Delúbio recorre ao STF e pede absolvição por formação de quadrilha

da Agência Brasil

Delúbio Soares.

Delúbio Soares.

Os advogados do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares entraram hoje (7) com novo recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) dentro da Ação Penal 470, o processo do mensalão. Por meio de embargos infringentes, a equipe do advogado Arnaldo Malheiros Filho pede a absolvição de seu cliente do crime de formação de quadrilha, que resultou em pena de dois anos e três meses de prisão.

Os embargos infringentes são um tipo de recurso previsto no Regimento Interno do STF. Ele permite novo julgamento quando houver pelo menos quatro votos pela absolvição. A admissão do recurso ainda será debatida pela Corte, pois muitos ministros acreditam que a ferramenta foi suprimida pela legislação comum. Antes de julgar esse recurso, a Corte ainda deverá analisar os embargos declaratórios, que tentam esclarecer pontos omissos ou contraditórios da decisão.

Ao todo, Delúbio foi condenado a oito anos e 11 meses de prisão e multa de mais de R$ 325 mil. Ele também foi considerado culpado do crime de corrupção ativa, que resultou em pena de seis anos e oito meses de prisão. A defesa não contesta essa condenação, concentrando esforços apenas na anulação da pena por quadrilha. Caso isso ocorra, Delúbio poderá cumprir pena em regime inicialmente semiaberto.

Os advogados retomam vários argumentos dos quatro ministros do STF que votaram pela absolvição do ex-tesoureiro do crime de formação de quadrilha: Ricardo Lewandowski, Antonio Dias Toffoli, Cármen Lúcia e Rosa Weber. Segundo esses ministros, não é possível confundir a coautoria na execução de delitos com a formação consciente de bando para cometer crimes.

A defesa afirma que, embora os réus ligados ao PT fossem próximos, em nenhum momento a acusação conseguiu provar que eles se uniram com os demais réus do núcleo financeiro a publicitário com o objetivo de atuar de forma criminosa.

O embargante já foi condenado, juntamente com outros có-reus, pelo crime de corrupção ativa. Dizer que, além disso, ele se aliou previamente a tais pessoas para a prática constante de delitos é falácia que não há de ser admitida pela mais alta Corte do país!, diz trecho do recurso.

A maior parte das 23 páginas do recurso é dedicada a convencer a Corte sobre a admissibilidade dos embargos infringentes. Segundo os advogados, a legislação comum não suprimiu a regra presente no Regimento Interno do STF. Eles alegam que a Corte nunca se preocupou em revogar a norma interna em mais de 20 anos de vigência da suposta lei modificativa.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. * SENDO Racista! Corrigindo

    • TeM UNS AMIGOS SEUS AI EM CURITIBA,INCLUSIVE UM JAPONEZ QUE SÃO BEM MAIS DELINQUENTE QUE ESTE AI NÉ CARA.

  2. Pela foto eu diria… Esse Marginal está rindo das pessoas honestas, que trabalham duro, ganham mal e pagam suas contas com sacrificio, é como estar rindo e pensando…POVO BRASILEIRO É BURRO MESMO. Tem que apodrecer na Cadeia, esse imbecil como todo os demais. Pena que a Lei no Brasil só vale para os 3 P’s ( Pobre, Puta e Preto) Sem querer ao falar preto, estar sem racista OK?

  3. Bandido tentando se fazer de bonzinho, mesmo caso do Zé Dirceu, alias, fazer caca e bancar o inocente parece ser coisa de PTista mesmo, não é Lula?

  4. Isso tá lembrando aquele filme, “CARANDIRÚ”. Lembro que os persongens do filme começavam a contar sua história, os caras matavam, roubavam, pintavam e bordavam; no final das contas eles se pintavam tudo como inocente, injustiçado, dava até pena dos coitados…