Zé Dirceu pede passaporte para ir a funeral de Chávez

do Brasil 247

Condenado pelo Supremo na Ação Penal 470, o ex-ministro José Dirceu protocolou no STF um pedido para obter a liberação de seu passaporte, retido como consequência da condenação; ele quer acompanhar as cerimônias de despedida do presidente venezuelano Hugo Chávez, falecido nesta terça-feira; o corpo de Chávez começou a ser velado nesta quarta-feira, reunindo uma multidão pelas ruas de Caracas.

Condenado pelo Supremo na Ação Penal 470, o ex-ministro José Dirceu protocolou no STF um pedido para obter a liberação de seu passaporte, retido como consequência da condenação; ele quer acompanhar as cerimônias de despedida do presidente venezuelano Hugo Chávez, falecido nesta terça-feira; o corpo de Chávez começou a ser velado nesta quarta-feira, reunindo uma multidão pelas ruas de Caracas.

Condenado no processo do mensalão, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu protocolou nesta quarta-feira no Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido para a liberação de seu passaporte, retido como parte do processo de condenação na Ação Penal 470. O motivo? Ele pretende comparecer ao funeral do presidente venezuelano Hugo Chávez, morto nesta terça-feira.

Após a confirmação da morte de Chávez, Dirceu exaltou os feitos de Chávez durante os 14 anos que dirigiu a Venezuela, divulgando inclusive um vídeo (assista). Dirceu, que classificou o presidente como um “camarada com sonhos em comum”, conheceu Chávez em 2003, durante visita do venezuelano ao Brasil.

“Chávez chegou ao poder quatro anos antes do PT no Brasil”, lembrou o ex-ministro.

“Depois de resgatar a principal riqueza do país, o petróleo, ele refundou o Estado venezuelano, que se encontrava em total decadência, e iniciou uma revolução social. Foi a primeira vez na história da Venezuela que o dinheiro do petróleo foi distribuído entre a população”, disse Dirceu.

Comentários encerrados.