Sugestão para o metrô de Gustavo Fruet: metade enterrada e outra metade aérea

Enquanto não se tem uma decisão final sobre o metrô, a dica é para que se utilize a bicicleta e o ônibus.

Enquanto não se tem uma decisão final sobre o metrô, a dica é para que se utilize a bicicleta e o ônibus.

O debate acerca do metrô curitibano prossegue. Ninguém se entende. Uma parte dos técnicos prefere o bicho enterrado. Outra acha que fica melhor e mais barato aéreo, sustentado por colunas.

Diante dessa dúvida atroz, este blog tem uma sugestão ao prefeito Gustavo Fruet (PDT): metade do metrô ficaria enterrada e a outra metade ficaria por cima da superfície.

A saída salomônica em casos conflituosos não é invenção deste blogueiro. Já fora utilizada com sucesso na crise do granito! da calçada da Avenida Batel. Fruet encontrou o meio termo. Metade da obra em granito e a outra em concreto (relembre clicando aqui). A solução encontrada ficou boa para ambas as partes. Todo mundo saiu feliz, no final das contas.

11 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Não vejo a mesma cobrança com o desgovernador Beto.
    O cara não fez nada para o Estado e já está fazendo propaganda política para a próxima eleição.
    Fruet nem esquentou a cadeira e já têm programa de TV querendo falar mau do cara.
    Querem reclamar??
    Porque não fizeram quando Beto, juntamente com seu papagaio transformaram a cidade neste caos??

    Eu como servidor sei qual a situação em que a prefeitura se encontra e digo:

    Dêem tempo ao homem,pois a coisa está feia.

  2. A burrice do gustavo faz ele andar de onibus ,bicicletas ,mas isso é hipocresia pura e refinada. quando curitiba vai ter prefeito? ,a lua de mel ja acabou! O povão ja reclama na televisão. eu acho que perder tempo fazendo pose não e legal.

  3. sou favorável ao metrô aéreo é bem mais barato e seguro . Agora gostaria de saber se os empresários dos ônibus vão receber indenizações por perder passageiros ,no primeiro edital do ducci tinha essa clausula de “mimos” aos pobres empresários do transporte coletivo.

  4. Curitiba é uma cidade de ruas estreitas e apertadas, não vejo espaço para construírem um metrô elevado ou de superfície. O metrô subterrâneo parece ser a única possível nesta cidade.
    Outra coisa que deve ser considerada, mas ninguém fala nada, é a integração com a Região Metropolitana. Não vejo motivo para excluir cidades conurbadas com Curitiba, até outras mais afastadas, como Araucária. Talvez este não seja o momento, mas os administradores da(s) cidade(s) deveriam considerar isso para um planejamento futuro. A importância desta discussão também está na questão da viabilidade econômica. São algumas estações (em cidades como Pinhais ou Colombo) que podem aumentar de maneira drástica a demanda de um futuro sistema metroviário.

  5. O PREFEITO GUSTAVO FRUET ANTES ANDAVA DE BICICLETA , E ERA CONTRA O PROJETO DO METRO, AGORA E A FAVOR DO METRO E JA ABANDONOU A BICICLETA ATE A PROXIMA ELEIÇAO. ASSIM E A POLITICA , PARA SER ELEITO , E APOS SER ELEITO.

  6. Todo mundo saiu feliz Esmael? Convenhamos, a parte de cimento da Batel ficou horrível. Economizou um pouco, mas ficou um lixo. É como se você fizesse um banheiro sem azulejo e ficasse contando vantagem que sobrou dinheiro. Metrô aéreo é a mesma coisa. Se for nessa linha de mais barato essa administração vão destruir a cidade! Imagine se teríamos Jardim Botânico, Ópera de Arame ou Parques com essa mentalidade populista!

    • Concordo Sabichão passei hoje esta HORRÍVEL, isto não é governar, daqui um pouco se metade quiser pintar a cidade de rosa e a outra metade de verde vamos virar a Mangueira kkkkkk

  7. Nem sei se você está brincando ou falando sério, mas de fato é a mehor idéia, no centro de curitiba é bem complicado colocar metro/trem de superfície, mas para se conectar com cidades da região metropolitana é bem simples. Deveria ser feito um anel subterraneo semelhante ao inter 2, mas obviamente com diâmetro menor e paradas em locais diferentes (não para substituir o ônibus, mas sim aumentar o percurso dos transportes publicos).

    E para interação com outras cidades e bairros mais afastados é possível fazer um monotrilho, ou metro de superfície. É uma obra cara, com R$2 bi acho que não faz tudo, mas dá pra fazer um começo.

  8. Comentário sobre METRO
    Li a entrevista do nosso Prefeito a respeito do METRO e gostaria de fazer alguns comentários. O que ele falou é de suma importância, só quem está próximo a uma obra, mal projetada pela gestão anterior da nossa Prefeitura, pode ter uma pequena ideia do que seria construir o Metro nas condições proposta. Mora na rua onde estão tentando, a quase dois anos, fazer uma trincheira para passar por baixo da Linha Verde (antiga BR 116), tirando terra (não da para aquentar o pó e a lama quando chove), destruído tudo o que existia (calçadas, jardins, arvores etc.) e colocando no lugar um péssimo pavimento (já tentaram arrumar mais de 3 vezes) grama cheia de mato etc. O comércio na região está quebrando, fecharam lojas e outras demitiram empregados pelo baixo movimento. Alguém tem ideia de como ficará a região se resolverem usar o projeto original? Podem mudar de cidade, pois será insuportável o tempo da construção, provavelmente fecha todo o comércio da região e não será o metro que vai resolver a nova área a ser construída a ter vida novamente, mais ainda, será que vai atender a necessidade da população de Curitiba? Parece-me que o Greca tinha uma solução muito mais inteligente, com menos interversão nas ruas onde seria implementado a construção muito mais econômica, seria o METRO de Superfície. Tive o prazer de andar em no METRO de Miame, perfeito, será que o nosso Prefeito, ou o grupo que está analisando pensou nesta alternativa? Espero que sim e, se possível, dar uma resposta a população.