18 de junho de 2013
por esmael
39 Comentários

“Radical Chique” explica os protestos

A vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves, do PT, a Radical Chique, em artigo postado no Facebook (sempre ele), questiona: “O que há de novo?”. A própria moça arrisca uma resposta: decisões centralizadas, solitárias, ao invés do compartilhamento. Será que a petista estaria mandando um recado para alguém especificamente?

Leia a integra da reflexa da vice “Radical Chique”:

O que há de novo?

De maneira espontânea, surgiram movimentos de rua em todo o país.

A princípio, parecia se tratar de reivindicação restrita à  redução dos valores das passagens de ônibus. Até era. Entretanto, ao imergirem em seus próprios descontentamentos, descobriram uma insatisfação bem maior. Conquistada a liberdade pós-ditadura, supridas as necessidades básicas de vida, com aumento expressivo de famílias agora consideradas de classe média!, burlado o aprisionamento da comunicação à  tradicional mídia (e houve quem não acreditasse no poder das redes sociais), agora se quer mais.

O interessante é que, mesmo os governos que possibilitaram a ascensão econômica, a isenção de impostos das tarifas de transporte, também foram alvo dos protestos.
Refletindo um pouco sobre isso, percebo que há um cansaço pela sociedade dos velhos métodos de governar.

Os políticos envelheceram, não de idade, o que não seria um problema se com ela viesse fortalecido o sentido de bem comum. Decaíram de mãos dadas com a política tradicional. Não se atentaram para o fato de que os antigos princípios são mais que atuais: Democracia do povo para o povo; o bem coletivo prevalecendo acima do individual; o diálogo entre cidadãos e instituições como entre sujeitos iguais; não mais decisões solitárias, mas compartilhadas, traduzidas.

à‰ preciso mudar as práticas. O sinal está dado.

18 de junho de 2013
por esmael
26 Comentários

André Vargas defende maior participação da juventude na política; ouça o áudio

O presidente em exercício da Câmara dos Deputados, deputado André Vargas (PT-PR), nesta terça-feira (18), disse que mais do que fazer avaliações de segurança pública, é preciso interpretar o movimento reivindicatório que acontece em todo o País. Vargas acompanhou ontem a tentativa de invasão do Congresso Nacional por manifestantes.

Essa é uma manifestação com demandas reais, do mundo real, que deve ter críticas em relação aos governos, aos meios de comunicação. Na impede que amanhã aconteça outra manifestação espontânea em qualquer outro lugar!, avaliou Vargas.

Quanto à  segurança para a manifestação marcada para a próxima quinta-feira, o presidente em exercício da Câmara disse confiar que o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, continuará realizando um bom trabalho.

Apesar do número diminuto de policiais, não teve ocupação. Os policiais se comportaram de maneira exemplar, não tivemos cenas de violência aqui, apesar das provocações naturais de um momento como esse!, disse o presidente.

Esse é um movimento legítimo, democrático, que é a expressão de uma parte da juventude que quer se fazer ouvir, precisamos nos esforçar para entender isso!.

O presidente em exercício da Câmara frisou que embora o movimento que toma as ruas do Brasil não tenha líderes identificados para que seja possível alguma forma de negociação, há legitimidade por trás das ações.

Os pleitos são por mais segurança, saúde, melhoria no transporte coletivo, gastos da Copa do Mundo e direitos humanos!, enumerou o presidente.

André Vargas disse, ainda, que no Congresso Nacional há um esforço do PT e de vários outros partidos para realizar reformas que possibilitem mais participação dos pobres, das minorias e da juventude.

18 de junho de 2013
por esmael
23 Comentários

Quer aprender fazer cartazes e grito de guerra para o protesto? As entidades estudantis ensinam

UPE e UPES prometem, nesta quarta, ensinar a pintar cartazes para os protestos pela redução na tarifa; uma das manifestantes dá o recado, dizendo que não cairá no conto da petição online e avisa que a juventude saiu do Facebook para as ruas. (Foto: Freddy Pinheiro).

UPE e UPES prometem, nesta quarta, ensinar a pintar cartazes para os protestos pela redução na tarifa; uma das manifestantes dá o recado, dizendo que não cairá no conto da petição online e avisa que a juventude saiu do Facebook para as ruas. (Foto: Freddy Pinheiro).

A União Paranaense dos Estudantes (UPE) e a União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (UPES), nesta quarta-feira (19), à s 16 horas, na Praça Santos Andrade, em Curitiba, uma oficina para ensinar a confecção de cartazes para as passeatas “contra tudo e contra todos”. Leia mais

18 de junho de 2013
por esmael
41 Comentários

Pela CPI do Pedágio, manifestantes planejam “visita” à  Assembleia do PR

A característica do movimento que toma à s ruas do país pela redução da tarifa de ônibus — e tantas outras reivindicações — é a falta de organização, de roteiro, de lideranças, mas o blog teve informação de que a ala “Anonymous”, aquele pessoal das máscaras, planeja uma “visita” aos deputados da Assembleia Legislativa do Paraná.

Essa turma ficou muito descontente com os deputados que enterraram de vez a possibilidade e instalar a CPI dos Pedágios. O grupo “Anonymous” desconfia dos motivos que fazem dos parlamentares coveiros da transparência.

“Acho que o movimento bem que poderia vir aqui, na Assembleia, afinal de contas aqui não é a Casa do Povo?”, questionou o deputado Antônio Anibelli Neto (PMDB), o Anibelinho, concordando com o protesto pela CPI.

Ontem à  tarde (17), numa manobra governista, pilotada pelo presidente da Casa, Valdir Rossoni (PSDB), a proposta de CPI do Pedágio foi arquivada com a retirada de sete assinaturas no pedido. Para prosperar uma comissão de investigação, são necessárias 18 rubricas dos 54 parlamentares.

A seguir, veja quem manteve e quem retirou a assinatura na CPI do Pedágio:

Mantiveram as assinaturas pela CPI:

Adelino Ribeiro (PSL)

André Bueno (PDT)

Anibelli Neto (PMDB)

Cleiton Kielse (PMDB)

Enio Verri (PT)

Fabio Camargo (PTB)

Gilberto Ribeiro (PSB)

Gilson de Souza (PSC)

Luciana Rafagnin (PT)

Nelson Luersen (PDT, autor)

Ney Leprevost (PSD)

Paranhos (PSC)

Pastor Edson Praczyk (PRB)

Péricles de Mello (PT)

Professor Lemos (PT)

Tadeu Veneri (PT)

Toninho Wandscheer (PT)

Retiraram as assinaturas contra a CPI:

Luiz Accorsi (PSDB)

Luiz Eduardo Cheida (PMDB)

Marla Tureck (PSD)

Mauro Moraes (PSDB)

Nelson Garcia (PSDB)

Stephanes Jr. (PMDB)

Valdir Rossoni (PSDB)

Tentaram assinar, mas não conseguiram:

Elton Welter (PT)

Gilberto Martin (PMDB)

Roberto Aciolli (PV)

Tercílio Turini (MD)

18 de junho de 2013
por esmael
73 Comentários

“Meu filho foi preso pela polícia tucana porque protestava como todos os brasileiros”, denuncia deputado do PT

O estudante Yuri, filho do deputado petista à‚ngelo Vanhoni, foi preso ontem sob acusação de vandalismo; pai e filho negam e dizem que polícia tucana mente; "Fui vandalizado pela Polícia Militar quando estava indo embora. Me chutaram e me espancaram muito", denuncia o filho do deputado Vanhoni; confronto entre manifestantes e tropa de choque, ontem, durante invasão do Palácio Iguaçu, é apenas o prenúncio de como será a disputa eleitoral no Paraná em 2014; nessa confusão toda só falta uma coisa: Gustavo Fruet reduzir a tarifa de ônibus na capital.

O estudante Yuri, filho do deputado petista à‚ngelo Vanhoni, foi preso ontem sob acusação de vandalismo; pai e filho negam e dizem que polícia tucana mente; “Fui vandalizado pela Polícia Militar quando estava indo embora. Me chutaram e me espancaram muito”, denuncia o filho do deputado Vanhoni; confronto entre manifestantes e tropa de choque, ontem, durante invasão do Palácio Iguaçu, é apenas o prenúncio de como será a disputa eleitoral no Paraná em 2014; nessa confusão toda só falta uma coisa: Gustavo Fruet reduzir a tarifa de ônibus na capital.

O Palácio Iguaçu confirmou nesta terça-feira (18) que o estudante Yuri Sfair, de 26 anos, enteado do deputado federal à‚ngelo Vanhoni (PT), está preso na 1!º DP de Curitiba. O moço é acusado de participar da invasão da sede do governo do estado, ontem à  noite, conforme registrou em primeira mão este blog. Leia mais

18 de junho de 2013
por esmael
23 Comentários

Porto Alegre baixa preço do ônibus; Gustavo Fruet ainda resiste

O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, cedeu à  pressão e vai reduzir a tarifa; em Curitiba, Gustavo Fruet, correligionário do porto-alegrense, ainda não se pronunciou; o movimento pela redução do preço da passagem diz que não deixará as ruas da capital paranaense enquanto não for atendido; fica a dica do blog: #ReduzFruet.

O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, cedeu à  pressão e vai reduzir a tarifa; em Curitiba, Gustavo Fruet, correligionário do porto-alegrense, ainda não se pronunciou; o movimento pela redução do preço da passagem diz que não deixará as ruas da capital paranaense enquanto não for atendido; fica a dica do blog: #ReduzFruet.

O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT), anunciou nesta terça-feira (18) que vai reduzir o preço da tarifa de ônibus de R$ 2,85 para R$ 2,80. Ele encaminhará uma mensagem à  Câmara de Vereadores projeto de lei que isenta as tarifas de ônibus do ISS (Imposto sobre Serviços), PIS e Cofins. A redução será imediata. Leia mais

18 de junho de 2013
por esmael
19 Comentários

Não é por 20 centavos, é por direitos!

Manifestantes cravaram nas portas do Palácio Iguaçu, sede do governo do Paraná, os motivos das manifestações em todo o país; a onda de protesto vai além do preço da tarifa de ônibus, mas a velha mídia ou é incompetente para interpretar ou age com má-fé, disputando o rumo do movimento com os partidos políticos; eu, particularmente, acredito na segunda hipótese; campanha contra as legendas flerta com fascismo e ausência das agremiações é a raiz para os confrontos ocorridos em várias capitais; foto: Adriano Rima.

Manifestantes cravaram nas portas do Palácio Iguaçu, sede do governo do Paraná, os motivos das manifestações em todo o país; a onda de protesto vai além do preço da tarifa de ônibus, mas a velha mídia ou é incompetente para interpretar ou age com má-fé, disputando o rumo do movimento com os partidos políticos; eu, particularmente, acredito na segunda hipótese; campanha contra as legendas flerta com fascismo e ausência das agremiações é a raiz para os confrontos ocorridos em várias capitais; foto: Adriano Rima.

Tomo a foto acima, feita por Adriano Rima, como ponto de partida para tentar explicar a onda de protestos em todo o país: Não é por 20 centavos, é por direitos!, diz um dos recados deixado pelos manifestantes ontem à  noite na porta do Palácio Iguaçu, sede do governo do Paraná, minutos antes do confronto com o Batalhão de Choque. Leia mais