Câmara pode aprovar hoje a reabertura da Estrada do Colono

Comissão vota relatório sobre Estrada-Parque

Rosane e os ambientalistas são contra a reabertura do caminho que existe desde 1924. Sem a estrada, os moradores dessas localidades têm de percorrer um caminho de 200 quilômetros para ir de uma cidade a outra, contornando o parque.

Rosane e os ambientalistas são contra a reabertura do caminho que existe desde 1924. Sem a estrada, os moradores dessas localidades têm de percorrer um caminho de 200 quilômetros para ir de uma cidade a outra, contornando o parque.

A comissão especial que analisa a construção da Estrada-Parque Caminho do Colono (PL 7123/10) reúne-se nesta tarde para discutir e votar o parecer do relator, deputado Nelson Padovani (PSC-PR).

A deputada federal Rosane Ferreira (PV-PR) anunciou que votará contra a reabertura do Caminho do Colono. Na semana passada, a parlamentar verde já havia apresentado o único voto em separado. O também paranaense Alfredo Kaefer (PSDB), no entanto, pediu vistas.

“Além do projeto ser um retrocesso ambiental, interrompendo a recomposição da floresta de Mata Atlântica, abre um perigoso precedende para que outros parques nacionais sejam modificados”, justifica Rosane.

Pela proposta, a estrada, que vai ligar os municípios de Serranópolis e Capanema, cortando o Parque Nacional do Iguaçu, será implantada no leito histórico do Caminho do Colono, situado entre o km zero e o 17,5 da PR-495, antiga BR-163. Esse trecho está fechado por decisão judicial desde 2003.

A polêmica em torno da estrada é antiga. De acordo com informações do governo do Paraná, o caminho existe desde 1924. Sem a estrada, os moradores dessas localidades teriam de percorrer um caminho de 200 quilômetros para ir de uma cidade a outra, contornando o parque.

Ambientalistas, no entanto, alegam que o caminho divide o parque e impede a livre circulação dos animais de um lado para o outro. Este fator poderia levar à  extinção de certas espécies que necessitam de área ampla para sobreviver.

A reunião será realizada no Plenário 14, à s 14 horas.

Comentários encerrados.