Em artigo, líder de Richa mira em Dilma, mas… Será que Traiano não quer acertar em àlvaro Dias?

Traiano, líder do governo Richa na Assembleia, abandona discussões sobre o Paraná e começa discutir o governo Dilma; estaria ele de olho na cadeira de àlvaro ou na Câmara? Vem aí a noite das facas longas no ninho tucano?

Traiano, líder do governo Richa na Assembleia, abandona discussões sobre o Paraná e começa discutir o governo Dilma; estaria ele de olho na cadeira de àlvaro ou na Câmara? Vem aí a noite das facas longas no ninho tucano?

O senador àlvaro Dias, o Senhor CPI, que coloque suas barbas de molho. Querem lhe passar a perna no ninho. Acho que o deputado estadual, Ademar Traiano (PSDB), líder do governo Beto Richa (PSDB) na Assembleia Legislativa do Paraná, quer o lugar do ex-líder do PSDB no Senado. Só pode. Nem àlvaro possui tamanha retórica neoliberal, anti-Dilma e anti-PT, como desenvolveu Traiano. O discurso do líder tucano não coaduna com a liderança de Richa, perdoe-me pela sinceridade, caro leitor. Nenhuma palavra sobre o “Privatiza Tudo”; tarifaço do Detran; promessas não cumpridas com servidores estaduais; transformação de professores em boias-frias; enfim, nada sobre a triste realidade do Paraná. Essa conversa de discussão nacional, engatada pelo líder de Richa, na verdade, ou é pré-campanha ao Senado ou à  Câmara (nesse caso, se cuide Valdir Rossoni, presidente do PSDB e da Assembleia). Nem vou entrar no mérito do assunto, pois se trata de mera panfletagem conservadora. A seguir, leia a íntegra do artigo “Propaganda enganosa” de Ademar Traiano:

Propaganda enganosa

*por Ademar Traiano

Se existisse Procon na política, o PT seria denunciado por propaganda enganosa e poderia ser impedido de funcionar pela prática repetida de crimes contra o consumidor. O PT é aquele partido que chegou ao poder em 2002 empunhando a bandeira da ética na política e entregou, em 2005, o escândalo do mensalão.

Os crimes do mensalão foram julgados em 2012 e o PT se tornou o primeiro partido brasileiro a ter atestado – passado pelo Supremo Tribunal Federal – de formação de uma quadrilha de malfeitores dentro do Palácio do Planalto. A contribuição do PT a política foi uma ousada e aloprada tentativa de fazer a Revolução pela corrupção.

O PT é o partido que acusou (e acusa) os adversários de tramarem contra as empresas públicas e conseguiu !“ em uma década – transformar a Petrobras, a maior e mais importante empresa brasileira, em uma empresa à  beira do colapso, vergada pelo empreguismo, pelo aparelhamento político e pela incompetência. A Petrobras é hoje a mais desvalorizada, a que tem a menor rentabilidade e a mais endividada entre as 10 maiores companhias de petróleo do mundo.

Outro caso flagrante de propaganda enganosa é a própria presidente Dilma Rousseff. Dilma foi vendida ao eleitor, na campanha de 2010, como uma incomparável gerente. Dois anos depois, o Brasil assiste a um apagão gerencial. As obras não andam, o PAC empacou, o PIB é ridículo, a inflação não para de subir e o governo não tem rumo. A única coisa que cresce no Brasil – na esteira da obsessão com a reeleição – é o número de ministérios. Com Dilma o governo chegou a 39 ministérios para distribuir e mercadejar com aliados políticos. Um recorde mundial.

O PT no poder representa um caso radical de marketing conduzindo a política de governo. Sem medo de ser feliz e sem qualquer receio do ridículo. O anúncio do fim da miséria no Brasil feito pela presidente Dilma Rousseff, através de uma gigantesca campanha publicitária, é uma peça de propaganda feita à  custa da miséria alheia. A se acreditar no PT, a partir de R$ 70,00 mensais o cidadão deixa de ser miserável. Com os R$ 71,00, que o governo do PT considera suficientes para tirar um cidadão da miséria, é possível comer por dia 2/3 de uma banana, 1/2 tomate, 21 gramas de carne moída, 17 gramas de feijão e 54 gramas de farinha de mandioca.

O ridículo ronda sempre o PT. Um governo que decreta o fim da miséria, proclamando ter redimido o país da pobreza e assiste a divulgação, pela ONU, de um àndice de Desenvolvimento Humano onde ocupamos o 85!º lugar. Levamos uma tunda da Líbia (colocada em 64!º). Somos massacrados pelo Chile (40!º), levamos uma goleada da Argentina (45!º). Perdemos até para o glorioso país Cazaquistão (69!º).

Para um partido que tanto se vangloria de ter ajudado os pobres o PT cometeu o pecado supremo contra os menos favorecidos ao trazer de volta a inflação. Um monstro que é especialmente cruel com os desfavorecidos. Derrotar a inflação foi uma luta de décadas de todos os brasileiros. A batalha foi vencida sob o comando do PSDB, na década de 90. O PT, com uma combinação perversa de imprudência e incompetência, está trazendo esse terror de volta.

O Brasil que queremos pode ser bem melhor que isso que está aí. A existência de regras estáveis, de segurança jurídica e de racionalidade pode, e deve, assumir o lugar da ideologia na tomada de decisões econômicas, políticas e diplomáticas. Os adversários políticos não precisam ser tratados como inimigos a serem exterminados.

A falta absoluta de noção faz o PT proclamar que o Brasil começou em 2003 e antes disso vivíamos nas trevas. Ações sociais que foram copiadas, ampliadas e renomeadas, são vendidas como se a redenção do país tivesse começado nesse suposto marco zero. O grande, senão o único, feito do PT foi ter dado continuidade e ampliado programas sociais iniciados pelo PSDB.

Os programas sociais precisam continuar. Mas não devem ser um fim em si e nem devem mirar a transformação de grandes setores da sociedade brasileira em clientela política de um partido. A proteção social aos mais vulneráveis deve ser um estágio a ser vencido no processo da emancipação real dos cidadãos. O Brasil não começou em 2003 e tem um longo caminho pela frente. Deixar para trás o PT e seus equívocos e delinquências será o primeiro passo para esse amanhã.

*Ademar Traiano é deputado estadual pelo PSDB do Paraná e líder do governo na Assembleia

12 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Nossa um dia entrei no site desse tralhano, meu Deus, só tem besteira e mais besteira escrita…Tenho dó de quem vota em um homem desses…

  2. O TRAIANO DEVERIA FALAR DO PROGRAMA ‘ TUDO AQUI PARANÁ ‘ , COMO PÓDE UMA PESSOA GOVERNAR O ESTADO POR 4 ANOS E COMPROMETER O ESTADO EM 3 BILHÕES, PARCELADOS MENSALMENTE EM 990 MILHÕES, POR 25 ANOS RENOVÁVEIS POR MAIS 25. ISTO VAI SER PIOR QUE O PEDÁGIO, CONTRATADO PELO PAI POLÍTICO DO BETO, O JAYME LERNER QUE TAMBÉM FOI O RESPONSÁVEL PELA DOAÇÃO DO BANESTADO E QUE O ESTADO DO PARANÁ ESTÁ PAGANDO ATÉ HOJE. PRIVATIZAÇÃO É VENDER E RECEBER. COM ELES (PSBD) É O CONTRÁRIO, VENDER E AINDA PAGAR PARA QUE LEVEM O BEM OU O SERVIÇO. LEMBREM-SE QUE O REQUIÃO ENTROU COM MAIS 200 PROCESSOS CONTRA O PEDÁGIO E JUSTIÇA SEMPRE JOGOU A FAVOR DAS CONCESSIONÁRIAS. O D.E.R DO REQUIÃO NUNCA AUTORIZOU OS AUMENTOS DE TARIFA, JÁ O D.E.R DO RICHA SENTOU NO COLO DOS CONCESSIONÁRIOS.

  3. 3-TRAIRA.

  4. Falou tudo o que eu e milhares de brasileiros queríamos falar desse governo incomPTente…

  5. O traiano só fala mal de quem fez,e nem pode falar bem do Beto porque nunca fez nada.

  6. Esse falando e uma vaca cagando da na mesma!!!!!!!!!!

  7. Esmael. Como no tempo dos dinossauros, o Traiano é o ratinho que colocou a cabeça fora da toca e o Alvaro é o Tiranorex que o engole com apenas uma bocada. Imagine o Traiano competindo com o Alvaro para a candidatura a Senador. Quem perde? Quero ver se você é um cara inteligente. Tem um minuto para pensar………………………………………Se respondeu Beto Richa acertou. Coitado do Traiano. Imagine o Beto candidato à reeleição e o Traiano candidato ao Senado. Perdem os dois. Qualquer poste será eleito Senador.

  8. Tudo bem que o Rossoni é grotesco,mas esse trai ano parece que anda com uma mascara por cima da fuça.
    Não dá prá acreditar que o distinto patético quer dar voos mais altos.
    Essa turma do BETO RICHA veio de encomenda mesmo.

  9. Traiano não passa de um oligarca reacionário.

  10. Economia
    Ja que o Traiano cutucou a onça com vara curta, la vai:

    Salário Mínimo ““ o salário mínimo passou de R$ 200,0 em 2002 para R$ 510,0 em 2010. Na comparação com o dólar, passou de US$ 81,0 para US$ 288,0 no mesmo período. O poder de compra do mínimo subiu de 1,4 cestas básicas em jan/03, para 2,4 cestas básicas em jul/10.
    Emprego Formal ““ o Governo Lula gerou 14,7 milhões de empregos (jan/03 a set/10), enquanto o Governo FHC (1995 a 2002) criou apenas 5,0 milhões de empregos. Pela primeira vez, o Brasil tem mais empregos formais do que informais.
    Taxa de desemprego ““ em 2002, a taxa de desemprego era 9,2%. Em set/10, chegou a 6,2%, a menor taxa desde o início da medição pelo IBGE.
    Inflação ““ a inflação baixou de 12,53% a.a., em 2002, para 4,31% a.a. em 2009.
    Exportações ““ subiram de US$ 60,3 bilhões, em 2002, para US$ 152,9 em 2009.
    Reservas internacionais ““ passaram de US$ 38,0 bilhões em 2002 para US$ 275,0 bilhões em 2010.
    Dívida com o FMI ““ FHC entregou o governo com uma dívida acumulada de US$ 20,8 bilhões, em 2002. O Governo Lula quitou toda a dívida em 2005, e, hoje, é credor externo, tendo emprestado US$ 10,0 bilhões ao FMI em 2009.
    Investimento Público (Governo Federal e estatais) ““ a taxa de investimento passou de 1,4% do PIB em 2003, para 3,2% do PIB (abr/10).
    Risco Brasil ““ teve pico de 1.439 pontos base em 2002. Com o Governo Lula, chegou a 206 pontos em set/10.
    Dívida pública líquida ““ a razão da dívida pública sobre o PIB estava em 60,6% em 2002, último ano do Governo FHC. Com o Governo Lula, esta razão caiu para 41,4%.

    Agricultura
    Safra de grãos ““ em 2002, foram colhidas 97,7 milhões de toneladas de grãos. Já em 2010, são 148 milhões de toneladas ““ a maior safra da história.
    Pronaf ““ o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar destinou, na safra 2002/2003, R$ 2,4 bilhões para os pequenos produtores brasileiros. Na safra 2010/2011, esse valor subiu para R$ 16,0 bilhões.
    Programa de Aquisição de Alimentos ““ com o programa, o Estado compra diretamente a produção de 92.642 pequenos agricultores brasileiros, dando segurança à agricultura familiar. O programa não existia no Governo FHC.
    Eletrificação Rural ““ o Programa Luz no Campo, de FHC e Serra, realizou 290,7 mil ligações de energia elétrica no campo brasileiro. Já o Luz Para Todos, de Lula e Dilma, já acumula 2,5 milhões de ligações.
    Reforma agrária ““ no Governo Lula, foram incorporados 46,7 milhões de hectares no Programa de Reforma Agrária, beneficiando 574.609 famílias, com a criação de 3.348 assentamentos. Até então, havia pouco mais de 330 mil famílias assentadas.

    Desenvolvimento Social
    Estrutura social ““ em 2002, 44,7% da população brasileira era pobre, ou seja, tinha renda per capita mensal de até meio salário mínimo. Em 2009, somente 29,7% da população era considerada pobre. Isso significa que 27,9 milhões de pessoas superaram a pobreza entre 2003 e 2009. E 35,7 milhões de pessoas ascenderam às classes AB e C. Pela primeira vez na história, a classe média é maioria no país.
    Desigualdade de renda ““ o Índice de Gini, que mede a desigualdade de renda, caiu de 0,587, em 2002, para 0,539 em 2009. Quanto mais próximo de 1,0, mais desigualdade, quanto mais próximo de zero, menos desigualdade.
    Índice de Desenvolvimento Humano ““ subiu de 0,790 para 0,813 em 2009. Quanto mais próximo de 1,0, melhor a qualidade de vida da população.
    Programas de transferência de renda ““ a soma de todos os programas de transferência de renda do Governo FHC no ano de 2002 é de R$ 2,3 bilhões. O Bolsa Família, em 2010, soma recursos de R$ 14,7 bilhões.
    Benefício de Prestação Continuada (BPC) ““ o BPC, que atende idosos e pessoas com deficiência, chegava a apenas 1,6 milhão de pessoas em 2002, com recursos de R$ 3,4 bilhões. Hoje, o programa possui mais de 3,3 milhões de beneficiários, com recursos de R$ 20,1 bilhões.
    Equipamentos sociais ““ já são quase 7 mil Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), que são a porta de entrada do Sistema Único de Assistência Social, criado pelo Governo Lula. No Governo FHC, não havia CRAS nenhum.
    Restaurante popular ““ não existia nenhum restaurante popular no Governo FHC. Com Lula e Dilma, 89 já estão em funcionamento.
    Liderança mundial no combate à fome ““ o Brasil ficou no topo do ranking dos países em desenvolvimento na luta contra a fome, elaborado pela ONG Action Aid, pelo 2º ano consecutivo.

    Saúde
    Desnutrição infantil ¬”“ caiu 61%, passando de 12,5% em 2003, para 4,8% em 2008.
    Taxa de mortalidade infantil ““ caiu de 24,3 mortes por mil nascidos vivos em 2002, para 19,3 por mil em 2007.
    Saúde da Família ““ em 2002, 4.163 municípios eram atendidos por 16.734 equipes. Já em 2010, 5.275 municípios são atendidos por 31.500 equipes.
    Agentes comunitários de saúde ““ eram 175.463 agentes em 5.076 municípios em 2002. Hoje, são 243.022 agentes em 5.364 municípios.
    Equipes de saúde bucal ““ eram 4.261 em 2002. Hoje, são 20.103 equipes de saúde bucal, que cobrem quase metade da população brasileira.
    Serviços de reabilitação ““ os recursos do Ministério da Saúde destinados ao atendimento de pessoas com deficiência saltou de R$ 129,6 milhões em 2002, para R$ 538,4 milhões em 2009.
    SAMU 192 ““ Hoje, 1.437 municípios são atendidos pelo SAMU, que não existia antes do Governo Lula. São 1.956 ambulâncias que correm o Brasil atendendo casos de urgência.
    Assistência farmacêutica ““ os recursos do Ministério da Saúde destinados para a distribuição de medicamentos no SUS passou de R$ 660,16 milhões em 2002 para R$ 2,36 bilhões em 2010.

    Educação
    Analfabetismo ““ a taxa de analfabetismo no Brasil caiu de 11,9% da população, em 2002, para 9,6% em 2009.
    Ensino Técnico ““ o número de escolas técnicas cresceu 2 vezes e meia com o Governo Lula. Até o final de 2010, estarão funcionando 214 novas escolas. Serra e FHC só fizeram 11 escolas.
    Prouni ““ com o Prouni, 748,7 mil jovens de baixa renda receberam bolsas de estudos para entrar no ensino superior. Com FHC e Serra, o Prouni não existia.
    Universidades Federais ““ Lula e Dilma criaram 15 novas universidades e, até o final de 2010, terão inaugurado 124 novos campi, a maioria pelo interior do país. Serra e FHC só criaram 1 universidade, em função da criação do Estado de Tocantins.
    Matrículas no ensino superior ““ o número de matrículas no ensino superior cresceu 63% entre 2003 e 2009, passando de 3,94 milhões para 6,44 milhões.
    Educação especial ““ o número de salas de aula com recursos multifuncionais para atender alunos com deficiência passou de 250 em 2005 para 10.000 em 2009.
    Orçamento do MEC ““ o orçamento total do MEC no Governo FHC (1995-2002) foi de R$ 214,8 bilhões. Já no Governo Lula (2002-2010), os recursos destinados ao Ministério somam R$ 317,2 bilhões.
    Alunos inscritos no ENEM ““ no Governo FHC, 4,35 milhões de estudantes prestaram a prova do ENEM. Com o Governo Lula, a prova passou a ser utilizada como porta de entrada do Prouni e das Universidades Federais. Com isso, o número de estudantes que fizeram a prova foi para 21,93 milhões (2003-2009).
    Alimentação escolar ““ o número de estudantes que recebem alimentação na escola saltou de 36,9 milhões, em 2002, para 47,0 milhões em 2009.

    Segurança Pública
    Investimentos federais ““ os recursos destinados para a Segurança Pública pelo Governo Federal eram de R$ 906,9 milhões em 2002, último ano do Governo FHC. Em 2010, último ano do Governo Lula, serão mais de R$ 3,3 bilhões.

    http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2010/10/25/fhc-e-um-fracasso-comparacao-com-o-lula-e-de-dar-pena/

  11. E a gorda propaganda enganosa chamado Tudo Aqui Paraná? Isso o líder do Richa não abre a boca pra falar, no negocio lucrativo que a tucanada quer implantar no Paraná. Não explica porque morre de medo de se instalar CPI do pedágio na Assembleia.