Por Esmael Morais

Dilma enfrenta exército pró-juros organizado

Publicado em 12/04/2013

No tocante à  inflação, o movimento coordenado dos grandes jornais pode provocar até um resultado inverso ao desejado. Como a presidente Dilma é ciosa de sua autoridade, será desagradável elevar os juros, na reunião do Copom dos dias 16 e 17, depois de uma pressão tão explícita dos jornalões. Será que ela irá se curvar aos barões da imprensa?

Não bastasse isso, os sinais são bastante contraditórios. Já se sabe que o estouro da meta em março será revertido em abril. Além disso, as previsões de analistas convergem para uma taxa de 5,70% em 2013, confortavelmente dentro da meta de 6,5%. E o ritmo de atividade econômica, já fraco, recomendaria certa cautela. Até mesmo no sistema financeiro não há consenso e um grande banco não vê razões para a alta dos juros.

No dia 17, quando forem anunciados os resultados da reunião do Copom, o Brasil saberá quem venceu a queda de braço: Dilma ou o exército coeso que a enfrenta.

E se não bastassem as manchetes, o Estadão e a Folha publicaram ainda editoriais pedindo juros maiores. Leia abaixo:

A inflação da omissão – EDITORIAL O ESTADàƒO

Com 6,59% acumulados em 12 meses, a inflação superou o limite da margem de tolerância e ficou quase 2,5 pontos acima da meta oficial, de 4,5%. Isso põe em xeque o Banco Central (BC) e torna muito difícil evitar medidas mais duras na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), nos dias 16 e 17.

Na América do Sul, números de inflação piores que os brasileiros só têm aparecido nas economias argentina e venezuelana, desorganizadas por governos populistas, economicamente irresponsáveis e desastradamente intervencionistas. Apesar de ruins, os dados de março, recém publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram alguns preços com aumentos menores que nos meses anteriores. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, destacou esses detalhes positivos e tentou mostrar algum otimismo.

A inflação, segundo ele, está em trajetória de redução. Apesar disso, o ministro prometeu medidas para impedir a propagação da alta de preços. O BC reafirmou em nota a mensagem distribuída pelo Copom depois de sua última reunião, no mês passado. As autoridades monetárias continuarão avaliando a evolução da economia e dos indicadores de preços para decidir os próximos passos.

O presidente do BC, Alexandre Tombini, reiterou várias vezes, nas últimas semanas, o compromisso de agir contra uma inflação por ele descrita como preocupante e resistente.

Esses adjetivos continuam perfeitamente adequados para descrever a desordem dos preços. Os núcleos de inflação calculados pelos especialistas diminuíram de fevereiro para março, acompanhando a redução do índice cheio, de 0,6% para 0,47%. Vários preços aumentaram mais devagar que nos meses anteriores e o índice de difusão, referente à  parcela de itens com preços aumentados, diminuiu de 72,3% para 69%. São dados positivos, sem dúvida, mas é muito cedo para festejar a acomodação das pressões inflacionárias e seria uma irresponsabilidade continuar contemporizando, à  espera de uma acomodação espontânea da inflação.

As medidas tomadas até agora pelo Executivo podem afetar temporariamente alguns preços, mas nenhuma delas tem efeito anti-inflacionário e são todas ineficientes como estímulos ao investimento produtivo. Nenhuma das providências adotadas ou prometidas até hoje serve para substituir uma política fiscal austera e um corajoso aperto monetário. O aperto necessário será tanto mais duro quanto mais o Copom tentar adiá-lo. Será tanto mais severo, também, quanto mais prolongada for a farra fiscal, com generosa distribuição de benefícios setoriais e nenhum esforço para conter os gastos públicos.

Embora os novos números da inflação indiquem certa melhora do quadro, ainda estão longe de apontar um retorno ao equilíbrio. Um indicador de difusão de 69% ainda mostra aumentos muito espalhados e uma vez desmente a tese de uma inflação gerada por choques de oferta de alguns produtos. A persistência da inflação dos serviços denuncia uma demanda muito aquecida e os estímulos ao consumo apenas reforçam esse desajuste.

Além do mais, uma taxa mensal de inflação de 0,47%, como a de março, é escandalosamente alta. Acumulada em 12 meses, uma alta mensal dessa magnitude resultaria em 5,78%, uma inflação muito superior à  da maior parte dos países desenvolvidos e emergentes. Projetada para quatro trimestres, a variação acumulada entre janeiro e março, de 1,94%, produz: a assustadora inflação anual de 7,99%. Ninguém pode tolerar taxas de inflação como as brasileiras e ao mesmo tempo reclamar do desajuste cambial. A diferença entre as taxas de inflação de um país e as de outros participantes do mercado concorrentes, clientes ou fornecedores – é um dos fatores determinantes do câmbio real, como devem ter aprendido os condutores da política econômica brasileira. Finalmente, essas mesmas autoridades deveriam explicar claramente se a meta de inflação é 4,5% ou qualquer valor entre 4,5% e 6,5%. Até agora, o Executivo e o BC têm agido como se a meta incluísse toda a margem de erro ou de tolerância, O resultado tem sido um desastre.

Além do teto – EDITORIAL FOLHA DE SP

FOLHA DE SP – 12/04

Estouro da meta de inflação não indica ainda disparada de preços, mas cenário exige cautela e recomposição da credibilidade do BC

O estouro da meta de inflação nos 12 meses encerrados em março não significa que o comportamento dos preços seguirá nos próximos meses em espiral ascendente.

Na realidade, o índice oficial de inflação, o IPCA, desacelerou no mês passado. Subiu 0,47%, contra 0,60% em fevereiro.

Analistas esperam que, após ter alcançado 6,59% no “ano” fechado em março, a inflação decline e termine 2013 em torno de 5,5%. A meta oficial é 4,5%, com dois pontos percentuais de tolerância.

Nem por isso se pode afirmar que o comportamento dos preços e as políticas adotadas para controlá-los inspirem confiança.

Ao contrário: tanto a dinâmica da economia quanto a atuação da equipe econômica acarretam a persistência de riscos. Mesmo que refluam, os índices continuarão em patamar alto, e isso num quadro de baixo crescimento do PIB, leniência na gestão das contas públicas e pressão política do Planalto sobre o Banco Central.

Este último aspecto, aliás, deverá levar o BC a aproveitar o rompimento do teto da meta como senha para aumentar a taxa básica de juros já na próxima reunião do Copom, na semana que vem.

Embora a autoridade monetária viesse indicando que preferiria aguardar até maio para decidir, a inábil declaração “desenvolvimentista” da presidente Dilma Rousseff na cúpula dos Brics, há duas semanas, na àfrica do Sul, como que constrange o BC a antecipar a alta dos juros. Na ocasião, a mandatária declarou-se contrária a medidas anti-inflacionárias que comprometessem o crescimento do PIB e atribuiu a elevação dos preços a problemas localizados.

Ao falar como uma espécie de superministra da economia, Dilma atingiu a credibilidade do Banco Central e causou turbulências no mercado –que acompanha com um pé atrás as tentativas de influenciar preços por meio de desonerações tributárias e outras medidas de curto prazo.

à‰ verdade, não obstante, que a variação do IPCA no passado recente foi impulsionada por sensível alta no grupo de alimentos e bebidas. Adversidades climáticas e problemas com safras agrícolas provocaram a elevação dos custos de itens com peso no indicador, como o arroz e o feijão.

Isso não quer dizer que as dificuldades se resumam a esse aspecto, ou que possam desaparecer com o simples passar do tempo. Os aumentos ainda são disseminados, alcançando quase 70% dos preços, e o teto da meta já teria sido rompido em 2012 não fossem os cortes localizados de impostos decretados pelo governo.

Não há mais muita dúvida de que uma alta moderada da taxa básica de juros desempenhará papel salutar nesse cenário econômico. Mesmo que necessária, ela não será suficiente, contudo: restam por resolver as questões estruturais, como gastos excessivos do Estado, gargalos de infraestrutura e demais entraves ao investimento.