primeira pagina de O Globo, porque, de fato, isso não interessa a ninguém. Logo, não pode deixar de haver dólar por trás de tudo isso”¦”™ Outro amigo presente, no momento, e sendo homem de publicidade concluiu, deslumbrado com seu próprio achado: “˜É por isso que O Globo não aceita anúncio para a primeira página. Ela já está vendida. É isso. É isso!”™. “˜E muito bem vendida, meu caro ““ arrematou o industrial ““ A peso de ouro”™ “ (RABELO, p.258, 1966).

    “¨”¨(*) Delegado à Conferência Nacional de Comunicação, Secretário Municipal de Comunicação em São Carlos entre 2007 e 2012 e membro do Partido Pátria Livre.”¨”¨

    Referências:”¨”¨

    COLBY, G; DENNETT, C. Seja feita a vossa vontade: a conquista da Amazônia, Nelson Rockefeller e o evangelismo na idade do Petróleo. Tradução: Jamari França. Rio de Janeiro: Record, 1998.”¨”¨

    HERZ, D. A história secreta da Rede Globo. Porto Alegre: Dom Quixote, 2009. Coleção Poder, Mídia e Direitos Humanos.”¨”¨

    RABELO, G. O Capital Estrangeiro na Imprensa Brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

    “¨”¨SCHILLER, H. I. O Império norte-americano das comunicações. Tradução: Tereza Lúcia Halliday Petrópolis: Vozes, 1976.

  14. Para o Leonardo:

    sou do tempo que quem passava no vestibular de direito da UFPR, minimamente, sabia escrever. Envelheci, é verdade! Quem sabe a culpa pela sua aprovação seja da “ptzada”. Reflita sobre isso…

  15. O Fruet diz que assumiu a prefeitura quebrada, a a cachorrada faz coro… o que não dizem é que a irmã do prefeito, a Eleonora, disse que a prefeitura teve um superávit de quase 300 milhões… ué, mas onde tá a prefeitura quebrada???

  16. Ihhhh… o pessoal do PT já começou a fazer terrorismo de terceira categoria pra depois usar em horário eleitoral… estão abusando do movimento da galera… Olho neles na próxima, rapaziada…

  17. Não importa o partido politico.
    Não importa quem esta no poder.
    em cada Estado,
    em cada Município.
    É um Brasil como um todo.
    Importa que o modelo POLITICO esta errado.
    Importa que a POLITICA econômica e social esta errada.

  18. Tá cheio de puxa saco do Beto Richa ai …estão se cagand o de medo porque o feitiço do Beto virou contra ele mesmo, olha a irresponsabilidade desse governador ele só faz cagad a!

  19. Mauricio pina realmente voce merece o nome!
    MAURICINHO!!!!!

    • Soraia Tavares da Silva.
      A internet é um campo fértil para você escrever besteira e destilar suas frustrações, poderia te chamar de outras coisas, mais vou chama-la de preguiçosa, pesquise melhor esse blog nos últimos 8 meses, para você tomar conhecimento de meus posicionamentos diante de fatos que foram publicado aqui, ver uma cadela cagando e você me chamado de Mauricinho é a mesma coisa, se você tem a intenção de me ofender é assim que vou dirigir a você,

      Veja os meus comentários dos últimos dias sobre as MANIFESTAÇÕES, antes de fazer provocação, agora se você esta aqui para defender o prefeito que se nega baixar a tarifa, vá lá e sente no colo dele!!!!!!!!!!!!

  20. No final tiveram que chamar a PM para restabelecer a ordem e diminuir os estragos…carros quebrados, vidros de lojas e prédios destruídos, muros e paredes de prédios histórico público pichados, ônibus detonados etc…acabou graças a quem? hipócritas falam da PM mais na hora do vamos ver é ela que dá a cara pra bater…pode até ter sido 15 vagabundos, mais foram e fizeram.

  21. Bom, eu estava presente, e aproximadamente 22:15 um rapaz anunciou através do megafone que a manifestação estava encerrada. Também alertou a existência de um grupo com aproximadamente 15 pessoas que estariam cometendo vandalismo, com isso sugeriu que as pessoas de bem fossem se retirando, e as demais que arcassem com as consequências. Logo, só deixo meus parabéns a todos os manifestantes, e também ao nosso governador, pois achei genial a ideia de colocar a tropa dentro do palácio. Obviamente só foi atingido quem não obedeceu a orientação de ir para casa. Obs: Notei que a maioria dos encapuzados estavam de baderna, pois não teria outra razão para esconder o rosto. Favor não aparecerem na próxima, pois não precisamos de vagabundos estragando a imagem da cidade, querem invadir? Então vai fazer isso no batalhão da polícia, ou lá não tem vagabundo com coragem de invadir. No mais agradeço a presença de todos.

  22. o momento é agora pro fruet baixar a tarifa e abrir a caixa preta da urbs antes que ele vire retrato do beto richa.

  23. Isso ai foi coisa de gente infiltrada
    Segundo manifestantes que estavam no local, o vandalismo foi cometido por algumas pessoas mascaradas que não estavam antes na manifestação.

  24. Se preparem o PT vai cair #oGiganteacordou

  25. Pô “De mim” você se esqueceu de dizer que eles tão afim de cumprimentar também o Rossoni! Mas amanha a turma chega lá!

  26. Pô, meu ! Eles apenas queriam cumprimentar o governador.

  27. Estava no protesto, estudo direito na ufpr , e afirmo a pauta não era o beto Richa e sim o prefeito que nao cumpre com suas demagogias, bem que dizem que esse blog é financiado pela ptzada, esses que se manifestaram contra a ditadura e hoje enchem o Brasil de assistencialismo, vejam os ônibus amanha escritos pelos jovens que não são condicionados pelo status quo , fora dilma!!

    • Se o foco dos manifestantes é o prefeito, o que foram fazer no palácio Iguaçu ?

    • parabéns leonardo inteligente em suas colocações

    • Pra quem estuda Direito você está mal hein ? Como já disseram em outros comentários o Fruet pegou a prefeitura detonada pelo Taniguchi e pelo Richa. Quanto as idiotices sobre financiamento de blog e assistencialismo nem vale a pena comentar. Vai estudar mais e se informar melhor porque você está precisando e muito.

    • O queridinho do papai estuda direito né?? E estuda direito na UFPR,q é publica né?O queridinho filhinho de papai, por acaso o seu pai ñ é o BETO RIXA??
      Por acaso vc estudou em escola publica, ou particular?? Cara filhinho de papai BETO RIXA. Fique velhaco! POIS É POR ISSO Q O POVO SAIU AS RUAS, para protestarem…COntra o sucateamento do ensino fundamental e medio publico…Um sistema falidoe q exclui os mais pobres das facudades publicas, e só benefiia os maisricos q estudam em escolas particulares!!As faculdades publicas administradas pelo governo fderal deveriam ser em sua maioria dos pobres. Mas ñ é!!Verifiquem dos estudantes da UFPR, o poder aquisitivo deles??verifiquem o estorico de cada um deles?? NUMA BOA SEM ENTRAR NO MÉRITO DE RICOS E POBRES…

  28. O esmael é tendencioso porque é comunista! A Pm fez o correto, estamos numa democracia e ninguém tem mais direito que o outro! Não se pode invadir a Sede de um Governo democrático! Mudem no voto, não se vendendo por um bolsa qualquer coisa!

    • isso mesmo mudem o voto 45 nunca mais!!!!!!!!!!!!!!!

    • Concordo qto a invasão, mas dizer que esse “governo” tucano é democrático, já é demais. Foi, sim, eleito democraticamente, se considerarmos que a manipulação da midia e dos mafiosos da terceirização, tenham algum caráter democrático. Se houvesse transparência na administração desse grupo, jamias a chegariam ao poder.

    • Professor só se for na P…Q… O P…!Hahahahahahahahah, ja sei!! é professor na LUA , aonde o nepotista BETO RIXA comprou terreno!!

  29. HAHAHAHAHAHAAAAAAAAAAAAA
    Rapaz, eu acabei de sair de lá
    PARAAAAAAAAAA COM ESSA PORRA, por favor ¬¬

  30. Também não sou fã do BetoPink mais vamos fazer a coisa certa, esse protesto é justo mais as coisas tem que ser feita na legalidade, não podemos invadir prédios públicos e depreda-los mesmo por que quem paga a conta somos nos o povo.

  31. É isso mesmo, o PSDB estava pensando que estava por cima da carne seca com o movimento, se ferrou. ficou sabendo que estão contra o Richa (PSDB), estavam querendo faturar o Richa invadindo o Palácio. Em São PAulo trentaram fazer zoeira com a TV Globo. Quer dizer o PSDB está vendo que eles é que estão na mira do movimento!

    • entao no RIo é PSDB ??? nao sabia!!!!!!!!! em Brasilia no congresso é PSDB ????? nao sabia……… se liga idiota….. só um cego ou com má vontade ou mal intencionado como os corruPTos , querendo jogar SEMPRE a culpa em outros……. assumam os erros de vcs tbm ……

      • Agradeça a PM do psdb de São Paulo, vitaminou a molecada a protestar, graças as viúvas da ditadura que vivem nas asas do tucanato o MPL ganhou força, hoje protestaram contra todos, porém rechaçou todos os oportunista reacionários, HAHAHA!

        Isso fará só bem ao PT, guinada à esquerda é o que a molecada pede, se o PT for esperto e sensível vai dar.

    • Henrique seu tonto de marca maior, só um PTralha de merda mesmo pra fazer tais colocações, o movimento de verdade (não aquele que leva bandeira vermelha e rostos cobertos para não serem identificados), não agride, não parte para o confronto direto com a polícia e muito menos destroi o bem público, o manifestante de verdade está lutando por direitos e não lutando em uma guerra para matar ou morrer.

  32. Enquanto isso o Fruet janta tranquilo na casa dele, não sou fã do Governador Beto Richa mais que a justiça seja feita, há alguma coisa de estranho ai. O pivô desta historia e o Prefeito de Curitiba. A pergunta é, porque não na prefeitura?
    Porque não na casa do Prefeito?

    • Quanta besteira esse cidadão escreveu.

    • Com certeza, o culpado é o prefeito que assumiu uma prefeitura falida, com uma dívida enorme produzida por oito anos de má administração do Beto Richa.
      Vamos acordar, a prefeitura e a gestão atual é o menor dos nossos problemas!

      • Oito anos? E os oito do Taniguchi? e quatro do Lerner, não contribuiram, tb?

      • são 20 e tantos anos que a quadrilha tocou a prefeitura como quis ….. o novo prefeito ainda nem esquentou a cadeira e pegou divida para todo que é lado, veja o exemplo do estado, são 2 anos e meio e nada já conseguiram detonar com tudo que foi feito.

    • Será que ele é mesmo aliado de Dilma?

    • NÃO TEM SENTIDO O GOVERNADOR MANDOU BEM EM NÃO MANDAR POLÍCIA. O PESSOAL QUE ENTROU EM CONFRONTO ERAM APENAS BADERNEIROS. DISSE CERTO. ATO ISOLADO

    • CONCORDO. NÃO SOU FÀDO BETO MAS PSDB E CIA TEM MUITO MAIS MORAL NA POLÍTICA DO Q DILMA LULA E OS CORRptOs!! E ELE MANDOU BEM EM NAO MANDAR POLÍCIA! A MANIFESTAÇÃO FOI LINDA!

      • Você consegue publicamente enumerar aas qualidades atribuídas oa PSDB?
        Talvez seja a”modéstia” do PSDB que não divulga seus”feitos” éticos e humanista.

        • E quais são os “feitos” éticos e humanista, do grupo política do LULA; Zé Dirceu; Gushiken; Genoino; Dilma; Paulo Bernardo, Gleisi entre outros ilu$tre$………………..

      • Caro Fabio. No gov FHC viviamos recessão sem fim. No gov Lula o Brasil passou a ser um pouco respeitado. Não está bom. Mais estamos tendo um pouco mais de esperança. Será que voltar com o PSDB é bom para o Brasil?Respeito sua opinião, porem, não concordo. Grande abç.

        • da mesma maneira, que dividas ficaram de um governo para o outro.projetos, o plano real ficou. o governo FHC foi muito mais competente,apesar de politico safado o Fernando é um senhor culto, formado em duas graduação , ajudou e muito a evolução do pais, o senhor lula e Dilma falavam em revolucionar, mais apenas deram sequencia a projetos por maioria, criados na gestão FHC. A luta deve ser pela melhoria da saúde publica, educação na qual menos de 2% da população tem acesso ao ensino superior gratuito, contra o absurdo que pagamos de impostos, não sei os dados atuais mais estamos entre os 5 povos do mundo, que mais pagam impostos, roupados, INSS 6 meses para pagar direitos a trabalhadores afastados por problemas relacionados a saúde, para onde vai o ipva e iptu que pagamos?
          Entre outros impostos que são desviados ou investidos em estrutura para um evento passageiro.
          em todo meio a os bons e os ruins pena que na politica apenas1 % presta

        • discordo totalmente, recessão viviamos na epoca do sarney, collor e itamar franco, depois q o FHC entrou ainda como ministro e fez o REAL, hj temos uma moeda forte e REAL, que já esta aí a anos, o brasil mudava de moeda direto e o REAL ta aí desde 93, eu queria muito que o PT tivesse pego o poder nessa epoca, queria ver se ele faria alguma coisa sem uma moeda forte

      • OS ladroes do PSDB/DEMO tem mais moral q o PT DE LULA/DILMA??
        VC esta vesgo cara fabio!!ñ enXerga um palmo adiante do nariz!!!
        O palacio dos banderantes em SP, é de q governo cara???
        O palacio iguaçu no PARANÁ, é de q governo cara?? do PT Q Ñ É NÉ CARA?
        O dero$$o é deq partido cara palida?? VC esta mais por fora doq pelo do coco…Ésse protesto é contra todos os politicos corruptos do BRASIL!!
        EU Ñ OBSERVEI NENHUMA FAIXA SE REFERINDO AO MENSALAO DO PT!! PORQ O POVO SABE Q MANSALAO Ñ É SÓ DO PT!!!

    • Que culpa tem o cara que assumiu uma prefeitura detonada? Pouca!

      Em São Paulo é a mesma coisa, antes do Haddad passaram pela prefeitura a dupla Serra/Kassab, hoje ele tá num mato sem cachorro e assim como Fruet, com um governador de quinta categoria, só que aqui a anta está a 10 anos no poder.

    • Gustavo Fruet como nós, é vítima de oito anos de falcatrua, ato que mais gostei foi romper os contratos da contrans para carros de luxo, e cortar gastos em todas as secretarias, nem que isso cause sua derrota política.

      • Demagogia pura…. A COTRAN$ continua no governo, O ICI permanece como estava; A Caixa Preta da URB$ provavelmente não foi encontrada ainda pelo Gustavinho……. e passado 06 meses de desgoverno a DESCULPA continua a mesma…. é fácil achar culpados, o difícil é assumir seus erros e sua falta de conhecimento de políticas públicas!!!!!!!

    • Mauricio Pina, primeiro que os destruidores do patrimônio público são todos ligados ao prefeito Fruita e ao PT, então eles estão destruindo o que seus líderes mandam destruir.

      Os verdadeiros manifestantes, aqueles que desejam mudar o país, aqueles que querem ver a boa política, estes fizeram seu manifesto de forma ordeira, com faixas, cartazes, gritos de guerra e muita paz, mas a outra turminha, aquela que sempre está a fim de tumultuar, destruir, matar, esta então se dirigiu até o palácio Iguaçu para entrar em confronto com a polícia, já que a polícia está ali para proteger o cidadão de bem e o patrimônio de todos os paranaense.

  33. O Fala Sério uma hora está se borrando nas calças de medo de invadirem a sala dele e descobrirem a sua senha, hauhuahauhaha.

    • É amigo, tem gente que foi pega de calças curtas, Democracia tem Povo…

    • Uma das palavras de ordem dos mais de 20 mil manifestantes foi “isso é só o começo!” E o Prefeito continuará não permitindo que a desoneração determinada pela Dilma reduza a tarifa em Curitiba? ele é ou não aliado de Dilma? Quando será cumprida a promessa de abrir a caixa preta da URBS? será que o próprio Prefeito conhece a URBS, sabe os números da planilha?

    • Imaginem se fosse possível trazer do túnel do tempo “Estela, Wanda ou mais conhecida hoje como Dilma” e seus companheiros de guerrilha, muitos deles hoje condenados criminalmente pelo escândalo da corrupção no processo do Mensalão…

      Ao invés de darem chutinhos na porta de um prédio público, já teriam seqüestrado alguma autoridade, matado policiais com bombas, roubado bancos, enfim, hoje entendemos que o baderneiros criminosos de ontem EM NADA contribuíram de bom para o movimento contra a ditadura, mas sim desvirtuaram como os baderneiros atuais os princípios do movimento…

      Agora o BRASIL enxerga claramente isto. Tanto que no Twitter, #ForaDilma é o campeão absoluto.