“Fruet está perdendo a batalha da comunicação para Richa”, avaliam prefeitos da região metropolitana

Segundo prefeitos da região metropolitana, Fruet vai perdendo batalha da comunicação para Richa; na malandragem, ainda de acordo com os mesmos prefeitos, o tucano está conseguindo dar a volta por cima na questão do subsídio; antes de embarcar para o Velho Continente, o governador deverá anunciar subsídio de R$ 32 milhões à  Rede Integrada de Transporte.

Segundo prefeitos da região metropolitana, Fruet vai perdendo batalha da comunicação para Richa; na malandragem, ainda de acordo com os mesmos prefeitos, o tucano está conseguindo dar a volta por cima na questão do subsídio; antes de embarcar para o Velho Continente, o governador deverá anunciar subsídio de R$ 32 milhões à  Rede Integrada de Transporte.

A observação acima é de um grupo de prefeitos da região metropolitana, que esta semana avaliou para o blog o possível desfecho do imbróglio acerca do subsídio à  tarifa única do ônibus nos 13 municípios que compõem a RIT.

A prefeitura de Ponta Grossa, região dos Campos Gerais, informa que vai reduzir a tarifa de ônibus em R$ 0,10. Cairá de R$ 2,60 para R$ 2,50. à“tima notícia para os usuários do sistema de transporte coletivo.

Outros municípios como Cascavel, Londrina, Foz do Iguaçu, etc., também poderão derrubar os preços das passagens. Essas reduções poderão ser possíveis graças à  isenção do ICMS no óleo diesel, cuja lei foi sancionada esta semana pelo governador Beto Richa (PSDB) ao barulho de bumbos e tambores.

Curitiba ficará de fora dessa onda de redução na tarifa. Somente a capital e a região metropolitana. Por quê? Ora, porque o mesmo Richa que hoje posa de “bonzinho” para o interior foi “malzinho” quando deu início à  quebra da Rede Integrada do Transporte (RIT), ainda vice-prefeito, ao reduzir a tarifa para eleger-se prefeito pela primeira vez em 2004.

Em 2012, com o intuito de reeleger seu pupilo Luciano Ducci (PSB), aprofundou a crise ao conceder um subsídio — e não aumentar a tarifa. Agora o furo no caixa beira os R$ 70 milhões anuais. A tarifa única na região metropolitana de Curitiba depende desse valor para continuar existindo.

Antes de partir em viagem internacional, neste final de semana, o governador deverá anunciar R$ 32 milhões de subsídio (quase metade). Outra metade deverá cair sobre o colo do prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), que ensaia liderar o contraponto a Richa.

O diabo é que, nessa guerra política, como dizem os prefeitos da RIT, o governador vai vencendo a batalha da comunicação e revertendo a situação que era desfavorável quando veio à  tona a ideia de cortar o subsídio.

Se antes os eleitores da Grande Curitiba viam o tucano como vilão, agora começam vê-lo como a salvação da lavoura. à‰ mole?

Comentários encerrados.