Presidente da Câmara diz que situação de Feliciano é “insustentável”

do Brasil 247

Depois de novos protestos contra o pastor evangélico, presidente da Câmara diz que espera solução do PSC até a próxima terça-feira; "A Comissão de Direitos Humanos, até pela sua importância, não pode ficar nesse impasse", disse Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN); deputado Marco Feliciano (PSC-SP) afirmou nesta quinta-feira, porém, que não renuncia "de maneira alguma" e lembrou que representa 50 milhões de evangélicos.

Depois de novos protestos contra o pastor evangélico, presidente da Câmara diz que espera solução do PSC até a próxima terça-feira; “A Comissão de Direitos Humanos, até pela sua importância, não pode ficar nesse impasse”, disse Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN); deputado Marco Feliciano (PSC-SP) afirmou nesta quinta-feira, porém, que não renuncia “de maneira alguma” e lembrou que representa 50 milhões de evangélicos.

A situação da Comissão de Direitos Humanos e Minoras da Câmara dos Deputados se tornou “insustentável”, avaliou nesta quinta-feira 21 o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Ele cobrou uma solução do PSC para a saída do presidente da Comissão, o deputado e pastor evangélico Marco Feliciano, que tem sofrido críticas diárias por acusações de racismo e homofobia. Na tarde desta quarta-feira, o parlamentar deixou a sessão depois de apenas oito minutos de seu início. Manifestantes protestavam contra ele em frente à  Câmara.

“A Comissão de Direitos Humanos, até pela sua importância, não pode ficar nesse impasse”, declarou Alves. Ele também prometeu uma solução para o caso até a próxima terça-feira. “Essa casa tem que primar pelo equilíbrio, pela serenidade, pela objetividade, pelo trabalho parlamentar. E do jeito que está ficou insustentável a situação, que eu acredito que será resolvida até terça-feira da semana que vem. Agora passou a ser também responsabilidade do presidente da Câmara dos Deputados”, afirmou o presidente da Casa.

Mas mesmo diante da pressão de protestos e dos próprios parlamentares, Marco Feliciano não abre mão do cargo. Em entrevista à  rádio Estadão nesta quinta-feira, ele garantiu que não irá renunciar “de maneira alguma” da presidência da Comissão e lembra que representa 50 milhões de evangélicos diretamente. “Não pretendo renunciar. Fui eleito com mais de 200 mil votos”, afirmou. Ele disse também que não abandonou a sessão desta quarta por pressão, mas que apenas deu início à  audiência e passou a palavra para o requeredor. “Isso é natural. A imprensa mais uma vez foi sensacionalista”, disse. “Disse que estava fugindo e não foi o que aconteceu”.

Frente Parlamentar dos Direitos Humanos

Também nesta quarta-feira, um grupo de deputados criou a Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Humanos, alegando que, com o pastor Feliciano à  frente da Comissão, não há mais espaço político para a discussão de temas ligados à  diversidade e à s minorias. O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), um dos integrantes, explicou que a atividade do organismo será dividida em oito áreas temáticas, entre elas defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes, dos povos indígenas e da população LGBT.

Ação por estelionato

Sobre a ação que terá de responder por estelionato no Supremo Tribunal Federal (STF) por não ter comparecido a um show evangélico no Rio Grande do Sul, para o qual recebeu cachê de mais de R$ 13 mil, Feliciano disse na entrevista à  rádio Estadão que não foi ao show porque estava doente e que depositou o valor com juros, em juízo. “Minha equipe ligou, e eles disseram que iam remarcar o evento. Ficamos aguardando remarcar e o evento não foi remarcado. Quando tentamos entrar em contato, já haviam feito um processo gigantesco, quase uma extorsão, pedindo R$ 1 milhão”, afirmou.

Comentários encerrados.