Jornais paranaenses questionam capacidade de gestão do tucano Beto Richa

Mesmo com tarifaços e arrecadação maior, o governo de Beto Richa patina no "xoque de jestão"; secretário da Fazenda, Luiz Carlos Hauly, culpa professores, policiais e aposentados pela situação crítica nas finanças; incompetência tucana ou conjuntura desfavorável? Sob Dilma Rousseff, o país vive o pleno emprego e "boom" econômico em várias áreas; pergunta que não quer calar: se reeleito, o segundo mandato do governador seria melhor ou pior do que esta gestão?

Mesmo com tarifaços e arrecadação maior, o governo de Beto Richa patina no “xoque de jestão”; secretário da Fazenda, Luiz Carlos Hauly, culpa professores, policiais e aposentados pela situação crítica nas finanças; incompetência tucana ou conjuntura desfavorável? Sob Dilma Rousseff, o país vive o pleno emprego e “boom” econômico em várias áreas; pergunta que não quer calar: se reeleito, o segundo mandato do governador seria melhor ou pior do que esta gestão?

Considerado uma espécie de xerox do senador mineiro Aécio Neves, o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), foi alvo nesta segunda-feira (27) de severas críticas de jornais que questionam a capacidade de gestão de seu governo na área das finanças.

O jornal Gazeta do Povo, por exemplo, aponta que o governo do PSDB gastou R$ 10,2 bilhões em funcionalismo público somente no ano passado. O valor é o maior dos últimos dez anos, o que deixou o estado acima do limite prudencial estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

O secretário de Fazenda, Luiz Carlos Hauly, põe a culpa da péssima situação financeira nos professores, policiais, aposentados e novas contratações.

Houve uma avalanche enorme de aposentadorias, novas contratações, aumento do salário de professores e policiais e ainda a implementação da defensoria pública!, afirmou Hauly ao repórter Karlos Kohlbach, da Gazeta do Povo.

O duvidoso “Xoque de Jestão” tucano também foi abordado pelo Jornal do Estado. Citando números do Sistema Integrado de Acompanhamento Financeiro (SIAFI) da Secretaria de Estado da Fazenda, o repórter Ivan Santos registra que entre janeiro e abril deste ano, a receita aumentou 13,79%, enquanto as despesas se elevaram em 20,6%.

Os tarifaços do Detran, Sanepar, Copel e aumentos de impostos como ICMS não estão sendo suficientes para fazer frente aos gastos do governo tucano.

O governo de Beto Richa tenta atribuir os fracassos de seu xoque de jestão! ao governo federal, embora o Paraná seja beneficiário direto do boom! econômico e do pleno emprego no país.

Mesmo com toda essa incapacidade gerencial, o tucano quer tentar a reeleição em 2014. à‰ mole?

Comentários encerrados.