Professores deflagram greve semana que vem. A cavalaria vai ser convocada desta vez?

Professores e funcionários da rede pública do Paraná prometem greve no próximo dia 13; só há uma maneira de evitar a paralisação nas 2,1 mil escolas: o governador Beto Richa cumprir com as promessas feitas nos últimos dois anos.

Professores e funcionários da rede pública do Paraná prometem greve no próximo dia 13; só há uma maneira de evitar a paralisação nas 2,1 mil escolas: o governador Beto Richa cumprir com as promessas feitas nos últimos dois anos.

Quando se fala em greve de professores no Paraná, necessariamente, vem à  mente 30 de agosto de 1988. Naquele fatídico dia, educadores e cavalaria da PM entraram em confronto em frente ao Palácio Iguaçu, em Curitiba, depois de 15 dias de paralisação. Na época, o governador era àlvaro Dias, hoje senador pelo PSDB.

Na semana que vem, dia 13 de março, vinte e cinco anos depois daquele triste dia, será a vez do governador Beto Richa (PSDB) encarar os cerca de 120 mil professores e funcionários das 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná. Eles vão deflagrar nova greve por seus direitos negados nos últimos dois anos.

Como dantes, a cavalaria da Polícia Militar será convocada para recepcionar os mestres das escolas públicas em protesto na capital? Como eles serão tratados pelo neoaliado do senador àlvaro Dias?

O que querem desta vez os educadores com a greve vindoura?

Além da valorização profissional, vão lutar pelo cumprimento da Lei Nacional do Piso dos Professores (LNP) que prevê a implantação de 33,3% de hora-atividade (período dentro da jornada de trabalho do professor para atividades extraclasse); aumento salarial de 7,12% para se alcançar o novo valor do piso; aprovação de adequações na carreira e reajuste de 8,59% para os funcionários de escolas; instituição de um novo modelo de atendimento à  saúde dos servidores. Outra demanda diz respeito à  revisão e ao debate da matriz curricular do ensino fundamental, adotada no final do ano passado pelo governo sem a devida consulta aos educadores.

à‰ bom frisar que o jornalista Sylvio Sebastiani, em seu último livro, isenta o senador àlvaro Dias de qualquer responsabilidade pelo confronto de 1988. Para os professores, no entanto, é a mesma coisa que negar a existência de Deus.

Comentários encerrados.