Afinal, o BB liberou Osmar Dias para fazer política? Ouça o áudio e opine

à€ direita de Lula e Gleisi, o vice-presidente do BB, Osmar Dias, pôde discursar em evento do PT no Paraná; em 2012, nas eleições municipais, ele alegou que a instituição financeira o proibia de subir em palanques; coincidência ou não, em 2014, ano em que o pedetista pretende disputar cargo eletivo, o BB o liberou para discursar nas vésperas de sua própria eleição.

à€ direita de Lula e Gleisi, o vice-presidente do BB, Osmar Dias, pôde discursar em evento do PT no Paraná; em 2012, nas eleições municipais, ele alegou que a instituição financeira o proibia de subir em palanques; coincidência ou não, em 2014, ano em que o pedetista pretende disputar cargo eletivo, o BB o liberou para discursar nas vésperas de sua própria eleição.

Em 2012, o ex-senador e ex-candidato ao governo do estado, Osmar Dias, do PDT, se recusou a subir no palanque de correligionários, candidatos a prefeito e vereadores no Paraná inteiro alegando que um parecer do Banco do Brasil, instituição da qual é um dos vice-presidentes, o proibia.

No final de setembro do ano passado, este blogueiro registrou que o presidente estadual do PDT abandonara na estrada vários companheiros feridos (clique aqui para relembrar), dentre os quais Gustavo Fruet que um mês depois fora eleito prefeito de Curitiba (relembre clicando aqui).

Diante da estranheza deste blogueiro, com sua falta na campanha de correligionários, que quase se mataram por sua eleição em 2010, Osmar jurou, na época, que nunca abandonou ninguém e desceu o sarrafo em Fruet (clique aqui para relembrar).

O banco tem 60% capital público e 40% privado, portanto, se um estatutário como eu participar da campanha recebe uma multa de R$ 50 mil da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Eu tenho um parecer jurídico do banco e por isso me licenciei até da presidência do PDT!, despistava Osmar para não precisar subir no palanque de companheiros.

Pois bem, quem se elegeu se elegeu; quem perdeu já perdeu; e os políticos brasileiros já respiram ares de 2014. Não é que, coincidentemente, o “rígido” Banco do Brasil amoleceu o coração com Osmar Dias?

Isso mesmo, caro leitor. O BB afrouxou o sutiã para seu vice-presidente que pôde subir no palanque do PT, na última quinta-feira (13), em Pinhais, região metropolitana de Curitiba, durante evento de 10 anos do partido no poder (ouça o áudio abaixo). à‰ bom que fique claro que não era um evento do governo federal, mas dos petistas que já pensam a reeleição de Dilma Rousseff e a eleição da ministra Gleisi Hoffmann ao Palácio Iguaçu.

Coincidência ou não, 2014 será ano eleitoral decisivo para Osmar e seu irmão àlvaro Dias (PSDB). Ambos dizem que irão disputar o Senado, entretanto há quem duvide. Aí é outra história, que contarei em outra oportunidade.

Ouça o discurso político de Osmar Dias no seminário do PT do Paraná:

[audio:http://www.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2013/06/osmar_expotrade.mp3]
Clique aqui para fazer o download do áudio.

Comentários encerrados.