“Bolsa Estupro é retorno à  Era Medieval”, afirma União Brasileira de Mulheres

Está ocorrendo uma verdadeira caça à s bruxas no Congresso. à‰ um retorno à  Era Medieval, onde centenas foram queimadas e crucificadas. E, para pressionar lá dentro [Congresso Nacional], é preciso mobilizar aqui fora", diz a coordenadora nacional da União Brasileira de Mulheres, Elza Campos, ao condenar a "Bolsa Estupro".

Está ocorrendo uma verdadeira caça à s bruxas no Congresso. à‰ um retorno à  Era Medieval, onde centenas foram queimadas e crucificadas. E, para pressionar lá dentro [Congresso Nacional], é preciso mobilizar aqui fora”, diz a coordenadora nacional da União Brasileira de Mulheres, Elza Campos, ao condenar a “Bolsa Estupro”.

à€s vésperas da visita do papa Francisco ao Brasil, em julho, durante a 26!ª Jornada Mundial da Juventude, o país dá sinais de que a onda conservadora que atinge o mundo chegou por aqui. à‰ o que alertam feministas ouvidas pelo Portal Vermelho, que reagiram à  aprovação do Estatuto do Nascituro na Comissão de Finanças da Câmara. Para impedir seu avanço, elas se rearticulam e preparam atos em todo país. Abaixo-assinado recebe milhares de adesões nesta quinta-feira (6).

Na quarta-feira (5), a Comissão deu seu aval para a proposta, conhecida pelo movimento de mulheres também como Bolsa Estupro. De acordo com o texto, fica estabelecida a proteção jurídica à  pessoa desde a concepção, antes mesmo de seu nascimento e garantida, inclusive, uma pensão alimentícia do pai, se identificado, ou do Estado. O projeto agora será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de ser votado em Plenário.

Nos posicionamos contrárias a esse projeto. O texto atenta contra a autonomia da mulher sobre o seu próprio corpo e, com isso, mantém a instituição do patriarcado, que domina a partir dos seus mecanismos e conexões com as classes dominantes. à‰ preciso que haja o enfrentamento ao patriarcado e à s sociedades de classes que dominam a opinião pública. Temos uma histórico de luta e, agora, o movimento de mulheres precisa resgatar esses direitos!, declarou Lúcia Rincon, que integra o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), ligado à  Secretaria Nacional de Política para Mulheres.

Na manhã desta quinta-feira (6), o CNDM divulgou uma nota se posicionando contra o PL 489/07, de autoria do ex-deputado Luiz Bassuma e Miguel Martins. O Estatuto do Nascituro viola os direitos das mulheres e descumpre preceitos constitucionais de previsão e indicação de fonte orçamentária, objeto de discussão naquela Comissão!, diz um trecho do comunicado.

Para impedir o avanço no Congresso Nacional, a conselheira destacou a importância do papel do Conselho e das parlamentares na atuação dentro do Congresso Nacional. Vamos nos rearticular para impedir esse PL que além de ser um retrocesso na conquista de direitos, é inconstitucional!, avisou Lucia Rincon, lembrando que garantir direito à  vida do embrião em detrimento da vida da mulher fere direitos constitucionais à  saúde, à  liberdade, à  igualdade e à  não discriminação.

Está ocorrendo uma verdadeira caça à s bruxas no Congresso. à‰ um retorno à  Era Medieval, onde centenas foram queimadas e crucificadas. E, para pressionar lá dentro [Congresso Nacional], é preciso mobilizar aqui fora. O movimento, que sempre lutou pelo empoderamento da mulher e igualdade de gênero, deve ir à s ruas, escolas, universidades para debater com a sociedade e denunciar os retrocessos que podem ocorrer!, completou Elza Campos, coordenadora nacional da União Brasileira de Mulheres (UBM).

Tanto Elza, quanto Lúcia lembram que desde quando o PL surgiu, em 2007, as mulheres vem travando o debate, como o caso dos anencéfalos. No entanto, elas lembram que a pauta de gênero é pouco abordada pela mídia e, quando é, não são ouvidas as organizações feministas. O movimento vem cumprindo seu papel de denunciar. Mas, falta visibilidade. As notícias da imprensa burguesa defendem a manutenção do patriarcado e dão espaço a grupos religiosos que defendem projetos como esse!, completou Lúcia Rincon.

O Estado é laico

As organizações de mulheres também denunciam que o PL fere o Estado Laico instituído no país. Para elas, está claro que o texto defende o que é pregado por doutrinas religiosas.

Essa pauta conservadora é uma realidade do Congresso Nacional hoje. A aprovação é uma tentativa de setores religiosos de impedir o direito de cidadania das mulheres e até contraria pesquisas que mostram que a sociedade é majoritariamente favorável ao aborto legal, no caso de estupro principalmente!, afirmou Yury Puello Orozco, da equipe de coordenação da organização Católicas pelo Direito de Existir.

Ela lembrou, ainda, a condição da mulher vítima de estupro: Para receber pensão essa mulher terá que dizer que sofreu um estupro, se submeter a um processo. Ou seja, ela será duplamente violentada: na vida e no papel. Além disso, de uma certa forma, você está remunerando o estuprador!.

Yury lembrou que existe uma onda conservadora no mundo, citando casos atuais como na Europa onde alguns direitos também vêm sendo questionados. Mas a militante ressalta que há focos de resistência, como em El Salvador, na América Central, onde ocorreu o recente caso da jovem Beatriz, de 22 anos, que estava grávida de um bebê anencéfalo e corria risco de morte por ser portadora de lúpus e de uma insuficiência renal grave. Lá, o aborto é proibido em todos os casos. Mas, após forte pressão do movimento feminista internacional, ela foi submetida a uma cesariana na segunda-feira (3) para a retirada do feto.

No entanto, Yury Puello lembrou que as religiões possuem diferentes correntes e que não são todas que possuem traços conservadores. Dentro do catolicismo existem diferentes correntes. Tanto as organizações que são mais progressistas, quanto à s que vão na linha do atual papa Francisco!, explicou. Ora se ele se diz um papa que defende os pobres, gostaríamos de entender de quais pobres ele está falando, porque ao defender a vida desde sua concepção como tem feito, deixa de lado o direito das mulheres, que são, em sua maioria, pobres que não têm acesso à  atenção básica de saúde e de prevenção!, posicionou-se a integrante das Católicas pelo Direito de Existir, referindo-se à  feminização da pobreza.

Mobilização

O movimento de mulheres organiza para o sábado (15) atos em todo país contra o Estatuto do Nascituro. Entre as organizações que já confirmaram estão a Marcha Mundial de Mulheres e a Marcha das Vadias. Precisamos de uma nova estratégia e uma presença forte para contrapor esse cenário conservador. Uma nova forma de linguagem vem somar à s reivindicações históricas das mulheres!, opinou Yury sobre os movimentos mais contemporâneos como a Marcha das Vadias.

Temos mais um espaço de denúncia contra o modelo cultural baseado no patriarcado e consequentemente no machismo”, defendeu Elza Campos.

E a mobilização para impedir o avanço do PL parece já ter seus primeiros resultados. Uma petição na página Avaaz.org foi lançada no final de abril deste ano para mobilizar a sociedade contra a proposta do Estatuto do Nascituro. No dia 9 de maio, 4 mil pessoas haviam assinado. Na manhã desta quinta (6), depois da aprovação na Comissão da Câmara, haviam 27 mil adesões. Até o final desta matéria, o número chegou a 55.466.

Acesse a petição aqui.

Por Deborah Moreira, da redação do Vermelho

24 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I just want to say I’m very new to blogs and actually liked you’re web page. Very likely I’m going to bookmark your blog . You certainly come with impressive stories. Thanks a lot for revealing your website page.

  2. É uma idiotice tanta preocupação com o que o outro faz. Se a mulher é cristã e segue os preceitos cristãos, podem até oferecer dinheiro para ela abortar, que ela não o fará. Já outra que não segue os mesmos preceitos deve ter a liberdade de decidir. Quando eu era adolescente, perto da minha escola (e faz tempo) já tinha uma clínica de “fabricar anjinhos” e tudo mundo que vivia em volta sabia. Então esta lei é mais uma hipocrisia, que só vai gerar mais custos para o estado e, em consequência, para nós, contribuintes.
    Ah, quanto ao argumento que já nasci, por favor, mais maturidade nos comentários. Nasci em uma relação familiar estável, não em uma aventura de uma noite ou resultado de um estupro. Grande diferença.

    • Vivi, teus comentarios sao tao “maduros e inteligentes” quanto o de hitler para matar judeus…se voce nao gosta entao mata? Somente pessoas extremamente egoistas sao a favor do aborto. E custos dos contribuintes, o governo ta cheio de dinheiro… e quantos casos disso temos por ano no Brasil? Voce conhece alguem que ficou pobre por causa dos programas de transferencia de renda? So tenho visto pessoas enriquecerem nos ultimos anos.

  3. Eu so vou comentar quando eu tiver mais informação.tem pontos que ainda não está claro ,e é polemico,vamos comentar quandoa lei existir de facto….

  4. Esmael e demais o aborto é um tema que vem sempre à tona e tomou e de uma hora para outra toma conta dos noticiários devido às contradições que o mesmo desperta na sociedade. Me esbaldando na essência democrática deste excelente Blog, defenderei meu ponto de vista sobre o motivo de ser contrário à prática tanto sob a ótica filosófica quanto sob a ótica religiosa.
    Ou seja, não é questão de moralismo maniqueísta (uma coisa é má e a outra boa), mas se pensarmos não será difícil perceber o motivo de haver tantos casos de aborto. Sejamos francos sem vendas nos olhos muita gravidez indesejada é fruto de vidas sem regra, promíscuas, lascivas, irresponsáveis, onde o maior valor é não ter valor, e o que deveria ter maior valor, que é a vida da mulher e de uma futura criança, são descartadas como se fossem lixos. Exemplos: depois que passam nove meses temos o que muitos que trabalham em órgão públicos de apoio a criança e adolescente, chamam de “filhos do carnaval”, sem contar os “filhos das reives” e “filhos das baladas” dentro outros filhos do mal uso do corpo feminino!
    Isto posto, nestas circunstâncias aborto é crime sem! E matar é crime.
    Mas em caso de estupro, risco de saúde para a mãe ou através de exames de DNA e outros avançados descobrirem doença que vai tornar a vida da criança impossibilitante o aborto é justificado. No caso de risco para a mãe, dever-se-ia escolher quem tem maior chance de sobrevivência. Se a criança tem maior chance, a mãe deve morrer. Se a mãe tem maior chance, a criança morre.
    Aborto não é questão de saúde pública como a casta política tem afirmado. O aborto é questão de segurança pública. Quando uma mulher pratica o aborto só porque a camisinha furou deveria ser presa e exposta a imagens de fetos abortados para ter idéia do que fez. O feminismo “moderno” insiste em que a mulher tem direitos sobre o corpo. Que tem, não há discussão. O problema começa quando esse direito de viver como bem se quer interfere na vida da criança que toda essa liberdade gerou. A mulher tem todo o direito de fazer o que quiser com seu corpo, dá-lo, vendê-lo e até alugá-lo. Porém, sobre o feto ela não tem direito algum. A mulher não tem direito sobre o feto porque o feto é um ser autônomo, enquanto não há a fecundação ele está em potência para a vida, após a fecundação ele está em ato na vida. Logo, o feto começa a ser na fecundação, e como nada é apenas ser, recebe a alcunha de ser humano. Ser-se humano é diferente de ser-se ser humano. Ora, se o que há no útero é, existe. Se existe e é humano como provado, é vivo. Logo, se há aborto, há assassinato. Vivemos num momento em que os deveres se tornaram direitos, e não há no horizonte algum sinal de que as coisas mudem. Matar uma criança, coisa que em outros tempos era inimaginável, hoje é abertamente pregado em discurso político tendo apoio da população. Persegue-se uma vida onde não há família. Modernismos ditam as regras, marido numa casa e esposa noutra. Cada um levando sua vida como dois desconhecidos que se encontram esporadicamente para uma noite de sexo.
    Assim não dá! E ainda por cima querem que o estado crie!

  5. Esmael e demais o aborto é um tema que vem sempre à tona e tomou e de uma hora para outra toma conta dos noticiários devido às contradições que o mesmo desperta na sociedade. Me esbaldando na essência democrática deste excelente Blog, defenderei meu ponto de vista sobre o motivo de ser contrário à prática tanto sob a ótica filosófica quanto sob a ótica religiosa.
    Ou seja, não é questão de moralismo maniqueísta (uma coisa é má e a outra boa), mas se pensarmos não será difícil perceber o motivo de haver tantos casos de aborto. Sejamos francos sem vendas nos olhos muita gravidez indesejada é fruto de vidas sem regra, promíscuas, lascivas, irresponsáveis, onde o maior valor é não ter valor, e o que deveria ter maior valor, que é a vida da mulher e de uma futura criança, são descartadas como se fossem lixos. Exemplos: depois que passam nove meses temos o que muitos que trabalham em órgão públicos de apoio a criança e adolescente, chamam de “filhos do carnaval”, sem contar os “filhos das reives” e “filhos das baladas” dentro outros filhos do mal uso do corpo feminino!
    Isto posto, nestas circunstâncias aborto é crime sem! E matar é crime.
    Mas em caso de estupro, risco de saúde para a mãe ou através de exames de . Ainda que seja estupro, é um ato criminoso matar uma criança, já que o culpado é o estuprador, mas como a lei permite, resta-nos cumprir. No caso de risco para a mãe, dever-se-ia escolher quem tem maior chance de sobrevivência. Se a criança tem maior chance, a mãe deve morrer. Se a mãe tem maior chance, a criança morre.

    Aborto não é questão de saúde pública como a casta política tem afirmado. O aborto é questão de segurança pública. Quando uma mulher pratica o aborto deveria ser presa e exposta a imagens de fetos abortados para ter idéia do que fez. O feminismo “moderno” insiste em que a mulher tem direitos sobre o corpo. Que tem, não há discussão. O problema começa quando esse direito de viver como bem se quer interfere na vida da criança que toda essa liberdade gerou. A mulher tem todo o direito de fazer o que quiser com seu corpo, dá-lo, vendê-lo e até alugá-lo. Porém, sobre o feto ela não tem direito algum.

    A mulher não tem direito sobre o feto porque o feto é um ser autônomo, enquanto não há a fecundação ele está em potência para a vida, após a fecundação ele está em ato na vida. Logo, o feto começa a ser na fecundação, e como nada é apenas ser, recebe a alcunha de ser humano. Ser-se humano é diferente de ser-se ser humano. Ora, se o que há no útero é, existe. Se existe e é humano como provado, é vivo. Logo, se há aborto, há assassinato.

    Vivemos num momento em que os deveres se tornaram direitos, e não há no horizonte algum sinal de que as coisas mudem. Matar uma criança, coisa que em outros tempos era inimaginável, hoje é abertamente pregado em discurso político tendo apoio da população. Persegue-se uma vida onde não há família. Modernismos ditam as regras, marido numa casa e esposa noutra. Cada um levando sua vida como dois desconhecidos que se encontram esporadicamente para uma noite de sexo. Nada mais do que isso.

  6. A sociedade moderna está mergulhada no conceito de igualdade. Cada vez mais luta-se para equiparar o homem à mulher e vice-versa. Se a igualdade pretendida fosse em relação aos direitos civis, cuja necessidade é inegável, não seria, de fato, um problema. Porém, o que acontece é que esta sociedade moderna, eivada do relativismo cultural, quer é transformar a mulher no novo homem e o homem na nova mulher, invertendo e pervertendo os valores mais elementares.

    Deus criou o homem e a mulher em igual dignidade, mas quis que houvesse uma diferença entre os dois gêneros. Esta diferença em ‘ser homem’ e ‘ser mulher’ faz com que exista uma complementariedade entre eles. Foram criados por Deus para formarem um conjunto, não um se sobrepondo ao outro, mas em perfeita sintonia um com outro. Lutar contra esse projeto, fazendo com que a mulher tente, por todos os meios, ocupar o lugar do homem é lutar diretamente contra o projeto de Deus, contra a natureza humana.

    A liberação sexual promovida pelos métodos anticoncepcionais, longe de trazer a sensação de igualdade entre o homem e mulher, transformou a mulher numa máquina de prazer, pois agora ela sabe que pode ter uma vida sexual ativa sem a consequente gravidez. Não precisa ter compromisso com o parceiro, não precisa sentir-se segura ou amada. Ledo engano. O que se vê são cada vez mais mulheres frustradas, depressivas, olhando para trás e percebendo que estão vazias, correndo contra o tempo para manterem-se jovens, pois nada mais têm a oferecer que não o invólucro.

    A liberdade da mulher, na verdade, transformou-se numa prisão. Hoje, elas se vêem presas a estereótipos ditados pela agenda feminista, cujo maior objetivo é destruir a essência da mulher, igualando-a ao homem. Transformando seus úteros em lugares estéreis e varrendo para debaixo do tapete o instinto natural da espécie: a maternidade.

    Portanto, urge que cada mulher, criada à semelhança de Deus, recupere o seu lugar na Criação. Que a mulher seja mulher em toda sua plenitude!!

  7. Burrice. Em qualquer país, especialmente naqueles em que o aborto é legalzado (vide Suécia), as mulheres recebem, antes de tudo, um atendimento psicossocial. Nesta fase se verifica se a mulher (candidata ao aborto) não está se precipitando por motivos psicológicos, pressão familiar ou falta de recursos. Se a mulher se decide por prosseguir com a gravidez, tem uma série de garantias e vantagens dadas pelo Estado a ela – iosto é, indiretamente, ao cidadão que ela está gerando.
    Sei lá, mas acho que aqui a conversa cai nesta hipocrisia de conservador X revolucionário quendo, na verdade, é complicado se tratar de uma frieira no Brasil…

    • O aborto é um assassinato sr. Ricardo, um dos piores assassinatos, porque o feto é totalmente indefeso, não fala, não anda, está grudado a mulher, não pode correr. A natureza deu a esse feto uma mãe para defendê-lo, para cuidar dele, não para traí-lo, matá-lo…
      Tão boa é essa sociedade sueca, com a sua liberdade e prosperidade, que a taxa de suicídio deste país para cada grupo de 100.000 habitantes é 3,27 vezes maior que o nosso MEDIEVAL Brasil, com toda a sua miséria.

      O ERRADO É ERRADO E NÃO PODE NUNCA ESTAR CERTO…

      • Ué, estou ficando maluco, Trabalhador? Você repete quase que exatamente o que eu disse, ao dizer que discorda de mim? Não concordei que dar uma bolsa para a mãe é “medieval” com o diz aquela mulher a quem o post se refer. Leia lá. E aí, eu digo claramente que mesmo em um país livre de machismo, autoritarismo, pobreza, violência, desemprego e etc, como a Suécia, as mães recebem ajuda do Estado caso decidam ter os filhos em condições problemáticas. Leia. Fecho com você em tudo, menos no caso do índice de suicídios na Suécia. Isso é lenda urbana.

  8. Não sei se eu sou muito burro, mas se vão votar uma lei que:
    “Estabelece a proteção jurídica à pessoa desde a concepção, antes mesmo de seu nascimento e garantida, inclusive, uma pensão alimentícia do pai, se identificado, ou do Estado”…

    ISSO É Ã“TIMO, que bom, vão garantir o direito das pessoas antes delas nascerem…Isso é cidadania….

    Que estupro é esse ?

    O que eu deduzi que esse pessoal da
    União Brasileira de Mulheres é um bando de gente retardada…

    Estou enganado, alguém me explique isso…

    • Se coloque no lugar de uma mulher que foi estuprada (nesse caso estamos falando em aborto SOMENTE para casos de estupros), você acha mesmo que essa mulher gostaria de ter esse filho, mesmo que recebesse essa pensão? Ok, a mulher tem a criança… a criança que é o símbolo do MEDO, a criança que é o símbolo da VIOLÊNCIA sofrida pela mulher, a criança que o símbolo da VERGONHA, a criança que não será amada por essa mãe, a criança que representará o pior momento da vida dessa mulher, a criança que irá sofrer, mesmo não tendo culpa de nada. Aí eu te pergunto, pra quê, qual é a razão, qual é lógica de levar em frente uma gravidez dessas?

      • Janaina, como voce ja nasceu ( teus pais nao pensavam asneiras), fica facil defender o aborto. Mas talvez se vc nao tivesse nascido, nao escrevesse estas besteiras e eu nao tivesse perdido meu tempo…

        • Meus pais tiveram uma relação de amor e se preparam para me colocar no mundo. Se não tivessem condições financeiras ou se não tivesse esse bom relacionamento, eu tenho certeza que eles não teriam filhos. E nós não estamos falando de casais “normais” que tem filhos, nós estamos falando de ESTUPRO! Você é casado? Se sua mulher fosse estuprada quando estivesse indo comprar pão, você criaria o filho do estuprador? Você é pai? Se a sua filha, com 12 ou 13 anos de idade, fosse estuprada quando estivesse indo para escola, você gostaria de ser o avô do filho do estuprador? E é muito simples falar em adoção, como o outro colega disse, mas essas pessoas que falam “dê para a adoção, outras pessoas vão amar essa criança” são as primeiras que julgam quando uma mulher toma essa atitude. Sem contar que já existem milhares de crianças na fila da adoção, sem contar que esses futuros pais, que dizem que vão amar o filho como se fosse deles, ainda escolhem os bebes, brancos e de olhos claros. Uma mulher estuprada, que tem que seguir em frente com uma gravidez dessas, certamente fica depressiva, tenta se matar, entre outras coisas e o bebe sente tudo isso e sofre as consequências depois. Crianças com transtorno mental, transtornos de condutada, entre outros, normalmente são crianças que sofreram traumas desde a gravidez (e qual é a culpa da mulher por sentir depressão? afinal ela está carregando algo que não quer, fruto de um ato de violência). Essas crianças vão para abrigos e não são adotas, pois não são consideradas “normais”, essas crianças acabam indo para as ruas e aí nós (população que deixou isso acontecer) criamos o que? Criamos os nosso futuros traficantes, nossas futuras prostitutas, nossos futuros bandidos… Vivemos num mundo cada vez mais doente e violento, pra quê fazer mais um ser humano passar por tudo isso?

          • sera que este nenem prefere estar vivo ou morto? qdo acontece algo q vc nao gosta recorre ao suicidio ou ao assassinato? muito facil so olhar para seu umbigo. Quando olha para teus filhos, ve neles a sua semelhanca, lembra da noite de amor ou simplesmente sente amor por eles incondicionalmente. Nossos filhos nao sao nossos filhos sao antes nossos irmaos>

          • Quem tá falando de estupro é essa desvairada da Lúcia Rincon, está distorcendo as coisas e tentando confundir a opinião pública… Acontece que se aprovarem “a proteção jurídica à pessoa desde a concepção” cai por água abaixo as chances de legalizarem o aborto no Brasil, é por isso que estão fazendo tanto barulho.. Aborto é crime, é assassinato de fetos, é matar de forma cruel, criaturas indefesas..

            Quem é que não gosta de viver? As pessoas reclamam, mas ninguém se mata, porque no fundo gostam dessa vida. Quem aqui gostaria que a sua mãe tivesse interrompido a gravidez que o gerou?

            Janaína, hipoteticamente, digamos que você descobre que não é fruto do amor e sim fruto de um estupro, você gostaria que a sua vida se encerra-se? Você gostaria de deixar de existir?

          • A mulher tem sim direito ao seu próprio corpo. Infelizmente para algumas, são vocês que nutrem em seu corpo, a concepção que perpetua a nossa espécie.
            Se usam as palavras conservador e laico para justificar toda a sorte
            de libertinagem.
            Ora, assassinato é assassinato, independentemente de orientação
            política, crença religiosa, ou ausência dela.
            A mulher tem direito incontestável sobre o seu corpo, mas a vida que ela já tem dentro de si não é o seu corpo, e sobre esta ela não tem direito algum, mesmo se fruto de estupro, e a sua interrupção é assassinato, mesmo se permitido pela lei, será então um assassinato “legal”, mas imoral e anti ético.
            Você gostaria de ter sido abortada?
            Quanto à violência, ela é causada sim mais pela não punição de bandidos e infratores, do que por bebês não desejados que para
            serem bons cidadãos precisarão sim de nutrição, educação, e disciplina.
            Confirmam isto os casos de Mauricinhos e Patricinhas tão bem nascidos e desejados pelos seus pais, que já na adolescência matam os mesmos de forma maquiavélica e sórdida, apesar de todos os mimos e benesses de que desfrutavam.
            O caso Suzane é apenas um ícone para exemplificar, mas isto ocorre em todas as classes sociais.
            A opção pelo bem ou pelo mal, usar drogas ou não, é feita pelo livre arbítrio de cada um.
            Estamos num país onde não há pena de morte para políticos corruptos, colarinhos brancos, estupradores, latrocidas, incendiários de dentistas, mas quer se decretar a morte de inocentes que também vítimas, por serem consequência de estupro, sendo que este é o motivo menos provável dos inúmeros casos de gravidez que ocorrem.
            Sexo não é lazer e muito menos diversão, é sim amor, proteção, e responsabilidade.
            O que as mídias nos passam visa apenas o consumo, e usam o sexo para obter os seus fins. (Comerciais de cervejas p.ex.).
            Janaína, se você não é o tipo intelectual auto suficiente, deslumbrada com a própria sapiência, leia abaixo.

            Snap Shots Options [Make this Shot larger]
            Close
            Snap Shares for charity

            Aborto . . . NÃO !!! Defenda a Vida!

            3º ) No caso de gravidez decorrente de estupro, o aborto é lícito?

            Resposta: – NÃO!!!

            Todo ser humano tem direito à vida, desde o momento da concepção. Se a mãe foi vítima de violência, não pode o inocente ser a segunda vítima da violência do pai (pai???)

            O estupro é um crime, mas não é cometido pela criança. A criança, gerada por estupro é mais vitima do que a mulher estuprada!!! Quem deveria ser castigado é aquele que cometeu o estupro, isto é, quem tem de pagar por este crime é o estuprador e não a criança inocente, ou melhor, que tem de pagar por este crime é o estuprador e não a vítima!!!

            No Brasil, não existe pena de morte para os culpados; ora, se não há pena de morte para os culpados, por que querer impor a pena de morte para os inocentes??? Ou pior por que querer impor pena de morte para as vítimas??? Isto é a quinta essência da injustiça!!!

            Um segundo ponto a ser visto nesta questão é o de que todo aborto provocado acarreta terríveis traumas físicos e psicológicos na mulher, principalmente traumas psicológicos. Ora, o aborto não apaga o estupro; pelo contrário, acrescenta à primeira violência do estupro uma segunda violência, a do aborto, que é mais grave.

            Portanto, querer apagar dessa maneira uma terrível violação, isso não é lógico. É simplesmente absurdo, irracional e, na realidade, o que faz é aumentar o trauma da mulher ao destruir uma vida inocente.

            Assim sendo, por que penalizar duplamente a mulher? Além do mais, a vida do nascituro tem valor em si mesma, mesmo que tenha sido criada em circunstâncias tremendas. Circunstâncias essas que jamais poderão justificar a sua destruição.

            Um terceiro ponto a ser considerado é de que a gravidez resultante de estupro, segundo comprovação científica, é raríssima, pois em primeiro lugar a mulher não se encontra permanentemente em período fértil; e mesmo que o estupro ocorra no período fértil da mulher, a situação emocional, às vezes, até o pavor, contribui seguramente para que não haja concepção, pois há uma revolta de tal monta no organismo feminino que, em geral, acaba não sendo violado no sentido de gravidez.

            Devemos notar que um exaustivo trabalho realizado em Mineapolis, Estado de Minnesota, EUA, durante dez anos, em 3500 casos de estupro registrados, em nenhum houve decorrência de gravidez.

            Finalmente, devemos considerar três fatos ocorridos, um na África e dois na Bósnia:

            Há alguns anos atrás, o falecido Papa João Paulo II definiu que sete freiras missionárias católicas que foram estupradas na África e que, engravidaram devido ao estupro, gerassem os bebês até o parto e depois os doassem a famílias de adoção. E assim foi feito.

            O segundo fato é o conhecido estupro de mulheres muçulmanas bósnias por guerrilheiros sérvios, ocorrido há uns dois anos. Essas mulheres engravidaram, mas não abortaram, pois resolveram de livre e espontânea vontade, aceitar um apelo do Santo Padre, o Papa João Paulo II, feito por famílias croatas bósnias, que lhes pediram para que não abortassem.

            Ora, os croatas, em sua esmagadora maioria, são católicos, e não se dão muito bem com os muçulmanos bósnios, embora sejam aliados; o Papa é o chefe espiritual dos católicos, portanto, é o chefe espiritual dos croatas. Contudo, as mulheres muçulmanas bósnias não hesitaram em aceitar o apelo do Papa.

            Que vergonha para nós, católicos do Brasil! Nós, que nos julgamos o maior país católico do mundo (?), e que temos milhares de abortos por ano.

            Será que as muçulmanas bósnias entrarão no céu antes de muitas católicas brasileiras? As crianças da Bósnia, frutos do estupro das mulheres muçulmanas bósnias por guerrilheiros sérvios, hoje são criadas por famílias croatas; não serão elas um hino de paz e amor, num antro de ódio e de guerra?

            E, finalmente, o terceiro ponto é o do estupro de freiras católicas croatas, também por guerrilheiros sérvios. Essas freiras engravidaram, deram à luz às crianças e hoje cuidam dessas crianças.

            Pode ser que para nós, se torne difícil aceitar esses fatos. Todavia, eles demonstram o amor de Deus. Para entendermos e aceitarmos esses três exemplos citados, exige-se fé, exige-se um testemunho de fé.

            Uma criança fruto de estupro é, em si mesma, inocente! Nela permanece a imagem de Deus! Assassinarem esse bebê inocente é assassinar a misericórdia de Deus, que está viva nessa pequena vida e para quem Deus, apesar de tudo, também tem um plano de amor e bondade.

            O mistério do aparecimento de um novo ser sobre a terra é um grande mistério. Havia dois seres humanos e, de repente, há um terceiro ser, um novo espírito completo, acabado, tal como jamais foi criado por mãos humanas, um novo pensamento, um novo amor. É muito impressionante. Não há nada maior no mundo!

            Dostoievski

            No céu você conhecerá as crianças que ajudou a salvar do aborto!

            QUEM AMA NÃO MATA!!!

            (lema da Sociedade Protetora dos Nascituros Imaculada Conceição de Maria)

            Coração Imaculado de Maria Livrai o Brasil da Maldição do Aborto!!!
            (jaculatória criada pelo Bispo Emérito de Anápolis ““ Goiás, para ser rezada quando se ora contra a legalização do aborto no Brasil )

            Alexandre Luiz Antonio da Luz

            Ex-Presidente da Sociedade Protetora dos Nascituros Imaculada Conceição de Maria – Movimento oficial de defesa da vida nascitura da Arquidiocese de Curitiba

            Voltar Pergunta Nº 4

      • Ce ta certo Trabalhador. Errado é matar o filho pelo crime do Pai. Põe pra adoção: um monte quer e vai criar com amor.

  9. E agora PETISTAS, expliquem Essa!!!! ou Vão acusar ex governantes????? Mais uma Bolsa???? O Min da Justiça diz que os Presidios no Brasil são da era medieval, mas é ele, o Ministro da Justiça que DEVERIA Mudar isso e não faz NADA. Não investe em reformas, não constroe novos presidios e Pretende soltar ou deixar soltos bandidos ao invés de Construir Novos Presidios, ou Financiar novos…

    • PRESÍDIOS, TEM ACENTO AGUDO NO i

      Viu seu babaca sabichão como é fácil a gente desviar o foco de uma discussão.
      Em tempo vá tomar no olho do seu C……..

    • VOCE ESTÁ PRECISANDO DE UMA BOLSA ESTUPRO NÉ “FALA SERIO”