Exclusivo: ‘Retrato’ desmonta mensalão do STF

do Brasil 247

Em primeiríssima mão, 247 divulga a reportagem de capa da próxima edição da revista Retrato do Brasil, de Raimundo Rodrigues Pereira; ele demonstra, com documentos, que os empréstimos bancários tomados pelo PT existiram (com os devidos registros) e que foi preciso um grande esforço retórico para transformar as fragilidades e falhas! no processo de controle dos recursos do Fundo de Incentivos Visanet pelo Banco do Brasil num clamoroso desvio de dinheiro público!; matéria afirma que Justiça no processo faz lembrar "tempos medievais" e que o chamado mensalão faz por merecer o apelido de mentirão; publicação estará nas bancas no próximo fim de semana; leia antes aqui.

Em primeiríssima mão, 247 divulga a reportagem de capa da próxima edição da revista Retrato do Brasil, de Raimundo Rodrigues Pereira; ele demonstra, com documentos, que os empréstimos bancários tomados pelo PT existiram (com os devidos registros) e que foi preciso um grande esforço retórico para transformar as fragilidades e falhas! no processo de controle dos recursos do Fundo de Incentivos Visanet pelo Banco do Brasil num clamoroso desvio de dinheiro público!; matéria afirma que Justiça no processo faz lembrar “tempos medievais” e que o chamado mensalão faz por merecer o apelido de mentirão; publicação estará nas bancas no próximo fim de semana; leia antes aqui.

O acórdão do julgamento do mensalão deve sair nesta semana, mas o mais controverso processo judicial dos últimos anos no Brasil segue com inúmeras questões a serem respondidas. No próximo fim de semana, chega à s bancas das princiais capitais do País edição da revista Retrato do Brasil que esmiúça a “construção do mensalão”, e a que você tem acesso em primeira mão no 247.

Leia, em primera mão, “A construção do mensalão”, da revista Retrato do Brasil

Na reportagem de capa, a publicação promete mostrar que o mensalão foi uma espécie de maldição aspergida pelo ex-deputado Roberto Jefferson sobre um esquema de financiamento eleitoral por meio do qual o partido do presidente Lula e de seu ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, distribuiu, entre 2003 e 2004, cerca de 56 milhões de reais para vários de seus filiados, para o marqueteiro de muitas de suas campanhas, Duda Mendonça, e para vários partidos da chamada base aliada!.

Entre os questionamentos apresentados pela revista está o fato de que os empréstimos do Banco Rural ao ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e aos dirigentes da empresa SMP&B, que levaram ex-executivos do banco e da agência à  condenação, “estavam perfeitamente contabilizados exatamente para confirmar sua existência e para cobrar do PT que os pagasse”, como destacam depoimentos dos ex-executivos do banco. Eram empréstimos, efetivamente. Esperávamos que o PT os pagasse. Se era dinheiro para corrupção, porque fazer e depois entregar à  polícia essa contabilidade minuciosa?!, questiona Ramon Hollerbach, ex-sócio da SMP&B, na reportagem.

Destacando que a Justiça no processo faz lembrar “tempos medievais”, a publicação comandada por Raimundo Rodrigues Pereira detalha ainda o caso Visanet, que, no processo, teria provado a existência de dinheiro público no suposto esquema. “Um dos segredos da Visanet nos lugares em que opera é colocar a serviço da venda de seus cartões !“ e, portanto, do aumento de seu faturamento !“ bancos rivais entre si, cada um interessado em emitir mais cartões que o outro, disputando cada espaço do mercado”, explica o texto, que exemplifica: “se havia, como de fato houve nesse período, um congresso de magistrados em Salvador e o BB queria fazer uma promoção no local, isso não deveria estar escrito num plano a ser discutido dentro da Visanet, onde estava o Bradesco, por exemplo, com mais ações que o BB na empresa e igualmente ávido para vender cartões Visa aos juízes, pessoas de alto poder aquisitivo”.

Visanet

A estratégia empresarial explica, segundo a revista, porque “as relações entre Visanet, bancos e agências de publicidade tinham de ser mais frouxas, para que o negócio funcionasse melhor”. “Os negócios foram feitos assim e o truque funcionou, especialmente para o BB, que se tornou, nos anos da gestão Pizzolato, líder no faturamento de cartões de crédito entre os bancos associados à  Visanet”, conta a Retrato do Brasil. “Os auditores foram procurar documentos onde esses documentos não estavam. Notas fiscais, faturas e recibos da agência DNA e de fornecedores que teriam feito para ela as ações de incentivo autorizadas pelo BB foram buscados no próprio BB, onde não estavam. Como quem procura acha, os auditores encontraram ‘fragilidades e falhas’: descobriram que, nos dois períodos até então (…), as ações com dinheiro do FIV [Fundo de Incentivos Visanet] alocado para o BB, com falta absoluta ou parcial de documentos nos arquivos do próprio BB, chegavam quase à  metade dos recursos despendidos”, lembra o texto.

“Ao procurarem os mesmos documentos na Visanet, os auditores os encontraram. Evidentemente, a grande mídia !“ cujos colunistas mais raivosos chamam os petistas de petralhas !“ divulgou apenas que os auditores tinham achado, nos arquivos do BB, ‘fragilidades e falhas’ que mostravam indícios de que os serviços da DNA para o BB poderiam não ter sido realizados. A transformação das ‘fragilidades e falhas’ no processo de controle dos recursos do Fundo de Incentivos Visanet pelo Banco do Brasil num clamoroso ‘desvio de dinheiro público’ não se deu por força de afirmações contidas nos frios relatórios da auditoria feita pelo banco nesse fundo. Essa metamorfose ocorreu após a denúncia do escândalo na Câmara dos Deputados, um local no qual o PT sofrera uma grande derrota no início de 2005, com a perda da presidência da Casa, cargo em que estava seu deputado João Paulo Cunha, um ex-metalúrgico, como o presidente Lula”, conta a revista.

Leia mais em a “A construção do mensalão”, da revista Retrato do Brasil

66 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Eu não tenho nada haver com isso, o blog não é meu…Mas eu fiquei curioso e comecei a ler um comentário, começou legal, mas foi ficando tão chato, tão chato, que resolvi medir ele na tela do computador, deu 61,5 cm na tela do meu computador, cerca de 24 polegadas. Na boa, uma crítica construtiva pra quem escreve, ningúém tem saco pra ler tanto na internet, no máximo uns 10 cm de comentário. O comentário não pode querer chamar mais a atenção que o artigo, o artigo ainda tem letra grande, espaçada, a gente ainda lê, mas comentário longo demais sem chance. Comentário é uma mensagem rápida, por isso tem até site que limita o número de caracter.

  2. JOAQUIM BARBOSA É O CARA, E SE DEUS QUISER ELE VAI COLOCAR ESSA CORJA DE LADROES TUDO NA CADEIA!!!!!!!!

  3. O MAURICIO PINA, cá entre nós, esse trechinho da música do Cazuza ai, atualmente cabe certinho para todos né. Não dá pra dizer que é para tucanos, dem, etc, afinal, acho que cabe para o ETC….
    As piscinas estão necessitando urgentemente muito “raticida” (TODAS).

    A sua piscina esta cheia de ratos
    a suas ideias não corresponde
    aos fatos.

  4. E esse julgamento, esse prazo de 5 dias, é suficiente para as defesas sim, afinal, todos os advogados e réus o conhecem profundamente e se fossem eficientes já teriam, e acredito que tenham, seus recursos prontos.
    E com certeza essa nova matéria dessa revistinha ai, só está mostrando um lado da moeda. Por favor.
    E outra coisa, o que “f” este país é o radicalismo. Se alguém pensa algo diferente do que pensamos, já rotulamos de todo quanto é nome. ……

  5. Ninguém está sendo imparcial nesta “M”. O grande problema é que cada um olha o rabo do outro. Ninguém admite erro no seu ninho. Tem uma cambada de ladrão sim, em todos os lados e sempre só o lado de lá que não presta. Botem a mão na consciência. Vamos fazer um jornalismo decente, sério, mas isso é impossível né, para todas as tendências, afinal, os veículos precisam de dinheiro para se manter, sejam de direita, esquerda, centro ou seja la qual nome se dá a esses posicionamentos. Vamos ser humildes e admitir que existem FDP em todos os lados, ladrões do dinheiro do povo, que fazem e fizeram com que pessoas morram nas filas dos postos de saúde, que a nossa educação foi e continua sendo uma merda.
    Meu Deus. Vou parar senão vou escrever mais merda…

  6. Para um Otário que usa seis nomes, mais que ao mesmo tempo e um grande Covarde que se esconde atras da tela do Pc, e não tem coragem de assinar seu próprio nome e sobrenome, fica fácil brigar, acusar, discriminar, escondido em seu ninho: Não conteste esse verme de seis nomes meus amigos Paulo e Marcelo, eles e outros são minorias, estão revoltados pertence aquela classe de pessoas que não sabe perder, sem falar que estão desesperado com a possibilidade da Tucanada ter que sair em revoada do Parana em 2014, pare de dar ouvido para essas lacraias, nós somos 80% dos Brasileiros que apoiamos o Lula a Dilma o Gustavo Fruet em Curitiba, eles são o RESTO PERDEDORES, deixa eles desabafarem, chorar faz bem.
    Um pedacinho da música do Cazuza para eles.

    A sua piscina esta cheia de ratos
    a suas ideias não corresponde
    aos fatos.

    Fiquem quietinhos na arquibancada, que agora somos nós que estamos jogando!

  7. FHC se reelegeu em 1998 com um discurso que pregava “ou eu ou o caos”. Segurou a quase paridade entre o real e o dólar até passar o pleito. Vencida a eleição, teve de desvalorizar a moeda. Há indícios de vazamento de informações do Banco Central. O deputado Aloizio Mercadante, do PT, divulgou lista com o nome dos 24 bancos que lucraram muito com a mudança cambial
    e outros quatro que registraram movimentação especulativa suspeita às vésperas do anúncio das medidas.

    1999. O caso Marka/FonteCindam: Durante a desvalorização do real, em janeiro de 1999, os bancos Marka e FonteCindam foram graciosamente socorridos pelo Banco Central com R$ 1,6 bilhão, sob o pretexto de que sua quebra criaria um “risco sistêmico” para a economia. Enquanto isso, faltava dinheiro para saúde, educação, desenvolvimento científico e tecnológico

  8. A lista de preguiçosos mentais no rol de comentaristas é considerável. A turma que se contenta em ler a manchete e não lê nem reflete sobre o conteúdo noticiado nos jornalões. Ouve a abertura da matéria pelo Bonner no jornal nacional (em minúsculas mesmo) da G-lobo e se dá por satisfeito. Entra alegremente nos coros condenatórios sem qualquer preocupação em analisar fatos e argumentos. O negócio é linchar.

    Será preciso lembrar casos de prejulgamento e condenação sumária feitos pela mídia monopolista, como, digamos, o da Escola Base? Só muito depois se apurou que os acusados eram inocentes. Aí já era… já tinham ferrado os inocentes, e ninguém, a começar da dona mídia monopolista moralista, tinha culpa do veredito condenatório antecipado, não é mesmo?

    Queria ver cada um dos comentaristas que aponta com firmeza e indignação seu dedo em riste ter um amigo ou parente, ou a si próprio, posto sob o alvo da polícia ou da justiça sem ter culpa alguma no cartório… Nessa hora, o ardor linchador e condenatório se esvai porque serão estes bocós os focos da perseguição injusta.

    Cada um dos comentaristas indignados linchadores merecia ser apanhado num processo em que fosse julgado com direito à defesa cerceado, diuturnamente detonado pelos grandes jornais e depois CONDENADO SEM PROVAS. Aí os senhores linchadores vão ver como é bom ter certos juízes que invertem o ônus da prova, aqueles juízes que acham que é o acusado que tem provar sua inocência e não o acusador mostrar provas…

  9. VERGONHA!
    Que vergonha! `Pensar que os aos 80, fui colaborador desta revista e fâ do Raimund Pereira. Agora ver ela em vez de condenar as práticas corruptas e corruptoras, tenta desconstruir as decisões do TST. Que não foram decisões do Ministro Joaquim Barbosa, mas do TST como um todo.

    Mas tem sempre quem quer ser mais realista que o rei. Assim tbém tem advogados, políticos e jornalistas querendo saber e entender mais de leis do que os ministros do TST.

    Agora já tentam desmonstar o Ministério Público, o mesmo MP que os hoje o govero tanto defediam no governo ateririor.

    Sorte que esta a outra (carta capital) tem poder de influencia e ersuação, de formação de opinião, diminuto.

  10. Perdão – pelo

  11. O mensalão foi um julgamento político. Ou seja, a ideologia reacionária dos juízes que decidiu o caso. Provas? Não existiam, qualquer rábula sabe disto. Claro, a canalha golpista neoudenista “tá se lixando para provas”. Vcs acham que eleitores do PSDB querem justiça? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!

    Vamos mudar o disco, que este mensalão não vingou, vide a eleição do Haddad em São Paulo.

    Canalha golpista, vamos procurar outro caminho que este gorou!!!!

  12. Os caras tiveram 7 anos para se defenderem e não conseguiram. Então tá, o mensalão não existiu, mas posso afirmar que Papai Noel existe, o coelho da Páscoa é real. O Sarney, o Renan, o Barbalho, o Collor e o Maluf são honestos (e claro, aliados do PT). Ah… e minha avó toca banjo.

    • E a emenda da reeleição do FHC não existiu? Mensalão tucano em 1998? Pimenta é bom no olho do vizinho apenas ne?

    • E aí Froide, Olho Vivo, Fala Sério – ta lembrado desse vídeo do Caixa 2? kkkkkkkkk, que vergonha, Brasil inteiro viu no Fantástico:
      https://www.youtube.com/watch?v=wACTxVBPL98

      • Vocês se defendem lembrando do Passado, Não olham seu erros, só procuram erros nos outros. Não admitem terem errado, e sempre atiram contra um Governante que saiu ha mais de 10 anos.

      • “O que o PT fez do ponto de vista eleitoral é o que é feito no Brasil sistematicamente”
        Luis Inácio Lula da Silva, em entrevista em Paris, em julho de 2005, reforçando a tese do PT de que o partido não comprou parlamentares, apenas fez caixa 2

        QUE TAL ESSA PAULO???

        • Isso é você quem está dizendo, hehe.

        • NÃo adianta, Eles não admitem nada, aprenderam bem com o chefe do mensalão que disse “Eu não sabia de Nada”.

          • Fala Sério, você não sabia que o teu ex-presidente letrado pagou propina de R$ 200.000,00 na emenda da reeleição? O passado condena os tucanos:
            “Mercado de Voto
            Deputado diz que vendeu seu voto a favor da reeleição por R$ 200 mil

            13/05/97
            Editoria: BRASIL
            Página: 1-6

            FERNANDO RODRIGUES
            da Sucursal de Brasília

            O deputado Ronivon Santiago (PFL-AC) vendeu o seu voto a favor da emenda da reeleição por R$ 200 mil, segundo relatou a um amigo. A conversa foi gravada e a Folha teve acesso à fita.
            Ronivon afirma que recebeu R$ 100 mil em dinheiro. O restante, outros R$ 100 mil, seriam pagos por uma empreiteira -a CM, que tinha pagamentos para receber do governo do Acre.
            Os compradores do voto de Ronivon, segundo ele próprio, foram dois governadores: Orleir Cameli (sem partido), do Acre, e Amazonino Mendes (PFL), do Amazonas.
            Todas essas informações constam de gravações de conversas entre o deputado Ronivon Santiago e uma pessoa que mantém contatos regulares com ele. As fitas originais estão em poder da Folha.
            O interlocutor do deputado não quer que o seu nome seja revelado. Essas conversas gravadas com Ronivon aconteceram ao longo dos últimos meses, em diversas oportunidades.

            Outros venderam
            Nas gravações a que a Folha teve acesso, o deputado acreano diz não ser o único parlamentar que se vendeu na votação da reeleição, no último dia 28 de janeiro, quando a emenda foi aprovada, em primeiro turno, com 336 votos favoráveis na Câmara.
            ”O Amazonino marcou dinheiro para dar (R$) 200 (mil) para mim, 200 pro João Maia, 200 pra Zila e 200 pro Osmir”, diz Ronivon na gravação.
            Os personagens citados são os deputados federais João Maia, Zila Bezerra e Osmir Lima, todos do Acre e filiados ao PFL.
            Outro parlamentar também recebeu dinheiro para votar a favor da reeleição, conforme explicação de Ronivon.
            Eis como Ronivon menciona esse fato em suas conversas: ”Ele (Amazonino) foi e passou (o dinheiro) pro Orleir (…) Mas no dia anterior ele (Orleir) parece que precisou dar 100, parece que foi pro Chicão, e só deu 100 pra mim.”
            Na gravação, Ronivon fazia referência a deputados do Acre. O único deputado do Acre conhecido como Chicão é Chicão Brígido (PMDB), que, sempre segundo as conversas de Ronivon, entrou no negócio na última hora. Por isso, Orleir Cameli precisou de mais dinheiro e teve de dividir uma das cotas de R$ 200 mil.
            Em alguns momentos, entretanto, o deputado sugere que Chicão Brígido e João Maia também receberam apenas R$ 100 mil.
            Dos 8 parlamentares acreanos na Câmara, 6 votaram a favor da emenda da reeleição e 2 contra.

            Venda corriqueira
            Ronivon tem comentado a sua venda de voto a favor da reeleição como se fosse algo corriqueiro. Fala com vários colegas deputados. Algumas dessas conversas casuais é que foram gravadas.
            Nessas gravações, o deputado revela detalhes de toda a operação.
            Primeiro, Ronivon diz que foi contatado pelo governador do Acre, Orleir Cameli. Em troca do voto a favor da emenda da reeleição, cada deputado recebeu R$ 200 mil. O pagamento foi por meio de um cheque pré-datado -deveria ser depositado só depois de a votação ter sido concluída favoravelmente ao governo.
            As fitas apontam que, nos dias que antecederam a votação, cheques nesse valor foram entregues para, pelo menos, quatro deputados acreanos: Ronivon Santiago, João Maia, Osmir Lima e Zila Bezerra.
            Na gravação, Ronivon afirma que os cheques eram do Banco do Amazonas, em nome de uma empresa de Eládio Cameli, irmão de Orleir Cameli.
            Apesar de tudo acertado, a operação acabou não agradando aos deputados nem ao governador acreano. O arrependimento se deu na véspera da votação da reeleição. Era uma segunda-feira, dia 27 de janeiro passado.

            ”Você é infantil”
            De acordo com Ronivon, em conversas posteriores à venda de seus votos, os parlamentares começaram a avaliar que poderiam ser logrados depois da votação. Nada impediria, pensaram, que os cheques fossem sustados.
            Já aos ouvidos de Orleir Cameli chegou um alerta importante do seu colega do Amazonas, o governador Amazonino Mendes.
            Segundo Ronivon relata a seu amigo, Amazonino foi precavido e disse o seguinte a Cameli: ”Você é tão infantil, rapaz. Vai dar esse cheque para esse pessoal? Pega um dinheiro e leva”.
            Depois dessa sugestão de Amazonino Mendes, conta Ronivon Santiago, o governador do Acre ”pegou todo mundo e deu a todo mundo em dinheiro”.
            O dinheiro, emprestado a Orleir por Amazonino Mendes, só foi entregue aos parlamentares na manhã do dia da votação do primeiro turno da emenda da reeleição, 28 de janeiro, uma terça-feira, conforme a gravação.
            A entrega dos R$ 200 mil, em dinheiro, para cada deputado, foi feita mediante a devolução dos cheques pré-datados -que foram rasgados na frente de Orleir, segundo relato de Ronivon .
            A troca dos cheques por dinheiro ocorreu em um local combinado em Brasília. Cada deputado se apresentou, rasgou seu cheque na hora e recebeu o pagamento em dinheiro dentro de uma sacola.
            ”Aí chegou o Osmir, estava lá com a sacola assim… (risos). João Maia com a outra”, relata Ronivon, de bom humor, a cena da manhã que antecedeu a votação.
            ”Sou leso?” Endividado, Ronivon diz que usou o produto da venda de seu voto para diminuir débitos bancários. O deputado disse que saldou uma dívida de ”196 pau” (R$ 196 mil) que tinha contraído em bancos. Nas suas conversas, o deputado cita quatro bancos onde contraiu dívidas: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco de Brasília e Banacre (do governo do Acre).
            Ronivon diz que aproveitou também o dinheiro obtido com a venda de seu voto a favor da reeleição para resgatar cheques sem fundos que havia emitido.
            Cauteloso, não quis fazer os pagamentos logo depois da votação da reeleição. ”Sou leso?”, pergunta aos risos para seu interlocutor em uma das gravações.
            ”Leso”, segundo o ”Novo Dicionário Aurélio”, significa ”idiota” e ”amalucado”. A pronúncia correta pede que a primeira sílaba seja tônica: ”lé-so”.
            Para evitar que fosse rastreado o dinheiro, Ronivon explica que saldou totalmente suas dívidas apenas no início de março -quando dá a entender que já teria recebido todo o pagamento pelo seu voto.”
            http://www1.folha.uol.com.br/folha/circulo/pre_mer_voto_1.htm

    • Fróide,
      este é outro nome utilizado pele Baba ovo do desgovernador!

      • Marcelo, para seu conhecimento eu acho o governador Playboy um grande M. Agora defender os caras que tiveram os melhores advogados do Brasil, pagos a preço de ouro (que vc deve achar que são todos ingênuos também), que foram condenados por quase todos os ministros do STF colocados pelo próprio PT (são bobinhos também). Faça me o favor…Daqui a pouco vão dizer que é um complô interplanetário contra o PT. E parem com essa história de Tucanos, esses caras já eram. Assumam a lambança que é mais digno.

        • Você não entendeu nada!
          Todos os comentários postados até aqui, não estão defendendo os réus do mensalão, estão criticando o processo (o julgamento). Que na realidade se configura claramente como um julgamento de exceção. Ao contrário do que muitos pensam, não está fazendo justiça, está envergonhando a justiça brasileira!

          • MATÉRIA PAGA!!!
            *-QUALQUER REVISTA SÓ TOCA NUM ASSUNTO SE FOR PAGO!!
            *-PERGUNTO: DE ONDE VEIO ESSE DINHEIRO!

            *-DUAS COUSAS ENEXORÁVEL: A MORTE EXISTE …E O MENSALÃO EXISTIU!!

            *-SÓ FALTA PRENDER O CABEÇA …MORA EM SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP. GRATO

    • Me explica aonde está o dinheiro do sistema Telebras? Vale do Rio Doce? Processo de “concessão” das Ferrovias Brasileiras com dinheiro do BNDES.
      Me dá o seu carro para eu tomar conta e me financie a gasolina o pneu etc.

      A privatização do sistema Telebrás e da Vale do Rio Doce foi marcada pela suspeição. Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-caixa de campanha de FHC e do senador José Serra e ex-diretor da Área Internacional do Banco do Brasil, é acusado de pedir propina de R$ 15 milhões para obter apoio dos fundos de pensão ao consórcio do empresário Benjamin Steinbruch, que levou a Vale, e de ter cobrado R$ 90 milhões para ajudar na montagem do consórcio Telemar.

      1996. Modificação na lei de Patentes. Cedeu em tudo que os EUA queriam e, desdenhando às súplicas da SBPC e universidades, Fernando Henrique Cardoso acionou o rolo compressor no Congresso e alterou a Lei de Patentes, dando-lhe um caráter entreguista e comprometendo o avanço científico e tecnológico do país.

      Sua vó não toca banjo porém você deve ser um baba ovo no ninho dos Tucanalhas.

  13. Ô Esmael,pare de tratar os teus leitores como débeis mentais.Cria vergonha na cara!

    • Débil mental é você! muda de canal… faz uma visitinha pro Fabio Campana e vai Babar ovo do Beto Play.

  14. Passou da hora de botar essa cambada na cadeia e fazer devolver a grana também, inclusive do pai do mensalão Lula também, paasou da hora de confiscar suas fazendas em nome do filho.

    • Não esqueça de citar o seu partido PSDB e a sua corja tbem. Pedágios, venda do Banestado, Lista de Furnas, Mensalao Mineiro, Emenda da Reeleição – R$ 200.000,00 para cada parlamentar na época, vixi, que moral um tucano imundo e entreguista tem pra falar dos outros? É cada santinho que aparece aqui.

    • Vamos colocar o pai da privatização (Serra), a mãe da compra de votos para emenda da reeleição (FHC)…

  15. Por que só agora depois da condenação apareceram estes fatos? Se sabiam porque não falaram antes? Parece mais assunto para vender revista, nada mais…

    • Nesta mesma matéria foram divulgadas várias publicações falando deste assuntos, estas denúncias, foram divulgadas exaustivamente por várias revistas e redes sociais, que não possuem a mesma abrangência da Grande Mídia – controlada pela oligarquia da imprensa (algumas famílias em nosso país possuem o monopólio da comunicação). Infelizmente nesse campo não existe DEMOCRACIA!

    • Na verdade Sr. Trabalhador, o momento dos advogados de defesa questionarem o julgamento é agora. E veja que interessante, eles terão 5 dias para defender seus clientes após a publicação do acórdão de umas 5000 páginas. Fácil não é?

    • Você devia fazer essa pergunta ao Marco Valério, em relação as denuncias contra o Ex Presidente Lula. Porque so agora? Porque não disse antes?

      • Eu já perguntei, aqui no blog do Esmael, ele não respondeu…

        • Simples, Porque na época das denuncias não houve citação explicita do nome do Lula, inclusive pelo delator do Mensalão do Ex Dep. Roberto Jefferson, que isentou o Lula, agora há nova denuncia, e com denuncia Explicita envolvendo o Lula, por isso uma nova investigação.

    • Os fatos sempre estiveram em pauta, só não circula no PIG igual a Privataria Tucana! Porque será? A é verdade você estava antes preocupado com a bolinha.

  16. Em apertadíssima síntese do que ficou registrado neste processo, reafirmarmos a importância do estudo da prova, e mais especificamente, da teoria geral da prova – sem a qual o estudo e a própria aplicação dos meios de prova carece de robusto substrato; e passamos, nesse diapasão, a destacar os dez principais aspectos salientados ao longo do ensaio:

    Conceito de prova: todo e qualquer elemento material dirigido ao juiz da causa para esclarecer o que foi alegado por escrito pelas partes, especialmente circunstâncias fáticas.

    Objeto de prova: fato controvertido relevante; lembrando que direito pode ser objeto de prova excepcionalmente e que os fatos notórios/confessados/incontroversos não são objeto de prova.

    Juízo de admissibilidade da prova: própria da fase de deferimento da prova (admissão); devendo ser retomada a divisão de etapas que compreende a dinâmica da prova: requerimento, admissão, produção e valoração.

    Juízo de valoração da prova: avaliação da prova em momento final oportuno; não podendo o juiz antecipar seu juízo de valoração para fins de indeferir meio de prova, em momento anterior, próprio da admissibilidade da prova.

    Meios de prova: fontes admitidas pelo sistema processual que são aproveitadas no processo civil. Nem toda a fonte de prova é, pois, meio de prova; lembrando que os meios de prova podem ser típicos ou mesmo atípicos, não havendo, por regra, hierarquia entre eles.

    Direito constitucional prioritário à prova: estudo constitucional do fenômeno probatório a indicar principalmente para a excepcionalidade da medida de indeferimento da prova; lembrando a exegese desenvolvida dos arts. 130 e 330 do CPC, à luz do art. 5º, XXXV, LIV, LV e LVI da CF/88.

    Poderes instrutórios do juiz: produção de prova de ofício pelo Estado-juiz; lembrando que prova é matéria de ordem pública, não sujeita ao regime da preclusão para o magistrado; cabendo também o registro de que é admitida no processo civil moderno a relativização do princípio dispositivo em sentido processual ou impróprio.

    Ônus da prova: regra residual de julgamento, constante no art. 333 do CPC, aplicável quando não obstante todos os esforços levados a cabo pelos agentes do processo (Estado-juiz e partes) não foi possível aproximação suficiente da verdade para julgamento no mérito propriamente dito a favor de uma das partes litigantes.

    Sistema de persuasão racional: sistema contemporâneo de avaliação do conjunto probatório, com base na convicção motivada do julgador, o qual pode nesse momento se valer inclusive das máximas de experiência; lembrando que no processo civil moderno ainda há resquícios da prova tarifada (não se admitindo em alguns casos a utilização da prova exclusivamente testemunhal) e mesmo do sistema de convicção íntima (no Tribunal do Júri).

    Modelo de constatação da verdade no processo civil: o modelo utilizado no campo cível vem sendo o da preponderância de provas, juízo de verossimilhança em cognição exauriente; admitida, pois, a “verdade formal” – alta probabilidade, que é menos que certeza, mas é mais do que uma dúvida (razoável).

    Isto posto criaram a teoria desvirginando as provas, julgaram uma execeção.

  17. É ta dificil!!quando não se pauta pelo Paulo Hnrique Amorim, se pauta, agora, por esse BRASIL 247 que nem sei o que é isso.

    • Você queria que se pautasse por quem? Pela VEJA? Pelo Reinaldo Azevedo, o rola-bosta? Pelo Noblat? Pelo Augusto Nunes?

    • Cara Silvania; O duro de aguentar seria se este Blog se pautasse pela turma do FHC, Globo, Estadão, e outros detritos da direita. E na verdade, você deveria pelo menos tentar entender e comentar a reportagem, que é muito elucidativa.

      • Pare com isso Ismael G!! pare de viver do passado, quem vive do passado é marido traído, faz 10 anos que a Tucanada saiu do poder e, vcs continuam discutindo o cara. Vamos tratar do que acontece hoje, por favor!!!

        • Silvania, Fala Sério, Vitor, Allexia, Rafaela, Observador, entre outros, é a mesma pessoa.
          Um desocupado que não tem o que fazer e tenta impor a sua ignorância, com inúmeros comentários, ou seja, tenta monopolizar a discussão através da quantidade – pura bobagem e alienação: porta voz da elite conservadora, dos veículos de comunicação golpistas, bajulador do desgovernador tucano (na realidade um inocente útil!)

        • Silvana, A tucanada como diz você, nunca deixou o poder. Em São Paulo, que é praticamente 40% do PIB eles estão lá há 16 anos. No Paraná temos o bicudo Beto Richa. Em Minas tem outro tucano. Sem contar as inúmeras prefeituras que são governadas pelo partido. Estão fora do governo federal, mas seus tentáculos estão espalhados por todo o funcionalismo público. E não estamos falando do passado, mas de um presente se que mostra vergonhoso para a nossa já desacreditada justiça. A matéria em pauta é sobre o julgamento de um processo que se revelou no mínimo duvidoso. E essa opinião é compartilhada por renomados juristas e professores de direito. E o exame dos fatos corrobora a cada dia a tese de ter sido um julgamento de exceção.

        • Discutimos não ele e sim os desprojetos dessa turma de atrasaram o país por 502 anos

  18. Sim foi uma grande farsa. O que fazem Governadores, Prefeitos quando convidam politicos de outros Partidos para compor secretariados, não é a mesma coisa? Ou Gustavo Fruet convidou Osmar Bertoldi entre outros por pura competência? E Beto convidou Romanelli por seu vasto conhecimento trabalhista?

  19. Que revistinha é essa? Provavelmente, impressa nos fundos da Imprensa do Congresso ou do Palacio do Planalto. Revista paga e patrocinada pelo PT, o mesmo PT que apoia a Coreia do Norte, apoia o Ditador Coreano e atirar bombas atomicas pelo mundo. Seja onde for o Alvo, Estados Unidos, Espanha, Portugal, Não importa, o que importa é o dano que isso pode causar. Mas o PT não ta preocupado com isso, atá carta de apoio entrega ao Embaixador da Coreia do Norte, tipo, Atirem suas Bombas nos Estados Unidos.

    • Vixi Fala Sério, daqui uns dias vai cair a casinha de vocês. Ja pensou se alguém as verdades sobre o pedágio do PSDB no Paraná? Caixa 2 o seu patrão até no Fantástico ja apareceu, relembrar é viver:
      https://www.youtube.com/watch?v=wACTxVBPL98

      • Como vc é mal informado, o Pedágio foi instituido pelo Lerner que era do PDT. Você podia se inteirar sobre o assunto antes de dizer merda.

        • Fala Sério, não precisa ficar nervosinha boneca e “menina veneno” do Betinho. Jaime Lerner o neoliberal inventor do pedágio no Paraná e com Beto Richa dando aval pra criação do pedágio. Veja isso:
          “A partir da implantação da lei, o governo do Estado passou a poder conceder para a iniciativa privada a distribuição local de gás canalizado, as vias estaduais precedidas ou não da execução de obras públicas, o transporte rodoviário intermunicipal de passageiros, o transporte ferroviário intermunicipal ou que transponha as fronteiras do Estado, o transporte aquaviário intermunicipal de passageiros e o que procede a ligação de rodovia estadual e a exploração de obras ou serviços estaduais de barragens ou conteções precedidas ou não de execução de obras públicas.

          A mesma lei estabeleceu que a concessão de serviço público seria feita por meio de licitação, na modalidade concorrência e que venceria a pessoa jurídica ou consórcio de empresas que demonstrassem capacidade por sua conta e risco, por prazo determinado.

          Visando amarrar a cobrança de pedágio com obras que seriam executadas em um espaço de longo prazo, o projeto já previa que a concessão do serviço público seria precedida da execução de obras públicas de forma que o “investimento da concessionária seja remunerado e amortizado mediante a exploração do serviço ou da obra por prazo determinado”.

          O próprio texto do projeto aprovado por Richa dizia que os “contratos poderão prever mecanismos de reajuste e revisão das tarifas, a fim de manter-se o equilíbrio econômico-financeiro”.

          Outro item era o de que o prazo do contrato de concessão não poderia ser superior a 25 anos, podendo ser prorrogado por igual período. No final da Lei Complementar, no artigo 41, diz que “fica o Estado autorizado a cobrar pedágio pela utilização de vias estaduais conservadas ou vias federais delegadas”.

          Após aprovada pela Assembléia com grande maioria de votos, a lei foi sancionada por Jaime Lerner.

          Discurso – Em campanha para o governo, parece que Richa esqueceu do texto que ajudou a aprova. Em recente entrevista, prometeu que irá despolitizar o assunto pedágio como governador.
          “O assunto pedágio foi objeto de demagogia em campanhas eleitorais anteriores. Vou chamar as concessionárias para o diálogo para chegar a um entendimento e vou fazer prevalecer o interesse público. Eu sei que é possível termos uma tarifa de pedágio justa e acessível e não uma tarifa incompatível com a realidade econômica do Paranᔝ, pontuou.
          Em outra entrevista, o tucano disse que tem disposição para conduzir um entendimento que compatibilize tarifas razoáveis com boas entradas.
          “Acredito que não seja do interesse das concessionárias comprometer a produtividade das empresas paranaenses, que tem sido onerada com as tarifas atuais.”
          Dos 54 deputados estaduais, apenas votaram contra o projeto Ângelo Vanhoni (PT), Emerson Nerone (PT), Irineu Colombo (PT), Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), Ricardo Chab (PMDB) e Péricles de Mello (PT). O deputado Florisvaldo Fier, conhecido como Dr. Rosinha (PT), estava em viagem autorizada para o Chile.

          Placar

          A votação da lei do Pedágio
          Favoráveis
          Ademar Traiano (PTB)
          Albanor Gomes (PTB)
          Antonio Anibelli (PMDB)
          Augustinho Zucchi (PPB)
          Basílio Zanusso (PFL)
          Beto Richa (PTB)
          Caíto Quintana (PMDB)
          Carlos Simões (PTB)
          César Seleme (PPB)
          César Silvestri (PTB)
          Cleiton Kiélsi (PFL)
          Duílio Genari (PPB)
          Durval Amaral (PFL)
          Edgar Bueno (PDT)
          Edno Guimarães (PFL)
          Edson Silva Lino (PPB)
          Eduardo Trevisan (PFL)
          Élio Rusch (PFL)
          Geraldo Cartário (PFL)
          Horácio Rodrigues (PL)
          Hidekazu Takayama (PFL)
          Irondi Pugliese (PPB)
          João Techy Filho (PPB)
          Joel Coimbra (PTB)
          José Maria Ferreira (PSDB)
          José Tavares (PTB)
          Julio Ando (PFL)
          Luiz Accorsi (PTB)
          Luiz Carlos Alborghetti (PFL)
          Luiz Carlos Martins (PFL)
          Luiz Carlos Zuk (PDT)
          Marquinhos Alves (PFL)
          Miltinho Alves (PFL)
          Neivo Beraldin (PPB)
          Nelson Garcia (PFL)
          Nelson Turek (PFL)
          Nereu Moura (PMDB)
          Orlando Pessuti (PMDB)
          Plauto Miro Guimarães (PFL)
          Renato Adur (PMDB)
          Reny Borsatto (PFL)
          Sâmis da Silva (PMDB)
          Sérgio Spada (PSDB)
          Toti Colaço (PMDB)
          Valdir Rossoni (PTB)
          Walmor Trentini (PFL)

          Contrários
          Ângelo Vanhoni (PT)
          Emerson Nerone (PT)
          Irineu Colombo (PT)
          Luiz C. Romanelli (PMDB)
          Ricardo Chab (PMDB)
          Péricles de Mello (PT)

          * Os deputados que não foram citados, não estavam presentes na votação
          * Os partidos acima correspondem às siglas em que os deputados estavam filiados no momento da votação”
          http://www.jagostinho.com.br/?p=22103

          • Quem ficou Nervosa foi você Santa, Até BAita discurso, pra explicar algo. não sou Beto, nem PSDBm, e muito menos baba ovo do Beto Play. vc ta muito enganado!!!

          • Ah boneca Fala Sério, conte outra então, se vc não fosse da corja do Richa e dos tucanos, não vinha aqui defender eles.

          • Quem defendeu o Piá de Prédio?? Vc Bebeu, fumou baseado de Esterco ou comeu cogumelos do mato???

          • Fala Sério, quanto fingimento seu, rsssssssss. Você pertence ao time do Beto não resta dúvida alguma, se quiser óleo de péroba avise que o pessoal do blog junto uma grana e compra um pra você.

    • Então cara,talvez voce já pode ir para seu bunker,pegar uma espingarda ,e ficar na janela na espera de algum comunista.Cuidado ,eles estão por todos os lados e vão te pegar por traz.
      Ai cara,voce vai ser capa da veja,com direito meio a contragosto ter um marido comunista.

  20. Mensalão foi um #mentirão da mídia!

    • Revista maravilhosa! Tradicional, imparcial, confiável, só faltou um capitulo muito importante desta história do mensalão:

      “A Polícia Federal em Brasília recebeu nesta segunda-feira o pedido de instauração de inquérito para apurar um suposto envolvimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o mensalão. A investigação deve ser aberta nos próximos dias.

      O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal na sexta-feira e tem como base depoimento prestado pelo empresário Marcos Valério de Souza, considerado o operador do mensalão.”

      http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/conteudo.phtml?tl=1&id=1361250&tit=-PF-recebe-pedido-para-investigar-suposto-elo-de-ex-presidente

      • Pelo visto, vão pegar o “Capão di tutti Cappi”…

        Do que serviria investigar e processar aqueles 40 (COM PROVAS, senão qualquer Tribunal Internacional já teria anulado o processo), e poupar o “Ali Babá”?

      • ANALITA BAGÉ

        VOCE DEVE SER UMA PESSOA NÃO CONFIÁVEL POR QUERER INVERTER O FATO DA HISTORIA CONTADA NA REVISTA PORQUE UM CASO TÃO POLEMICO DESTE SOBRE LULA SE SI SUSTENTASSE ESTARIA NAS PRIMEIRAS PÁGINAS D VEJA ISTO É E A GLOBO FALARIA NISTO O TEMPO TODO