Ex-marido de Dilma aponta ‘núcleo de tortura’ entre empresários

Em depoimento à  Comissão Nacional da Verdade em Porto Alegre, o militante do PDT e ex-marido da presidente Dilma Rousseff, Carlos Araújo, disse que empresários ligados à  Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) "não só financiaram, mas estimularam e assistiram à s sessões de tortura" durante o regime militar; segundo ele, essa "direita raivosa" ainda está integrada à s atividades da Fiesp.

Em depoimento à  Comissão Nacional da Verdade em Porto Alegre, o militante do PDT e ex-marido da presidente Dilma Rousseff, Carlos Araújo, disse que empresários ligados à  Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) “não só financiaram, mas estimularam e assistiram à s sessões de tortura” durante o regime militar; segundo ele, essa “direita raivosa” ainda está integrada à s atividades da Fiesp.

Pela proposta do advogado Carlos Araújo, ex-deputado estadual do Rio Grande do Sul pelo PDT e ex-marido da presidente Dilma Rousseff, não vai sobrar “um meu irmão” neste país.

O ex-marido da presidenta pediu que a Comissão Nacional da Verdade investigue, também, os empresários brasileiros que financiaram a repressão entre 1946 e 1988.

Há informações de que até os donos de empresas de comunicação emprestavam seus carros para a repressão capturar e transferir presos políticos de uma prisão a outra.

Segundo o advogado, no regime militar, havia empresários que iam para a sala de tortura estimular os torturadores e se envaidecer com a tortura de militantes contrários ao regime.

“Não foram poucos os empresários que foram para as salas estimular os torturadores e se envaidecer com a tortura dos nossos companheiros”, disse o ex-deputado.

Carlos Araújo aponta empresários ligados à  Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) teriam financiado e até participado de sessões de tortura durante a ditadura militar.

Militante da VPR, o ex-marido de Dilma pediu que a comissão investigue o “núcleo de tortura da Fiesp”.

A revelação foi feita nesta segunda-feira pelo militante do PDT e ex-marido da presidente Dilma Rousseff, Carlos Araújo, durante depoimento à  Comissão Nacional da Verdade, em Porto Alegre.

Apesar das denúncias, Araújo não citou nomes de empresários envolvidos, nem disse se foi submetido a interrogatório diante de integrantes da Fiesp. Contudo, o ex-militante do VPR disse que a federação financiava a Operação Bandeirante (Oban) e, posteriormente, o DOI-CODI. Ele disse ainda que considera relevante a investigação, porque essa “direita raivosa” ainda está integrada à s atividades da Fiesp.

Com informações do site Brasil 247.

Comentários encerrados.