Assalariado com nível superior ganha em média 219% mais, diz IBGE

do G1

Dados do Cadastro Central de Empresas são referentes a 2011. Homens ainda ganham 25,7% mais que as mulheres.

Dados do Cadastro Central de Empresas são referentes a 2011.
Homens ainda ganham 25,7% mais que as mulheres.

Os assalariados com nível superior receberam em média, em 2011, 219% mais que os que não tinham essa formação, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a pesquisa, o salário médio do primeiro grupo foi de R$ 4.135,06 e o do pessoal sem nível superior, R$ 1.294,70.

Apesar da diferença, na comparação com 2010, os salários de quem não tem nível superior subiram mais: 2,1%, ante 0,6% do outro grupo, de aumento real (acima da inflação). A fatia dos trabalhadores com nível superior, por sua vez, cresceu 8,5%, para 17,1% do total de assalariados em 2011, frente a 16,5% no ano anterior.

Entidades privadas e administração pública
O Cadastro Central de Empresas (Cempre) analisou 5,1 milhões de organizações em 2011, que ocuparam 52,2 milhões de pessoas. Os salários e outras remunerações pagas totalizaram R$ 1,0 trilhão. O salário médio mensal foi de R$ 1.792,61, equivalente a 3,3 salários mínimos.

Segundo o estudo, as entidades empresariais, embora representassem 89,9% das organizações naquele ano, pagaram 63,4% do total dos salários e outras remunerações. Os salários mensais foram os mais baixos !“ em média, de R$ 1.592,19. Já a administração pública, com 0,45% das organizações, pagou os salários mais elevados, de R$ 2.478,21, em média.

Homens e mulheres

Na análise por gênero, o número de mulheres entre os assalariados cresceu 5,7%, enquanto o de homens teve alta de 4,7%. Eles, no entanto, ainda são maioria: 57,7% do total.

Eles também seguem ganhando mais. A média recebida pelos homens foi, em média, de R$ 1.962,97, 25,7% a mais do que a média recebida pelas mulheres, de R$ 1.561,12.

Municípios das capitais
Em 2011, os três municípios com maiores salários foram Brasília (6,3 salários mínimos), Florianópolis (4,8) e São Paulo (4,6).

De 2008 a 2011, no entanto, o maior aumento do salário médio mensal foi registrado em Palmas, de 33,2%. Em segundo lugar, aparecem Porto Velho, com 17,5%, seguido por Aracaju, com 17,4%, e São Luís, com 15,3%. O menor crescimento de salário foi visto em Brasília, de 0,8% no período analisado, segundo por Manaus (2,1%) e Macapá (2,2%).

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Esta pesquisa deve ter sido feita somente em órgãos públicos, estatais e algumas multinacionais, porque no resto é salário lixo. Têm dúvidas ? Pesquisem na Catho ou outras agências de empregos.

  2. Que o assalariado com nível superior ganha mais do que sem nível superior, já se sabe, geralmente é assim, mas existem exceções.
    Mas esse valor médio de R$ R$ 4.135,06 é questionável. Na verdade tem que se avaliar por área, porque o mercado remunera de acordo com os seus interesses.
    Mas temos aí uma grande conquista: “A fatia dos trabalhadores com nível superior, por sua vez, cresceu 8,5%, para 17,1% do total de assalariados em 2011”. Então a política da educação do estado, tem melhorado, claro que falta muito ainda. O que explica o salário de Florianópolis ser maior que o de Curitiba, já que temos uma economia bem mais dinâmica.

    O Esmael deveria divulgar os índices comparando o Paraná e Curitiba com os outros estados.

    • Corrigindo:

      O que explica o salário de Florianópolis ser maior que o de Curitiba, já que temos uma economia bem mais dinâmica?