à‰ possível fraudar a urna biométrica com dedo de silicone?

Médica do interior de São Paulo fraudava ponto biométrico utilizando dedos de silicone; o sistema das urnas biométricas seria vulnerável a esse tipo de corrupção? As eleições no Brasil são seguras? Dá para confiar nos resultados que saem das urnas?

Médica do interior de São Paulo fraudava ponto biométrico utilizando dedos de silicone; o sistema das urnas biométricas seria vulnerável a esse tipo de corrupção? As eleições no Brasil são seguras? Dá para confiar nos resultados que saem das urnas?

Nas eleições municipais de 2012, o TSE testou urna biométrica em 117 cidades do país. Cinco capitais — Aracaju (Sergipe), Curitiba (Paraná), Goiânia (Goiás), Maceió (Alagoas) e de Porto Velho (Rondônia) — votaram pelo novo sistema dispensando o eleitor de assinar a lista de presença das seções eleitorais ou de apresentar documento com foto.

à‰ possível fraudar essas urnas biométricas com dedo de silicone? Parece que sim, há suspeitas de que são vulneráveis a fraudes, tomando-se como exemplo o caso que relato abaixo.

Ao longo da semana passada, a imprensa registrou a confissão de médica presa em flagrante fraudando um ponto eletrônico, no Samu, de Ferraz de Vasconcelos, na grande São Paulo. O sistema é biométrico, idêntico ao usado nas urnas eletrônicas do TSE.

Para se passar por outro profissional, ela usava dedos de silicone para cometer a fraude.

O TSE utilizou 117 mil urnas com leitor biométrico, compradas junto à  empresa Diebold, pelo custo de R$ 143 milhões. Valeu a pena?

As eleições no Brasil são seguras? Dá para confiar nos resultados que saem das urnas?

A polêmica está aberta. Opine.

12 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Pessoal,

    Existem dois tipos de biometria: Cerâmica e 3D.

    APENAS a CERÂMICA pode ser fraudada, uma vez que, a Cerâmica faz apenas uma copia da imagem do dedo.

    A 3D não pode ser fraudada, uma vez que, o leitor faz a contagem numérica das linhas da digital (para reconhecer se a pessoa é ela mesmo) e lança um pulso eletrônico para reconhecer o calor, ou seja, se é uma pessoa.
    A minha empresa trabalha com este tipo de equipamento e é muito eficiente.

  2. Apenas um pequeno detalhe, nos locais onde ocorreram as votações biométricas, era necessário apresentar o título de eleitor ou documento com foto, quanto se encerrar o cadastramento biométrico, todos os títulos terão fotos, logo, além de ter o dedo de silicone, terão de fraudar o documento do eleitor. Imagino que isso esteja mais no campo das teorias de conspiração do que qualquer outra coisa.

  3. Quantos são eleitos sem que tenhamos tido contato com suas campanhas? Estranho, não? Sujeito aparece com uma porção de votos que não se sabe de onde vieram! Uiui! O sistema é falho e passível de fraudes sim! Só não vê quem não quer! Basta uma pequena pesquisa no Google que se encontra uma série de exemplos. Talvez por isso não tenhamos aquela renovação que a sociedade sempre busca. Contra esse sistema só uma Reforma Politica com severas limitações à quantidade de mandatos que o cabra pode ter. Por ex: uma releição só para vereadores, deputados e presidente. Então ficariam pelos menos oito anos fora até poderem se candidatar novamente. E isso sem que possam apresentar nomes de parentes até o décimo grau no sentido de substituí-los. Senadores: uma eleição e oito anos fora! Resolve-se!

  4. Tudo bem que o sistema pode ser fraudado. Mas não com dedos de silicone. Um ou dois votos, talvez. Mas quantos dedos precisaria para uma votação substancial? E como conseguir isso, indo atrás de um por um dos eleitores que não vão votar e pegar a sua digital? E como saber se esses eleitores não irão votar?

  5. Porque até hoje os Estados Unidos não aderiu a esse sistema ? porque ele é falho, e facilmente manipulado, só bobo para acreditar, tem candidatos que jamais teriam tandos votos se realmente fosse seguro, “balelas” somos enganados por todos os lados… Tantos canditos que já deveriam ter caido fora e estão comando a Assembleia, EXPLICA ISSO.

  6. Não, não são seguras eu mesmo não confio nada neste sistema de votação, já que é possível manipular dados a distância, quem me garante que os dados já não estão inseridos dentro da memória de cada urna e com horário marcado para se instalar? A gente sabe que vírus fazem isso e porque não nas urnas não podem fazer o mesmo? E qual a razão de não sair impresso um comprovante de sua votação? Este impresso seria o comprovante de que o meu voto foi mesmo direcionado ao meu candidato e não ao candidato que quem programou as urnas. Eu não confio e jamais confiarei em sistemas que podem ser alterados pelas pessoas.

  7. eu nunca confiei na urna eletrônica, acho que deve ter um chunchão federal na urna ,tem candidado que nem faz campanha e é bem votado fora outros escândalos envolvendo as urnas pelo brasil afora.

  8. O pior é que tem banco pensando em aposentar o cartão magnético e usar essa tecnologia. Mas se isso aí não for seguro, só fazendo exame de DNA das pessoas na fila de votação…

  9. Qualquer processo eleitoral é passível de fraude, o das antigas cédulas, o das urnas eletrônicas e qualquer outro que aparecer, onde existe qualquer tipo de tecnologia envolvida existe novos sistemas para burlar os originais.

    Se um satélite é controlado por computadores a milhares de km da terra, imaginem o que podem fazer com alguns dados inseridos em uma urna. É de conhecimento de qualquer engenheiro de software ou hardware, a facilidade de se transformar informações de acordo com a vontade de quem manda.

    #ficadica

  10. Dedos de silicone já são passado. Qualquer mesário que enxergue ou até mesmo o cego com sua sensibilidade ao toque vão saber a diferença na hora do “dedo siliconado” votar.

    A grande polêmica deveria ser a dos dedos enxertados, já pensaram? Tirar o polegar de um e colocar na mão de outro, como vão saber se nao foi em razão de acidente ou procedimentos cirúrgicos maquiavélicos?

    Acho que vão começar a sumir dedos das pessoas como faziam com órgãos humanos, o cidadão acorda numa banheira cheia de gelo sem o polegar, ou menos pior, com o polegar de outra pessoa…

    Brincadeiras à parte, este o tema pelo menos nos filmes de ficção nem o reconhecimento da retina é seguro…

    O segredo para diminuir a posibilidade de fraudes? Modernização tecnológica + capacitação dos fiscais.

    Lembrar que com a ajuda das máquinas/tecnologia nós otimizamos tarefas, mas jamais substituindo o fator humano de operação destes dispositivos, fiscalização e principalmente orientação dos cidadãos na hora de votar ou realizar atividade correlata biométrica, como uma operação bancária, etc.

    Resumo da ópera: biometria + “olhômetro” rsrsrs…