Deputado pedirá à  prefeita interina Mirian Gonçalves que reduza tarifa de ônibus para R$ 2,80

Publicado em 17 maio, 2013
Compartilhe agora!

O deputado-radialista Luiz Carlos Martins levará na semana que vem proposta à  prefeita interina, Mirian Gonçalves, para reduzir a tarifa de ônibus; em 2004, Richa baixou o preço da passagem durante viagem internacional de Taniguchi, e, por isso, elegeu-se prefeito; será que a petista reduzirá a tarifa para R$ 2,80 como pede o parlamentar do PSD? Sim ou não?
O deputado-radialista Luiz Carlos Martins levará na semana que vem proposta à  prefeita interina, Mirian Gonçalves, para reduzir a tarifa de ônibus; em 2004, Richa baixou o preço da passagem durante viagem internacional de Taniguchi, e, por isso, elegeu-se prefeito; será que a petista reduzirá a tarifa para R$ 2,80 como pede o parlamentar do PSD? Sim ou não?
“5 centavos”. Esse é o título de um explosivo artigo de opinião do deputado estadual Luiz Carlos Martins (PSD) sobre o valor da tarifa de ônibus em Curitiba. O parlamentar, que é radialista popular na Rádio Banda B, da qual é proprietário, afirma que o preço de R$ 2,85 não tem “cheiro do povo”.

Martins adianta que levará um pedido de redução para R$ 2,80 à  prefeita interina Mirian Gonçalves (PT) na semana que vem. A este blogueiro, a petista adiantou (assista ao vídeo) que dará continuidade à  gestão de Gustavo Fruet (PDT).

Em 2004, o então vice-prefeito da capital Beto Richa (PSDB) aproveitou-se da interinidade, devido uma viagem internacional do prefeito Cássio Taniguchi (DEM), para revogar aumento na tarifa do ônibus. A redução garantiu a eleição do tucano naquela disputa que tinha 12 candidatos.

“Não quero comparar a Mirian com o Beto, até porque um é tucano e outro petista, mas a minha proposta de redução é para facilitar a vida dos cobradores e dos usuários do transporte coletivo. Não existem moedinhas de cinco centavos na praça”, afirmou Luiz Carlos Martins, que levará o pedido à  prefeita interina entre terça e quarta-feira.

A passagem de ônibus custava R$ 2,60, mas em março passado Fruet autorizou reajuste de 9,6% e a domingueira sofreu aumento de 50%.

A seguir, publico a íntegra do artigo do deputado:

5 centavos

por Luiz Carlos Martins*

O trabalhador não precisava passar por mais essa. Nem quem anda de ônibus e muito menos quem ganha a vida como cobrador. Só mesmo quem não sabe o que é embarcar todos os dias em um ônibus poderia tomar a decisão de fixar o preço da tarifa em Curitiba e Região Metropolitana em R$ 2,85. à‰ a típica decisão tomada dentro de gabinetes, sem o cheiro do povo!.

A reclamação é geral. O trabalhador dá R$ 3,00 e fica esperando o troco que, muitas vezes, não vem. As moedinhas de R$ 0,05, que já estavam desaparecidas, agora praticamente sumiram. Desprezadas nos fundos de uma gaveta, quase não circulam mais e, ainda assim, algum burocrata foi lá e fixou a passagem em R$ 2,85.

Decisões como a fixação do valor da tarifa não podem ser tomadas sem conversas com o povo, sem base na vida real. E antes que algum tecnocrata levante a mão para dizer que a maioria paga a passagem com o cartão-transporte, de novo, a realidade é outra. Dados da Urbs mostram que, em média, 50% das passagens da Rede Integrada de Transporte (RIT) são pagas com o cartão. Será que alguém tem coragem de desprezar cerca de 1,150 milhões de passageiros por dia? Como fica essa gente que, muitas vezes, volta para casa com dinheiro a menos no troco por causa da falta de moedas de R$ 0,05 em circulação? Como fica o estresse diário do cobrador que ouve insultos por algo que não tem culpa?

Planilhas de custos são importantes, mas nunca devem prevalecer sobre a vida real do trabalhador. Que a Urbs resolva isso sem criar mais uma forma de penalizar o trabalhador.

*Luiz Carlos Martins é radialista e apresentador do programa que leva seu nome na Rádio Banda B, em Curitiba. à‰ também deputado estadual pelo PSD.

Compartilhe agora!

Comments are closed.