Em clima de festa, “radical chique” do PT assume prefeitura de Curitiba

A primeira agenda oficial da prefeita interina, Mirian Gonçalves, foi com a ministra Gleisi Hoffmann. Foto: Jader Rocha.

A primeira agenda oficial da prefeita interina, Mirian Gonçalves, foi com a ministra Gleisi Hoffmann. Foto: Jader Rocha.

Em concorrida cerimônia de transmissão de cargo, nesta tarde, a advogada Mirian Gonçalves entrou na histórica ao ser a primeira mulher a assumir a prefeitura de Curitiba. Ela também foi a responsável por levar o PT à  primeira cadeira da capital.

A vice assumiu a prefeitura das mãos do prefeito Gustavo Fruet (PDT) pelo período de dez dias, enquanto ele estiver em viagem internacional. O pedetista embarca ainda esta noite para o Japão e retornará no próximo dia 27.

à‰ um ato simbólico, mas que marca um momento bonito da história de Curitiba. à‰ a primeira vez, em 320 anos, que uma mulher assume, de direito e de fato, os destinos e a direção da capital do Paraná!, disse Fruet.

Mirian considera que sua chegada ao comando do executivo municipal advém das lutas de inúmeras mulheres e da demonstração de força, resistência e capacidade de governo.

Temos hoje a presidenta Dilma que nos mostra que podemos chegar longe e que temos competência para tanto. Este é um momento histórico para Curitiba e simboliza uma conquista para todas nós!, argumenta.

Várias lideranças partidárias, deputados estaduais e federais, vereadores, secretários municipais, prefeitos da região metropolitana e do interior do Paraná prestigiaram o evento.

Logo após a transmissão de cargo, Mirian Gonçalves cumpriu a primeira agenda como prefeita interina de Curitiba: recebeu no gabinete a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann.

Fico muito feliz de ver a Mirian como a primeira mulher à  frente da Prefeitura de Curitiba. à‰ um momento histórico. Desejo-lhe muito sucesso nesse período como prefeita, com muita serenidade para fortalecer o trabalho que já está sendo realizado em Curitiba por ela e pelo prefeito Gustavo Fruet!, disse a ministra.

Com informações da Agência Municipal de Notícias.

13 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Isso se chama trafico de influência, não deu a gente cria, a gente indica, a gente nomea.

  2. Realmente: A Mirian não era a candidata da Gleisi que queria a Roseli Isidoro que foi rejeitada dentro do PT e também pela população curitibana. Só Gleisi, Paulo Bernardo e Vanhoni não perceberam isso e impuseram que Gustavo Fruet criasse a Secretaria da Mulher prá dar guarida pra sua apaniguada. Se cuidem para não queimarem o capital politico acumulado. A Roseli adora demonstrar força e poder e quando contrariada, atira prá tudo quanto é lado e a rejeição pode aumentar e muito

  3. Sempre votei no PT., para presidente Lula e Dilma, mais estou desiludido com esse partido que esta se tornando muito eletizado além de estar privatizando tudo.

  4. Gleisi essa não é a Roseli, essa a Mirian, aquela que vc esnobou lembra. Essa politica de gabinete é uma merda

  5. radical kkkkkkkkkkkkkkkkkk

  6. ahaaaaaaaaaaaaaam Gleisi qdo a Miriam disputava no PT pra ser a candidata fez de tudo pra que a Miriam não fosse a escolhida. Gleisi no PT disse a Miriam: Miriam ainda não chegou a sua vez. hahahahah agora olha a falsidaaaaaaaade

  7. Vice prefeita de Curitiba ladeada pela futura governadora do Paraná a partir de 2015.

    • Vai esperando sentado, a narizinho arrebitado vai levar um pé na bunda dos paranaenses. O Paraná não é depósito deste lixo Petista e vai mandar a Esposinha do Ministro das DEScomunicações ficar longe do Estado. E em tempo, VICE nÃo manda nada, é mero espectador.

      • Quem já está levando um pé no traseiro dos paranaenses é o teu patrão passeador, cada enquete nova ele fica em último e mês a mês a aprovação dele despenca. O único vice do Brasil que não pita nada é de vocês, esse passa despercebido, esse sim é o tal do zero a esquerda, parece que não tem boca pra nada.