Tucano afirma que Paulo Bernardo se preocupa apenas com pré-candidatura de Gleisi

Por Ivan Santos, via Bem Paraná

Luiz Carlos Hauly, secretário de Estado da Fazenda.

Luiz Carlos Hauly, secretário de Estado da Fazenda.

A briga entre o governo Beto Richa e o governo federal ganhou ontem novo capítulo, com troca de acusações sobre a forma como o Estado tem sido tratado na divisão de verbas da União. O secretário de Estado da Fazenda, Luiz Carlos Hauly, foi à  Assembleia Legislativa especialmente para rebater as declarações do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que na véspera negou que o Paraná seja discriminado em relação aos outros estados, e acusou o governo Richa de falta de projetos e ação política. Hauly afirmou que não sabe de onde Bernardo tirou os números que apresentou, e acusou o ministro de politicagem!, por se preocupar apenas com a pré-candidatura de sua esposa, a ministra chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT), ao governo para 2014.

Na segunda-feira, em passagem pela Assembleia, o ministro afirmou que o governo federal tem convênios em execução com o Paraná em valor total de R$ 3,8 bilhões, contra R$ 3,5 bilhões do Rio Grande do Sul, e R$ 1,9 bilhões de Santa Catarina. Não sei de onde ele tirou esses números. O ministro está pensando em sua esposa candidata, Gleisi Hoffmann. Nós precisamos da ajuda deles, não de intriga!, rebateu Hauly ontem.

Segundo o secretário, os números divulgados por Paulo Bernardo não conferem com a contabilidade oficial do Estado, já que o Orçamento Federal de 2013 prevê apenas R$ 806 milhões em investimentos federais no Paraná. Esse valor equivaleria a R$ 76,00 por habitante, contra R$ 170,00 per capta previstos para o Rio Grande do Sul, e R$ 239,00 para Santa Catarina. Ainda segundo ele, apesar de ser a quinta economia do País, o Paraná estaria apenas como o 25!º estado no recebimento de investimentos da União.

Hauly avalia que para chegar ao número que divulgou, o ministro tenha somado como investimentos transferências constitucionais obrigatórias da União, como as verbas do Fundo de Participação dos Estados (FPE), do Sistema Único de Saúde (SUS) e da compensação de perdas pela Lei Kandir nas exportações. Somadas todas essas transferências chegariam em 2012 a R$ 3,7 bilhões.

Empréstimos – O secretário cobrou, ainda, de Bernardo e Gleisi, a liberação de empréstimos de R$ 2,4 bilhões ao Paraná que aguardam autorização do governo federal. Os empréstimos estão lá parados. Estão achando pêlo em ovo. A obrigação deles é liberar esse dinheiro. Se não liberarem, ele (Paulo Bernardo) está fazendo politicagem. Libera Paulo, ministra Gleisi!, apelou o secretário.

Presidente estadual do PT, o deputado àŠnio Verri saiu em defesa do ministro. Segundo ele, os R$ 806 milhões apontados por Hauly não incluem muitos investimentos que o governo federal está fazendo no Estado sem previsão orçamentária. Ele citou por exemplo a duplicação da rodovia BR 153, e a construção de um centro modal em Maringá. Muitos investimentos são feitos diretamente com os municípios!, alegou. Se é para os ministros conseguirem os investimentos, como quer o governador, que deixe os ministros governarem o Paraná!, criticou.

Comentários encerrados.