Richa insiste pagar R$ 3 bilhões pela privatização de 171 serviços essenciais no Paraná

Cássio Taniguchi foi guru ideológico dos ex-governadores José Roberto Arruda (DF) e Jaime Lerner, agora "ilumina" a gestão neoliberal de Beto Richa (PSDB).

Cássio Taniguchi foi guru ideológico dos ex-governadores José Roberto Arruda (DF) e Jaime Lerner, agora “ilumina” a gestão neoliberal de Beto Richa (PSDB).

Isso mesmo, caro leitor. Você não leu errado. Privataria tucana é assim mesmo. Pretende-se pagar até mesmo para privatizar. No caso do Paraná, o governador Beto Richa (PSDB) quer torrar R$ 3 bilhões do erário, nos próximos 25 anos, para que empresas privadas administrem 171 serviços públicos essenciais.

Se a privatização convencional já era ruim — no “clássico” modelo neoliberal da era FHC –, onde o Estado fingia receber (pelo menos fingia) pelos ativos, imagine agora que os tucanos nem disfarçam mais para dilapidar o patrimônio imaterial público? Pagar-se-á por serviços que, muito provavelmente, estarão disponíveis somente na internet gratuitamente daqui uns dois ou três anos.

O deputado estadual Tadeu Veneri (PT), líder da oposição, que ontem (6) havia classificado o “Projeto Tudo Aqui” como “corrupção pura”, nesta terça-feira (7), depois de audiência pública no Plenarinho da Assembleia Legislativa, saiu com a seguinte convicção: “à‰ uma fraude”.

“Corrupção pura e fraude”. Eis a síntese da megaprivatização tucana no Paraná. E o Mistério Púbico e a Justiça, o que fazem? Dormem?

O projeto foi feito com base em dados superestimados em relação à  demanda real dos serviços. à‰ uma fraude. A população vai pagar quase R$ 3 bilhões por algo que não irá receber!, denunciou Veneri, durante a audiência pública, convocada pela liderança do governo na Assembleia Legislativa, que teve a participação do coordenador do projeto, o secretário do Planejamento, Cássio Taniguchi.

Assista ao pronunciamento de Tadeu Veneri:

Comentários encerrados.