30 de maio de 2013
por Esmael Morais
70 Comentários

Dilma compra 32 mil tablets para professores do PR, mas Richa anuncia como se fosse mais uma obra dele

Os tucanos Beto e Flávio Arns anunciam, no Paraná, 32 mil tablets a professores como se a compra fosse "obras deles"; a dupla omite que se trata de recursos do governo Dilma Rousseff; não é a primeira vez que o governo do PSDB tenta surfar nas realizações de terceiros; a mesma coisa ocorreu em relação ao PAC e ao desempenho do PIB paranaense, acima da média nacional.

Os tucanos Beto e Flávio Arns anunciam, no Paraná, 32 mil tablets a professores como se a compra fosse “obras deles”; a dupla omite que se trata de recursos do governo Dilma Rousseff; não é a primeira vez que o governo do PSDB tenta surfar nas realizações de terceiros; a mesma coisa ocorreu em relação ao PAC e ao desempenho do PIB paranaense, acima da média nacional.

Definitivamente, o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), não gosta de dar crédito a quem realmente trabalha. A observação é da professora Maria Alzira, do município de Almirante Tamandaré, região metropolitana de Curitiba. Corro o risco de ser repetitivo no discurso e, à s vezes, até parecer que já postei antes neste blog essa informação. Uma espécie de Déjà  vu na crônica política paranaense — o que transforma o tucano em motivo de chacota nacional. ... 

Leia mais

30 de maio de 2013
por Esmael Morais
28 Comentários

Reuters: Dilma vive hora da tempestade

por Jeferson Ribeiro, da Reuters, via Brasil 247A derrota do Planalto no Congresso na votação de duas medidas provisórias prioritárias para o governo nesta semana coroou o desgaste de uma relação que já dava sinais de fragilidade.

As reclamações de aliados da ampla base que apoia a presidente Dilma Rousseff não são novas, mas a não aprovação das Medidas Provisórias 605, que permitia o uso de recursos da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para garantir a redução da conta de luz, e a 601, que ampliava a desoneração da folha de pagamento de vários setores da economia, ratificaram a falta de articulação.

As dificuldades de relacionamento do Planalto com a base aliada pareciam ter chegado ao ápice durante a conturbada votação da MP dos Portos, no dia 16, quando o texto foi aprovado a horas de caducar, apesar dos reiterados apelos públicos da presidente em defesa da medida, apontada por ela como essencial para a competitividade do país.

Uma fonte do governo ouvida pela Reuters, avaliou que os problemas não são de agora e recorreu a analogia de uma tempestade para exemplificar a situação.

“Uma temp Leia mais