Um dia depois da renúncia do papa Bento XVI, casamento gay avança

do Brasil 247

Não foi só Bento 16 quem caiu; aos poucos, sua agenda conservadora começa a ser derrotada; nesta terça, 24 horas depois de sua renúncia, os deputados da França aprovam a lei que autoriza o casamento entre pessoas do mesmo sexo, algo que o pontífice definia como "manipulação da natureza"; manifestantes do Femen celebraram a renúncia do Papa dentro da Catedral de Notre-Dame, em Paris.

Não foi só Bento 16 quem caiu; aos poucos, sua agenda conservadora começa a ser derrotada; nesta terça, 24 horas depois de sua renúncia, os deputados da França aprovam a lei que autoriza o casamento entre pessoas do mesmo sexo, algo que o pontífice definia como “manipulação da natureza”; manifestantes do Femen celebraram a renúncia do Papa dentro da Catedral de Notre-Dame, em Paris.

Os deputados franceses aprovaram, nesta terça-feira 12, a lei do casamento entre pessoas do mesmo sexo, coincidentemente um dia depois de o Papa Bento 16 anunciar sua renúncia para o fim do mês. O texto recebeu o apoio majoritário dos grupos de esquerda, com 329 votos a favor, 229 contra e dez abstenções.

O projeto de lei é a primeira grande reforma social do presidente socialista François Hollande, mas ainda precisa ser analisado a pelo Senado, o que deve ocorrer em abril. Apesar de uma manifestação anti-casamento gay organizada em janeiro tem reunido ao menos 100 mil pessoas, uma pesquisa do instituto Ifop feina no mês passado indicou que 63% dos franceses se declaram favoráveis ao casamento entre homossexuais.

O processo já vinha caminhando no legislativo francês, mas é sintomático que tenha dado mais um passo logo um dia depois do anúncio da renúncia de Bento 16, que vinha se posicionando duramente contra a possibilidade de união entre pessoas do mesmo sexo. No último dia 21 de dezembro, o Papa denunciou em discurso o que descreveu como pessoas que manipulam o gênero dado por Deus para adaptar suas ‘opções sexuais’, destruindo a “essência do ser humano” no processo.

Bento 16 fez os comentários no discurso anual de Natal para os agentes administrativos do Vaticano, uma das falas mais importantes do ano, que ele dedicou, no ano passado, à  promoção dos valores familiares. Para celebrar a saída anunciada pelo Papa, ativistas do grupo Femen invadiram nesta terça-feira a Catedral de Notre-Dame, em Paris.

Comentários encerrados.