Governo do PSDB barra explicação de Taniguchi sobre privatização de R$ 3 bilhões

Roberto Acioli denunciou que deputados foram ameaçados pelo governo, mas não declinou o tipo de chantagem que receberam para não convocar Taniguchi; tucanato quer pagar R$ 3 bilhões para cuidarem dos serviços essenciais do Paraná.

Roberto Acioli denunciou que deputados foram ameaçados pelo governo, mas não declinou o tipo de chantagem que receberam para não convocar Taniguchi; tucanato quer pagar R$ 3 bilhões para cuidarem dos serviços essenciais do Paraná.

Com um golpe de karatê na oposição, o governo neoliberal de Beto Richa (PSDB) barrou nesta terça-feira (26), no plenário da Assembleia Legislativa do Paraná, convite para que o secretário do Planejamento e Coordenação Geral, Cássio Taniguchi, explicasse a terceirização de serviços através do programa Tudo Aqui! cuja previsão de gasto é de R$ 3 bilhões em 25 anos.

O deputado Roberto Acioli (PV), da base governista, denuncia que foi pressionado e ameaçado pelo líder do governo, Ademar Traiano (PSDB), a votar contra a convocação de Taniguchi.

Foi uma ameaça declarada do líder do governo, que queria que todos da base votassem contra o convite, como se não pudéssemos ter opinião própria!, denunciou Acioli, sem citar, no entanto, que tipo de ameaça sofreu.

Para o deputado do PV, é um contrato longo, de 25 anos, e um valor de aproximadamente R$ 3 bilhões. à‰ importante a transparência, para mostrar que não há qualquer problema com o programa e encerrar o debate!.

O líder da bancada de Oposição, deputado Tadeu Veneri (PT), adiantou que irá apresentar um pedido de informações na sessão desta quarta-feira (27).

Votaram a favor do convite para Taniguchi esclarecer a privatização os seguintes deputados:

Adelino Ribeiro (PSL)
Anibelli Neto (PMDB)
Artagão Júnior (PMDB)
Caíto Quintana (PMDB)
Cleiton Kielse (PEN)
Douglas Fabrício (PPS)
Elton Welter (PT)
Enio Verri (PT)
Gilberto Martin (PMDB)
Luciana Rafagnin (PT)
Luis Carlos Martins (PSD)
Ney Leprevost (PSD)
Pastor Edson Praczyk (PRB)
Professor Lemos (PT)
Roberto Aciolli (PV)
Stephanes Júnior (PMDB)
Tadeu Veneri (PT)

Comentários encerrados.