Sem coligações, PT e PMDB teriam 60 deputados a mais

do Brasil 247

O projeto de reforma política do deputado Henrique Fontana (PT-RS), que deve ser votado nesta semana na Câmara, prevê o fim das coligações partidárias nas eleições proporcionais, a realização de todas as eleições em uma única data e a alteração da data de posse de presidentes, prefeitos e governadores.

O projeto de reforma política do deputado Henrique Fontana (PT-RS), que deve ser votado nesta semana na Câmara, prevê o fim das coligações partidárias nas eleições proporcionais, a realização de todas as eleições em uma única data e a alteração da data de posse de presidentes, prefeitos e governadores.

A Câmara começa a debater nesta semana a questão das proibições das coligações para deputado. Segundo estimativa feita pelo Estadão, se elas estivessem proibidas na eleição de 2010, os maiores partidos seriam os mais beneficiados.

O PMDB e o PT teriam, cada um, 30 deputados a mais. Isso representaria um aumento de 38% e 35% no número de vagas peemedebistas e petistas, respectivamente.

O PSDB também levaria vantagem, com sete cadeiras a mais, assim como o PV, com ganho de uma vaga. Todos os demais perderiam, sendo que seis partidos nanicos seriam varridos do Congresso e do mercado do tempo de TV nas campanhas eleitorais.

Além do fim das coligações, o projeto de reforma política do deputado Henrique Fontana (PT-RS) prevê a realização de todas as eleições em uma única data, a alteração da data de posse de presidentes, prefeitos e governadores, e a facilitação da participação popular na proposição de projetos de lei e emendas constitucionais.

6 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O Parlamentarismo e o Voto Facultativo”… Em tempo, se o Parlamento Nacional encarnar o espírito e a vocação democrática do povo brasileiro, esta Casa Legislativa edita mensagem à emenda (PEC) de reforma política de autoria do deputado Henrique Fontana (PT-RS), instituindo o Parlamentarismo e o Voto Facultativo no Brasil.
    Cordialmente, Roque Alves.

  2. O que tinham que fazer era acabar com o Voto Obrigatório, para que a população sinta livre de escolher se vota ou não, e ai sim o voto seria valorizado. Sou a Favor do Voto Facultativo.

  3. É BOBAGEM UNIFICAR AS ELEIÇÕES, PORQUE É SEMPRE MELHOR PARA A DEMOCRACIA UM GOVERNO DE UMA ESFERA TER A OPORTUNIDADE DE SE RELACIONAR COM DOIS GOVERNOS DIFERENTES DAS OUTRAS ESFERAS EM UM ÚNICO MANDATO.
    QUEM QUERIA ELEIÇÃO TUDO EM UMA DATA ERA A DITADURA.

  4. Elles só pensam nelles, até parece que o Brasil é só delles, que tudo deve girar em torno delles, que todos os filés tem que ser apenas delles, que todos nós somos apenas burros de carga delles, e o resto que se vire nos trinta. Essas mudançinhas ainda são pífias e muito aquém das reais necessidades da Democracia de Verdade que, doravante, queremos para o no Brasilzão.

  5. Achei um projeto excelente, que seja aprovado sem emendas idiotas.

  6. O nosso sistema político hoje é uma aberração. Você vota num senador e elege um suplente, que nunca ouviu falar. Você vota num deputado, que pode não se eleger, mas o seu voto vai eleger outro da coligação que você jamais votaria. O voto de um eleitor do Sul-sudeste vale muito menos que o voto de um eleitor do norte. Enquanto não mudarem isso, o meu voto para deputado, senador e vereador, será sempre NULO.