Sindicato de trabalhadores defende lobby da “indústria da multa” em Curitiba; pode isso?

Pauta estranha: sindicato de trabalhadores defende a continuidade da "indústria da multa" na capital.

Pauta estranha: sindicato de trabalhadores defende a continuidade da “indústria da multa” na capital.

O Sindicato dos trabalhadores em Urbanização do Estado do Paraná, o SindiUrbano, lançou um inusitado boletim eletrônico criticando o secretário Municipal do Trânsito de Curitiba, Joel Krà¼ger, que defendeu o fim da “indústria da multa” na capital.

Na gestão do prefeito Gustavo Fruet (PDT), enquanto eu estiver à  frente da Setran (Secretaria de Trânsito), não haverá indústria da multa. Eu decreto, a partir de hoje, o fim dessa sanha arrecadatória!, disse ao blog o secretário, no último dia 30 de janeiro (clique aqui para relembrar).

Para um bom entendedor meia palavra basta. O SindiUrbano, ao invés de defender os trabalhadores, se alinhou à  “indústria da multa” liminarmente. Pode ser um encontro tácito, mas é nocivo aos curitibanos que também são contra a indústria da multa e suas arapucas eletrônicas.

Esse é o objetivo, não aplicar multas. Só mesmo em casos extremos!, afirmou Krà¼ger, o que é contestado pelo Sindicato:

“… a que o secretário se refere e em quais estatísticas ele se baseia para fazer esta afirmação[?]”, questiona o SindiUrbano, que ainda afirma que na capital “mais de 60% das multas são aplicados por radares e lombadas eletrônicas ou por agentes do BPtran”.

Na prática, o Sindicato em questão defende as mesmas bandeiras que as empresas de radares. Uma pena.

Este blogueiro, desde sempre, é contra o lobby da “indústria da multa”. Portanto, todo o apoio ao secretário Joel Krà¼ger.

A seguir, eu publico a íntegra do Boletim do SindiUrbano:

INFORMATIVO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES EM URBANIZAà‡àƒO DO ESTADO DO PARANà

13 DE FEVEREIRO DE 2012

SINDIURBANO-PR REPUDIA DECLARAà‡à•ES DO SECRETàRIO DE TRà‚NSITO DE CURITIBA

O SINDIURBANO-PR é o Sindicato dos trabalhadores em Urbanização do Estado do Paraná. Em Curitiba, representa os funcionários da URBS e da CURITIBA S.A.

O secretário fez afirmações irresponsáveis que estimulam os condutores a não respeitarem o trabalho dos agentes de trânsito da SETRAN

O SINDIURBANO-PR questiona o que o secretário considera como indústria de multas! e casos extremos!

O SINDIURBANO-PR repudia as declarações do secretário de Trânsito de Curitiba, Joel Krà¼ger, realizadas para o Blog do Esmael, site que trata de política em Curitiba e Região Metropolitana.

Sob o pretexto de acabar com a indústria das multas em Curitiba!, o secretário afirmou que o objetivo de sua gestão é que os agentes de trânsito possam passar todo o dia de trabalho sem aplicar nenhuma multa em toda a capital. Além disso, Krà¼ger declarou que os autos de infração só seriam aplicados em casos de extrema necessidade.

O SINDIURBANO-PR questiona qual é esta indústria da multa! a que o secretário se refere e em quais estatísticas ele se baseia para fazer esta afirmação. O SINDIURBANO-PR esclarece que, em Curitiba, mais de 60% das multas são aplicados por radares e lombadas eletrônicas ou por agentes do BPtran, segundo dados da Gazeta do Povo, publicados em maio de 2012.

De acordo com uma matéria veiculada no programa Paraná TV 2!ª Edição, no dia 2 de fevereiro de 2013, de cada 100 multas aplicadas em Curitiba, 55 são aplicadas pelos radares, em sua maioria por excesso de velocidade.

Além disso, dos cerca de 40% de autos de infração aplicados pelos agentes de trânsito da SETRAN, parte significativa vem do estacionamento regulamentado, aplicada aos veículos estacionados de forma irregular, que não respeitam o tempo de estacionamento rotativo ou não utilizam o cartão nas vagas do EstaR, prejudicando a rotatividade e o comércio.

E mesmo após ter recebido o aviso de regularização, a transformação deste aviso em multa só depende do condutor, já que este pode regularizar a sua situação em um posto de atendimento da SETRAN e, assim, não ser multado.

O Sindicato cobra, ainda, explicações sobre o que Krà¼ger considera como caso extremo!, já que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) define que constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções do CONTRAN, sendo o infrator sujeito à s penalidades e medidas administrativas. No trânsito, a irresponsabilidade do condutor coloca em risco a saúde e a segurança das pessoas, além de prejudicar a circulação nas cidades.

EDUCAà‡àƒO NO TRà‚NSITO

O SINDIURBANO-PR defende que sejam realizadas iniciativas com o objetivo de melhorar a educação da população. Porém, esta condição só é possível a partir da efetivação de uma verdadeira política de educação de trânsito de forma intensiva e permanente nos meios de comunicação, além da implantação da educação de trânsito como matéria curricular no ensino fundamental, por parte do atual prefeito.

Vale destacar que, segundo o CTB, a educação para o trânsito será promovida na pré-escola e nas escolas de 1!º, 2!º e 3!º graus, por meio de planejamento e ações coordenadas entre os órgãos e entidades do Sistema Nacional de Trânsito e de Educação, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, nas respectivas áreas de atuação. Além disso, de acordo com o Código, o percentual de 5 % do valor das multas de trânsito arrecadadas será depositado, mensalmente, na conta de fundo de âmbito nacional destinado à  segurança e educação de trânsito.

Apesar da importância da orientação, que já é realizada diariamente, o agente de trânsito da SETRAN deve fiscalizar e autuar os condutores que não estejam de acordo com a lei, atividade esta que tem, inclusive, a função de prevenção de acidentes e de defesa da vida de pedestres, ciclistas e demais condutores.

Os agentes de trânsito devem ter autoridade e autonomia na fiscalização do trânsito e seu trabalho deve ser respeitado não apenas pelos usuários, mas principalmente pelas autoridades, já que só é multado quem transgride a lei. Além disso, o condutor só respeitará a legislação se tiver certeza que será punido ao ignorá-la.

O SINDIURBANO-PR questiona se o secretário está propondo a mudança do Código de Trânsito Brasileiro quando afirma que a função do agente será apenas de orientação. Isso porque o CTB define o Agente da Autoridade de Trânsito como a pessoa, civil ou policial militar, credenciada pela autoridade de trânsito para o exercício das atividades de fiscalização, operação, policiamento ostensivo de trânsito ou patrulhamento.

Declarações irresponsáveis como a do secretário de Trânsito, estimulam os condutores a não respeitarem o trabalho dos agentes de trânsito e não aceitarem nem mesmo a orientação. Por outro lado, o Sindicato questiona o secretário como o agente irá apenas orientar o condutor quando este avançar o sinal vermelho ou dirigir em alta velocidade no centro da cidade e em bairros residenciais.

O secretário de trânsito deveria, primeiramente, conhecer a SETRAN e as atividades desempenhadas pelos trabalhadores, ao invés de fazer declarações irresponsáveis. Além disso, os agentes de trânsito aguardam a visita do secretário, já que Krà¼ger ainda não se apresentou para todos os trabalhadores da Secretaria, entre eles, muitos agentes de trânsito.

Veja a íntegra da entrevista do secretário ao Blog do Esmael Aqui.

100 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I simply want to mention I am just newbie to blogs and really enjoyed you’re website. Very likely I’m want to bookmark your website . You definitely have tremendous articles and reviews. Thanks a bunch for sharing your web page.

  2. Para acabar com a industria da multa eletrônica basta substituit tais aparelhos que chamam de controladores e redutores de velocidade, respectivamente, lombadas eletrônicas e radares, pelas lombadas físicas e travessias elevadas, que atingem os resultados esperados e não multam. Nestes equipamentos muitos prefeitos enxergam arrecadação, apenas isso, arrecadação.

  3. Esmael, você está perdido, hein? ou o PT tá “trabalhando” para com você?
    Você defende esse tal joel kruger, de passado duvdosíssimo, que por onde passa, ficam apenas a vontade de nunca mais vê-lo? Ele é seu amiguinho? Pois saiba que ele é mentiroso, porque desde que ele entrou, única coisa que ele quer é arrecadar mais! Sim, disso eu SEI! E sei mesmo! Não preciso de telhado, não. Não sou disso, aliás, tô longe dessa droga!

  4. Prezado Joãzinho. Genial e excelente a tua idéia de colocar neste debate o desenho do Pateta. Este desenho animado é histórico e você, com rara felicidade, o colocou para que muitos possam vê-lo. Acertou na mosca. Parabéns.
    Os condutores que assistirem o desenho, com um pouco de sabedoria entenderão que, mesmo que o desenho já esteja com uma idade bastante avançada, ainda hoje temos condutores que se enquadram perfeitamente nele.
    Assim como você, muitos outros comentaram posicionando-se discordantes sobre a indústria das multas. Tenho comigo que, os condutores habiitados, isto porque muitos dirigem sem a CNH, conhecem e devem praticar as regras do trânsito, pois se não fosse assim, não teriam sido aprovados nos exames de habilitação. A CNH é muito mais do que um documento,deveria ser entendido como um contrato, um compromisso do habilitado com a cidadania, com a saúde e com a vida. Porém, muitos se deixam enganar por influências psicológicas da sua vida particular e despejam suas frustações na direção do veículo. Nesta oportunidade digo que as campanhas e programas de conscientização tornam-se importantes pois acredito na capacidade de mudança de comportamento por parte do ser humano condutor, exatamente por ser racional. Sem deixar em segundo plano a autuação, que é uma forma penalizadora de também motivas para a mudança de comportamento. O que todos queremos: um trânsito em que nos comportemos com obediência e a drástica diminuição dos condutores desobedientes, já que infrações causam acidentes, acidentes podem causar vítimas e estas vítimas podem ser os condutores obedientes, infelizmente. Parabéns pelo desenho do Pateta colocado no debate e também para o autor do mencionado desenho. Saudações.

  5. Meus amigos. Faço aqui uma proposta: vão para as ruas e observem quantos condutores passam no sinal vermelho, quando até poderiam parar, cumprindo a Lei e evitando o risco para si e para os outros. Quantos condutores estacionam em locais proibidos e ligam o pisca, imaginando que com o pisca funcionando legalizam a irregularidade. Quantos condutores fazem a conversão a esquerda proibida, causando lentidão ao tráfego. Quantos condutores fecham o cruzamento, impedindo que o veículo na transversal se desloque gerando congestionamento. Quantos condutores dirigem usando o celular, perdendo parte da atenção. Quantos condutores, apesar a lei seca, dirigem em estado de embriaguêz alcoólica. As infrações de avanço de semáforo, ultrapassagem irregular, excesso de velocidade, conduzir o veículo embriagado geram acidentes e muitas vezes vitimizam um outro condutor que está dirigindo obedecendo as regras de circulação. Dirigir sem usar o cinto de segurança ou pilotar sem capacete não causam acidente, porém agravam os resultados em termos de vítimas fatais e com ferimentos graves. O grande problema é que muitos condutores não levam o trânsito a sério. Se o culpado pelo acidente sofrer os danos físicos da sua impriudência, menos mal, é dureza quando o culpado sai ileso e o inocente sofre os danos físicos da colisão. Há um grave problema entre os homens condutores: para eles, no ato de dirigir e no ato sexual, julgam-se os melhores e nada tem a corrigir. As colisões com resultados mais graves acontecem justamente nas noites e madrugadas dos finais de semana, com a cidade sem tráfego o motorista abusa querendo provar que é o melhor motorista. Daí vem a enganosa emoção da velocidade, a roleta russa nos cruzamentos, os rachas. Se tivesse o poder decisório, não colocaria os semaforos no piscante amarelo na madrugada; mas também se fosse guarda, teria o bom senso de não aplicar a autuação se o condutor, diante do vermelho, parasse, olhasse para a transversal e em não vindo outro veículo, passasse com segurança. Pela lei, seria uma infração, porém ao interpretar o espírito da lei, há uma situação que até justifica tal infração : a possibilidade de ser abordado por assaltantes. Desta forma, a partir das 00 hora, na madrugada, até às 0600 horas, mesmo sendo uma infração, verificando que a passagem no cruzamento foi feita com segurança , ao interpretar o espírito da lei, NÃO MULTARIA. Isto significa bom senso e equilíbrio. Pergunto: é justo multar motoristas que na madrugada, em uma via larga, em frente de uma boate, estejam em fila dupla e devidamente sinalizados, a espera de um cliente que vai usar o serviço de taxi? É uma infração? SIM. Precisa gerar uma autuação? De acordo com o equilíbrio e o bom senso, NÃO. Esta é a minha opinião, que pode, evidentemente ser contestada e discutida. Assim sendo considero que tanto a infração como a autuação são itens muito sérios, de grande responsabilidade tanto para o condutor como para o fiscal, e por este motivo, em sendo necessária, deve ser aplicada com justiça, imparcialidade. Por outro lado, o condutor tem obrigação de se convencer ou ser convencido que não vale a pena cometer a infração, fiscalizada ou não. Para tanto, a CONSCIENTIZAÇÃO É FUNDAMENTAL E IMPRESCINDÍVEL. Finalizando digo : é o homem e a mulher condutores que tem o poder de decidir entre cometer ou não uma infração. Se decidir por cometer a infração deve ter a dignidade de assumir as consequências, fazendo com que a multa exerça o seu papel corretivo, doído, mas corretivo. Muitos condutores sensibilizam-se pela conscientização, porém, uma parcela considerável só vai se corrigir pelo pagamento da multa, da perda dos pontos , pela obrigatoriedade de fazer a reciclagem e pela suspensão da CNH. Sou favorável a correção de comportamentos pela conscientização, pois tenho certeza de que condutores apesar de infratores, a imensa maioria não é bandido.

    • Concordo com seu ponto de vista, Cel. Luiz Eduardo e digo que é justamente esse equilíbrio que o Sr. demonstra em sua palavras que está faltando em nossa sociedade. Que bom se todos, tanto o condutor como também o Agente de Fiscalização, tivessem a capacidade e a “boa vontade” de analisar cada caso, cada situação, e aplicar a melhor solução no momento. Infelizmente não é isso que observamos, nos dois casos, com muitos motoristas achando que são donos da rua e alguns agentes e policiais pensando que são donos da razão. Aprendi há algum tempo atrás que não posso estacionar em guia rebaixada, mesmo que seja a da minha casa, pois o agente de trânsito não tem o dever de saber quem mora ali, como também não pode “adivinhar” se o veículo que está com o pisca-alerta sofreu uma imobilização de emergência ou se seu condutor foi comprar pão e já retorna…Situações normais no nosso dia-a-dia, que já é complicado por natureza da profissão, e se torna pior com a falta de apoio da população, que tenho certeza, querem o melhor para a cidade. Gostaria de que, ao invés de gastarem seu tempo e suas energias combatendo os meios de fiscalização e arrecadação utilizados pelo Estado, que tal, então, fiscalizar a aplicação desses recursos? Aí, sim, estariam desempenhando seu papel de cidadão participativo e consciente, colaborando para que todos saiam lucrando com isso e não só uma pequena parcela, seja de empresários, políticos ou infratores.

  6. Máfia das multas e lombadas eletrônicas fatura R$ 2 bi por ano
    O repórter Giovani Grizotti mostra o retrato escandaloso de como funciona a indústria das multas no Brasil.

    reportagem do fantastico, seus manés!!!nao distorçam os fatos!!O Esmael juntamnte com varios brasileiros, se posicionam contra as industrias/mafias das multas…
    ninguem esta defendendo motoristas infratores!!!!AGORA…, multas emitidas de traz das moitas é ilegal!!! Bem como é ilegal as cotas impostas aos agentes de transitos, pla prefeitura…
    SOU CONTRA A INDUSTRIAS/MAFIAS DAS MULTAS!!! SEJA A S MULTAS DE RADAR OU Ñ!!!!SOU CONTRA A INDUSTRIAS DAS MULTAS!!!

    • A indústria da multa é uma farsa, tanto quanto esse comentário “…cotas impostas aos agentes de transitos, pla prefeitura”¦”. Eu também pensava assim, tinha preconceito, julgava os agentes, é próprio do ser humano, temos raivas de punições, quem gostava de apanhar do pai (quem tinha um) na frente de coleguinhas: é a mesma vergonha que sentimos quando somos multados. Mas não temos o direito de falar coisas que desrespeitem quem trabalha com seriedade pra uma cidade melhor só porque fizemos cagada e fomos multados.

  7. Já falei e vou falar de novo: O CTB vai continuar a ser cumprido independente da vontade do agente de trânsito, do secretário, do prefeito, minha, do Esmael.
    Guerra é guerra, e o infrator sempre sai perdendo e falando asneiras: indústria da multa e blá blá blá.
    Tenho pena de vocês ratos infratores. Acabem com a indústria da multa – não cometam infração de trânsito. Tenho habilitação há treze anos e só três multas no prontuário.
    E parabéns ao Esmael que conseguiu visibilidade com essa polêmica toda e conseguiu mais um possível voto: o meu.

  8. QUE OS INGENUOS DEFENSORES DOS RADARES VEJAM QUE TEM RADARES EM RUAS QUE NUNCA EXISTIRAM ACIDENTES, EM CURITIBA ESTÃO POSICIONADOS COMO ARMADILHAS MONTADAS EM ACERTOS DE CAMPANHA POLITICA PARA ARRECADAR FUNDOS DE CAMPANHA

  9. Parabéns a Gilmar, um dos últimos a comentar aqui.
    Realmente este Esmael é um [email protected], “Indústria da Multa”? Orientar, fala Sério!
    Conheço pessoas que dirigem todos os dias a mais de 20 anos que nunca tiveram multa porque respeitam as leis, aos Condutores baratos que “compraram” sua habilitação e nunca leram o CTB, a velocidade de uma via é determinada pelo tipo de ligação e pavimentação ou quando existe sinalização diferenciado algum trecho (ex.: área escolar), se os CUritibanos não respeitam nem a sinalização e os rídiculos radares que graças a “políticos” fdp têm que estar sinalizado seu local de instalação, imagine se não houver punição. Orientar pra que, a orientação já ocorreu nas Auto-Escolas e na obrigação de cada condutor saber e respeitar o CTB. alias em Curitiba deveríamos ter os modernissimos radares de tempo de percurso, onde é calculado o tempo necessário para fazer um deslocamento na via dentro do limite de velocidade, hoje o camarada anda a 100km/h e na frente do radar a 60km/h, que hipocrisisa.
    O pior é ver que muitas pessoas que estão postados seus comentários aqui a favor do idiota deste blog, esquecem que se não moram em ruas mais tranquilas, pelo menos têm parentes, amigos ou conhecidos que apesar de morarem numa rua mais “tranquila” as vezes são surpreendidos ou atropelados por motoristas que trafegam em alta velocidade até em vias coletoras ou locais (40 e 30km/h), locais estes que não têm nenhum radar.

    • O que o desespero por um capilé gordinho no final de semana não faz com o cidadão! Tome tento “troll” da indústria da multa. Aqui neste blog você não se cria!!! Xô, Satanás!!!

  10. Jesus! Quanta asneira esse Esmael posta. Deve ser um dos caras que mais da matéria-prima para a suposta “indústria da multa” que ele tanro fala que existe. O radar tá lá paradinho sempre no mesmo lugar é só respeitar o limite de velocidade da via, será que é difícil. A melhor maneira de acabar com a suposta “indústria da multa” é respeitar a lei. Tão fácil!

    • Já falei que só ando a pé, de skate ou de bicicleta. Se a indústria da multa dependesse de mim já estaria exterminada.

  11. Esmael

    Acho que essa você perdeu, pois todo cidadão decente entende que o radar é um equipamento que apenas registra a velocidade que o veiculo passou em determinado ponto onde se encontra instalado, ai é com o motorista se vai respeitar a velocidade permitida ou ultrapassa-la.

    Outra coisa são as licitações escusas que são feitas em nossa cidade, quanto a ela você tem o apoio de todo cidadão.

    Se o problema é a licitação e as possíveis corrupções que podem estar envolvidas, acho que devemos fazer a campanha pela compra e gerenciamento do equipamento pela prefeitura.

    Seu comportamento até aqui esta muito estranho para quem te conhece da época do movimento estudantil. Inclusive um de seus companheiros da época do movimento estudantil do PC do B e da UJS é empregado de alto escalão de empresa de Radar.

    • Essa eu não perdi. Os trolls são do lobby do radar, que não quer largar a teta. Somente vai perder a indústria da multa. Ganharão os curitibanos. Menos um roubo.

  12. SE DESEJA MUDAR AS LEIS, PRIMEIRO CUMPRA-AS

    • Quer garantir a indústria da multa? Mantenha os radares! Bobagem.

      • Esmael, você já teve argumentos melhores para convencer as pessoas de suas teses! Será que nem você mesmo acredita na tal indústria da multa? Aonde você leu no comunicado que o sindicato está defedendo os radares? Acho que você está com um problema de interpretação de texto, volta pra escola meu camarada!
        Saudações!!!

        • Hmmmmm… Tá nervosa, santa?

          • Não tem argumentos para defender a posição do seu amigo secretário então não defenda! Não existe a indústria da multa, o que existe é pessoas que são multadas e que não tem argumentos para dizer que não cometeram as infrações! Claro que no caso das imagens do caso do deputado aconteceu algo errado, porém não se pode julgar um sistema todo por um fato isolado, que deve sim ser apurado! Porém dizer que a solução é queirmar radares é promover a bandalheira e a desordem na cidade!!!
            E tenho dito!!!

          • Vou ser mais “humano” com os radares: eles precisam ser presos aos carros e arrastados pelas ruas. Chega de roubalheira, chega de indústria da multa!

  13. Beleza!
    Agora vou poder correr a vontade na cidade sem receber cartinha em casa depois!!!

  14. Cade as imagens do acidente do deputado? Não tinha radar no local?E as imagens da camera do posto de gasolina?Claro, tudo caiu no esquecimento de quem não tinha algum envolvido no acidente.

  15. O Blogueiro deveria agradecer ao Sindiurbano, pois, através dessa nota muito bem construída e fundamentada, veiculada em vários jornais, foi possível divulgar o nome desse Blog para todo o estado. Parabéns ao Sindiurbano por defender seus trabalhadores representados. É preocupante ver pessoas criticando as mazelas da política e os políticos e ao mesmo tempo defender o não cumprimento das leis. Se há esse dita “indústria da multa”, que não acredito, a matéria-prima são os condutores que não respeitam as leis de trânsito.

  16. Não cabe à Setran promover “educação para o trânsito”, que é tarefa de auto-escola. Motorista com carteira de habilitação é obrigado a obedecer às leis de trânsito. Se descumprir, deve ser punido na exata forma da lei, que é para todos indistintamente. Os equipamentos como radares são utilizados em todas as cidades do mundo desenvolvido – inclusive nas de pequeno porte – pois as imagens constituem provas irrefutáveis das infrações. Reclamar da suposta “indústria da multa” é chororô de gente incivilizada que quer reinstalar a barbárie no trânsito, um espaço de vida em coletividade que necessariamente deve ser regulado, já que os veículos automotores são usados como verdadeiras “armas” por alguns indivíduos. Sem radares voltaria a lei do mais forte.

    • Os radares nestas plagas são sinônimo de corrupção. Quem não se lembra daquela reportagem no Fantástico, que motivou o rompimento do contrato da prefeitura de Curitiba com a Consilux? Quanto às imagens, ora as imagens, até agora a família Yared procura aquelas apagadas do radar… Lembra? A indústria da multa tem que acabar. A educação no trânsito significa campanhas educativas, diferente o que propõe as autoescolas — que tem o propósito de ensina a dirigir.

  17. No mínimo o Esmael tem mais de 180 pontos na carteira de habilitação e certamente, tdas as infrações foram de radar. Por isso a raiva dele. Dá-lhe alimento prá essa indústria heim meu
    senhor?

  18. Esmael, você tem alguma razão ao falar em indústria da multa. Por exemplo, em razão de as empresas de radares e lombadas eletrônicas lucrarem por autuação.
    No entanto, você como Homem de esquerda, deve entender a diferença entre a indústria da multa (predatória e arrecadatória) e a realidade de aplicação de uma legislação protetiva por agentes preventivos que presenciando um ato infracional mesmo diante de sua presença ostensiva, devem orientar quando possível, ou aplicar a lei.
    Lembremos, inclusive, que o agente público deixar de aplicar a lei no exercício da função é crime de prevaricação.
    Militamos juntos Esmael. E eu sou um dos fundadores do SindiUrbano, apesar de não ser mais de sua base e ser mais próximo a sua oposição. Mas posso dizer que a nota do sindicato está até superestimando a participação dos Agentes de Trânsito no total de multas, pois não se pode contabilizar no montante geral aquelas decorrentes do EstaR. Os Agentes de Trânsito respondem, na verdade, por menos de 20% das multas aplicadas. Mas são vítimas de 90% das hostilidades dos motoristas infratores.
    Uma bandeira que começamos quando eu estava no SindiUrbano era de substituição de parte dos elementos de fiscalização eletrônica por Agentes de Trânsito, cuja presença é muito mais eficaz em termos de prevençãode infrações.
    No entanto, há a necessidade também de lembrar que não há indústria da multa sem indústria das infrações de trânsito.
    Ser contra a indústria da multa é propor o fim da vinculação entre aplicação de multas e arrecadação de empresas, aumento do efetivo de Agentes de Trânsito, melhor remuneração e treinamento para os memos, estatização de todos os elementos de fiscalização eletrônica, fiscalizar o desvio de recursos de multas para outras áreas que não sejam a educação no trânsito e melhorias na segurança viária, etc.
    O resto, me desculpe, mas é fazer coro com deputadinho playbou que anda a 190KM/H e acha que matou apenas por acidente após tomar umas e outras!

  19. Prezados senhores e senhoras. Colocar os seus comentários no blog com referência a questão trânsito é um fato que estou considerando formidável, porque dificilmente as pessoas debatem sobre trânsito, dificilmente procuram entender que o trânsito é muito mais que ligar o motor, retirar o carro da garagem e começar a circular pelas vias. O fato é realmente sentido quando um familiar perde a vida por causa de um acidente gerado por uma infração, particularmente pela imprudência. O trânsito é muito, muito mais do que simplesmente. dirigir um carro, tendo como pensamento o levar vantagem, o dividualismo, o ficar bravo quando o semáforo fica vermelho e o objetivo do motorista era não perder tempo parando no cruzamento, é muito mais do que ter que manter a distância de segurança já que o carro da frente, sinalizando devidamente tem que diminuir a velocidade para virar à direita. É uma questão multidisciplinar que deve sim, ser debatida e cada vez mais. Lembram do desenho animado do Pateta: quando era pedestre criticava o comportamento dos motoristas e quando assumia a direção do seu carro, cometia todos os erros, erros estes criticados pelo próprio Pateta na condição de pedestre. Tive a oportunidade de conversar com o Eng Joel, Secretário de Trânsito. Conversa proveitosa pela simplicidade dele, pelas suas intenções corretas e respeitosas para como bem comum. Assim como ele falou, permitiu-se também ouvir. Destaquei o meu pensamento sobre a indústria de multas. A fiscalização tem, no mínimo, 3 funções: fiscalização de orientação, fiscalização de conscientização e fiscalização de penalização. A indústria de multas acontece se, o fiscal ser humano autuar da mesma forma durante o dia ou durante a noite; em dias de semana e no domingo; sem interpretar as circunstâncias que envolvem a infração. O Secretário aposta muito na palavra equilíbrio e isto quer dizer que mesmo diante de uma infração o agente pode orientar, tentar conscientizar e até mesmo autuar. Há certamente aqueles radicalistas que somente pensam na infração-autuação-infração-autuação. Posso afirmar que a idéia do Secretásrio não é não multar nunca, mas sim, em obediência ao princípio do equilíbrio, multar quando necessário e ter o discernimento de entender que, conforme o dia, hora, local e circunstâncias uma orientação pode ser mais importante do que uma autuação. Não há como deixar de multar, uma vez que muitas infrações são cometidas e colocam em risco a vida. É evidente que para que este coceito não seja apenas uma utopia, é preciso que os condutores comecem a tomar consciência da importância de não cometer a infração, ter auto disciplina e ser o fiscal de si mesmo. Este cenário entre o agente e o condutor poderá mudar, se houver equilíbrio por parte de ambos. Pergunto: qual dos 2 condutores é mais valoroso:aquele que deixa de avançar o sinal vermelho porque o guarda está no cruzamento ou aquele que deixa de avançar o sinal vermelho porque tem consciência e analisou o risco desta atitude? O Secretário só quer isto, pois uma vez conhecendo a legislação de trânsito,a auto disciplina e a consciência prevaleça e não se cometa a infração. É indústria de multa se os equipamentos eletrônicos de fiscalização estiverem colocados em locais que vise mais a arrecadação do que o evitar um acidente. Creio que as pessoas devem, em respeito a capacidade técnica e emocional do Secretário Joel, que por ser engenheiro poderia adotar uma conduta eminentemente técnica e determinar: infração-multa-infração-multa, sem analisar data,hora,local e circunstâncias, no entanto preferiu dar um crédito de confiança aos agentes e condutores, apostando na capacidade de equilíbrio de ambos e isto é algo que deve ser conhecido e apoiado. Mas de uma coisa podem ter certeza: as autuações continuarão a acontecer de forma justa, educada, sensata, amparada pela legalidade, mas com uma pitada de bom senso e coerência. Por outro lado e pelo que percebi, é um Secretário de portas abertas para o diálogo e isto é muito bom. Parabéns a todos os que estão se manifestando sobre a questão trânsito e peço a gentileza de levar tal discussão para a família, para a escola, para a empresa, enfim, abracem este empreendimento de falar sobre trânsito.
    Isto pode representar a diferença entre a vida e a morte. Somente o sentimento de gratidão por ter e poder dirigir um carro, num universo de pessoas que nem andar podem, já deveria ser um motivo fundamental para respeitar as leis do
    trânsito e de uma vez por todas acabar de lançar a culpa pelos acidentes, mortos e feridos na vontade divina. Obrigado, sejam felizes e não esqueçam: TRÂNSITO – RESPEITO É BOM E ELE MERECE. E É TÃO SIMPLES E SENSATO
    RESPEITÁ-LO. TODOS QUE TEM UM MÍNIMO DA ESSÊNCIA DO BEM NO SEU INTERIOR PODEM FAZÊ-LO. ACREDITEM E PRATIQUEM.
    Volto a dizer: o

  20. Caro Esmael, sou Agente de trânsito da Setran, e gostaria de esclarecer como é realizado nosso trabalho. Veja oque diz o CTB: “Art. 280. Ocorrendo infração prevista na legislação de trânsito, lavrar-se-á auto de infração…”
    Note que o código exige a emissão do Auto na constatação da infração, não falando em orientação, oque deve ser feito antes do cometimento da infração. O Agente da Autoridade de Trânsito, na sua condição de Agente Público, tem o dever de cumprir oque se pede, sob pena de responder processo administrativo se não o fizer. O Secretário de Trânsito, no seu comentário, tinha a melhor das intenções, mas não atentou para o fato da legislação de trânsito não estar de acordo com seu raciocínio. Oque ele pede é inviável. Seria melhor, então, promover mais campanhas educativas, para que os condutores estejam melhor preparados e conheçam melhor e respeitem as leis de trânsito. Outra alternativa seria a aplicação do Art. 267: “Poderá ser imposta a penalidade de advertência por escrito à infração de natureza leve ou média, passível de ser punida com multa, não sendo reincidente o infrator, na mesma infração, nos últimos doze meses, quando a autoridade, considerando o prontuário do infrator, entender esta providência como mais educativa.” Assim, o Agente de trânsito não poderia ser acusado de prevaricar, e o condutor receberia a “orientação” por escrito, em sua casa. Agradeço sua atenção e compreensão. Obrigado.

  21. Segundo um proverbio chinês “uma imagem fala mais do que mil palavras” e a imagem que ilustra esta coluna diz tudo. Não tem o que comentar é um ASSALTO A MÃO ARMADA da industria da multa e o sindicato só pode der patronal (dos donos das empresas de radares), pois de trabalhor não é nem aqui e nem na China.

  22. Prezado
    Acompanhei a polêmica sobre a tal “indústria das multas”, mas parece que ninguém vai chegar a nenhuma conclusão com isso, pois possivelmente a verdade está no meio termo. Parece claro que os esquemas arrecadatórios existem, mas queimar os radares também não resolveria muita coisa. As gerações de motoristas com parcas noções de respeito e civilidade indicam a necessidade de repressão, ou o banho de sangue tende a aumentar ainda mais. É só dar uma olhadinha em volta, como as pessoas se transformam e se tornam agressivas ao volante. Acho que o Secretário foi infeliz, pois deveria buscar mecanismos de maior educação no trânsito, mas não se pode abandonar a repressão aos “assassinos em potencial” .
    Att

    • Nada de meio termo. Você está errado. Quando os radares foram desligados em 2011, por força de liminar, os índices de acidentes no trânsito caíram em Curitiba. Essa história de repressão aos “assassinos em potencial” é mais uma balela do lobby da indústria da multa. Sem negociação.

      • Este argumento da liminar é insuficiente para comprovar sua tese, mas por outro lado as mortes do trânsito por dia no Brasil estão na casa das centenas, isso é uma realidade indiscutível. Este é um assunto da maior importância para nossa sociedade, por causa do imenso custo, da impunidade, da destruição de famílias inteiras.
        Att

        • Ah, tá. Então os radares coibiram mortes no trânsito?! Que bobagem. Chega de indústria da multa!

          • Parabens Esmael por sustentar sua opinião diante destes ai que vêem os infames radares como salvação de vdas no transito> Certamente muitos deles são ligados a isto. E outra! se assim fosse aquele famoso caso do deputado não teria ocorrido, e até mesmo estranho, que este sim um abuso de velocidade o radar dizem nem se quer registrou! Sou muito mais a favor de lombadas fisicas. Mas certamente os criticos ai a sua posição, serão contra, pois estas não arrecadam, somente faz os motoristas diminuirem a velocidade. rsrsrsr

  23. E o IPEM ainda não protestou?BOA PARTE DE SUA ARRECADAÇÃO QUE PAGA OS BONUS PARA PRODUTIVIDADE DE SEUS FUNCIONÁRIOS VEM DA COBRANÇA DE TAXAS COBRADAS PARA A “AFERIÇÃO “DOS RADARES……

  24. Prezados José Carvalho, Gustavo, Iaco e Rui é duro nós abrirmos um blog e vermos que o Blogueiro tem uma visão mediocre e radical, um cidadão que deveria lutar pelo cumprimento da lei, doa a quem doer. Porém ele não consegue defender que todo cidadão ao habilitar-se para conduzir veiculos, deve ter como principio o cumprimento da legislação de transito. quer seja no perimetro urbano ou nas rodovias, ele acha que ser multado por exceder o limite de velocidade é crime contra a economia popular, más ultrapassar o limite de velocidade é glorioso e deve receber condecorações. Poxa meu caro Esmael, deixa de ser ignorante, seja mais realista, ande dentro dos limites da lei para que você seja amparado por ela.

    • Quem acredita em Papai Noel?

      • Esmael, você é uma pessoa que sabe o que faz, reconheça que no afã de defender o Secretário Joel Kruger, você destorceu o que o sindicato disse! Na nota deles em momento algum eles defendem os radares da cidade! Porém na minha humilde opinião todo o motorista sabe bem o que faz e que caso descumpra o CTB será punido!

        • Não defendi ninguém. Nem tenho procuração para defender o secretário. Apenas sou contra a indústria da multa. Nisto eu concordo plenamente com Joel Krüger. A minha posição é histórica, não surgiu hoje. O resto é perfumaria.

      • SÓ VC NÃO ACREDITA, POIS A ESPERANÇA DE UMA CIDADE MELHOR E COM UM TRÂNSITO SEGURO É O QUE NÓS QUEREMOS, VC COMO JÁ DISSE ANTERIORMENTE SOMENTE OS O MAIORES INFRATORES QUEREM UMA CIDADE SEM LEI E COM FAMÍLIAS CHORANDO PELA VIDA DE SEUS ENTES QUERIDOS.

  25. O secretário é tão mentiroso quanto os anteriores: ele diz que vai acabar com a indústria de multas mas planeja ampliar o EstaR. O EstaR é o melhor exemplo da sanha arrecadatória da Setran, é uma máquina de gerar dinheiro e não tem NENHUMA relação com trânsito.

    • O ESTAR tem tudo a ver com trânsito, ele democratiza as vagas de estacionamento públicas no centro ou onde houver grande demanda por estacionamento. Deixe-me explicar o objetivo do estacionamento rotativo. Como o próprio nome já diz: rotatividade, para que um maior número possível de pessoas possa usar aquela vaga durante o dia por um número de horas limitado, dando a vez a outros. Se não tivéssemos Estar uma pessoa poderia chegar de manhã e deixar o veículo o dia todo próximo ao seu emprego ou casa, dai não haveria vagas para a maioria que as vezes precisa resolver um negócio rápido. Será que o comércio sobreviveria sem o ESTAR, quanto seria a hora de um estacionamento particular no centro. Sem ESTAR as vagas seriam então, privadas, será que existiria uma máfia de guardadores que cobrariam por mês por aquela vaga? Você consegue perceber o caos que isso causaria. Reflita.

  26. Conheço muito bem o sindiurbano onde seu presidente se mantém no cargo a mais de DEZ ANOS, o sindiurbano nunca peitou a rosangela battistella e o marcos isfer principalmente quando eles fezeram todas as barbaridades possíveis e imagináveis ,sempre foi submisso a eles e a urbs.nunca vi também o sindiurbano mover uma ação concreta contra a indústria da multa e fiscalizar os recursos oriundos das multas. espero que o gustavo fruet crie uma comissão composta pela sociedade MP. IPTRAN, E DEMAIS ENTIDADES E PESSOAS FÍSICAS PARA FISCALIZAR A APLICAÇÃO DOS RECURSOS DAS MULTAS E QUE O GUSTAVO MOSTRE A SOCIDADE DE FORMA TRANSPARENTE QUANDO SE ARRECADA E PARA ONDE VAI A GRANA DAS MULTAS E O CARTÕES DO ESTAR.

    • Senhor Marcelo Santana, o senhor então acusa seus ex colegas de fazerem parte de uma fábrica de multas? Prove o que o senhor diz!!!!

      • Ué, senhor Marcelo Snatana, o senhor acusa seus ex colegas e agora se cala? O senhor deve explicações sobre as suas declarações!
        E me explique uma coisa: se o senhor é tão bom porque nos anos em que esteve na URBS como funcionário o senhor não ganhou a diretoria do sindicato? Será que eles realmente são tão ruins assim? Ou será que o senhor os difama porque nunca conseguiu ganhar deles na urna?
        Cadê seu cargo na Setran?
        Saudações!!!!!

        • Marcelo Santana, os agentes da SETRAN cobram de você uma explicação sobre a calunia que você lançou sobre eles aqui no blog!!! Tenha carater e se explique!!
          Saudações!!!

    • No tempo da fundação do sindicato eu trabalhava lá. Quando foram descobertas as farras das multas de motoristas de ônibus e que foram perdoadas pelo Presidente FQ, eu estava lá, quando da fundação do sindicato e que saiu o nome do meu colega como fundador, ex assessor de um ex vereador de Curitiba, e qual foi mandado embora pela gestão PSDB,mesmo concursado, eu estava lá. Quando a COTRANS E A PERKONS começaram a multar e ganhar rios de dinheiro, com preço por fotos, estava lá. E quando deram o golpe no ESTAR,cujo golpista foi montar outro esquema no interior com multas de trânsito, eu não estava lá. E para saberem que o que mais da dinheiro na URBS é o ESTAR.
      O irônico de tudo isso foi o sindicato que vi crescer não defender os seus. Meu colega V….. M….. ,presidente, que me desculpe, mas sindicato e política acabam prejudicando a união dos trabalhadores. Apoiam governos e ficam amarrados com eles. O PT detonou a aposentadoria dos funcionários públicos e com todos batendo palma…

    • Marcelo Santana, você que é muito bom, porque não montou uma chapa de oposição e não ganhou eleição da direção do sindicato.
      Outra coisa, qual cargo você ganhou na SETRAN, já que dizia aos quatro ventos que iria ser Diretor.
      Te faço um recomendação fale com o Flavio Arns e não peça um cargo, mais uma vaga em uma escola da APAE.

    • Oh Marcelo você não é aquele cara que toda eleição sai candidato e fica imitando o Vereador Prof. Galdino? é você né? Me falaram que você foi funcionário dos Correios e foi dispensado por JUSTA CAUSA é isso né? e depois foi trabalhar na Diretran como Agente de Trânsito e novamente recebeu uma JUSTA CAUSA é isso?? Saiba que sou solidário a você e quero propor o “FIM DA INDÚSTRIA DA DEMISSÃO POR JUSTA CAUSA” isso tem que acabar!!!! to de saco cheio!!!

  27. 26.000 foram aplicadas, em 2012…? pouca vergonha!!! é um absurdo!!!

    • Tenho uma outra ótica:
      26.000 cometeram infrações e foram pegos em flagrante pelo guarda ou radar, em 2012″¦? que pouca vergonha condutores!!! é um absurdo!!!

  28. FUI MULTADO NO CRUZAMENTO DA AV. KENEDY COM A BR 116.
    ALGUÉM CONHECE ESTE CRUZAMENTO???
    QUE NOME PODEMOS DAR A ISSO???
    ROUBO.
    EXTORSÃO.
    ABUSO DE PODER.
    PILANTRAGEM.
    SAFADEZA.
    SINDICALISMO CURITIBANO!!!

    • VC BEM QUE MERECEU? KKKK, POIS COMETEU INFRAÇÃO PAGUE PELA SITUAÇÃO.

    • I eu fui multado por excesso de velocidade perdi 4 pontos e tenho que pagar 80 oitentinha isto é o fim abaixo a industria das murta, e pior que num tinha nem um guarda pra mi orientar.

      • Amigo volte no centro de formação de condutores, onde fez sua habilitação, pois acho que eles ficaram te devendo informações pois orientações sobre trânsito nós obtemos quando fazemos nossa habilitação.

    • Isso acontece todo dia? Já ouviu falar em erro? Erros acontecem. Já ouviu falar em processo administrativo: lavratura do auto? Consistência do auto? Imposição da multa? e de todos os prazos, como o de defesa da multa, que é de seu interesse? Se o senhor entrou com defesa garanto que ganhou, mas isso não comenta aqui no blog. Ou será que não leu a notificação (como não vê o sinal vermelho quando avança o sinal) e preferiu pagar e depois ficar criticando em blog sensacionalista.

      • Este blog é tão “sensacionalista” que abre espaço até para o lobby da indústria da multa… Vai pentear macaco, Joãozinho!!! Vê se cresce!!!

  29. E VIVA A PREVARICAÇÃO. VAMOS TODOS AVANÇAR O SINAL, ANDAR EM ALTA VELOCIDADE QUE NINGUÉM VAI MULTAR.
    SOU CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA MULTA, MASSOU TOTALMENTE A FAVOR DE PENALIZAR QUE NÃO CUMPRE AS NORMAS DE TRÂNSITO.
    MULTA PARA QUEM PREVARICAR NO TRÂNSITO. ISSO ESTÁ NO CÓDIGO.

  30. Indústria da multa? como assim?
    Não defendo aqui nenhuma indústria, mas dizer que radares que autuam quem excede a velocidade permitida (por LEI) é uma indústria, por favor!
    Na boa, não entendi… poderia me explicar?…
    Sabem o que é uma LEI? sabem? então, transgrediu, paga! simples assim!
    Vamos parar com essa hipocrisia de “indústria da multa”, por favor!
    Ta atrasado, azar. Deveria ter acordado mais cedo!
    Sério, qual o real argumento para transgredir a lei?
    Lei não se discute, se cumpre. Quer mudar a lei? Vote em quem pode muda-la, é tudo o que pode fazer e só. No mais, tem de respeitar e, caso não respeite e o “radar” te pegue a desrespeitando, será e DEVE SIM, ser multado!
    Aguardo argumentos contrários…

    • Sou contra a indústria da multa. Agente de trânsito tem que orientar, não multar. Os radares têm que ser queimados em praça pública. Tudo obrigatoriamente transmitido ao vivo pelas tevês e rádios (concessões públicas).

      • Que pena sr Esmael, vc é um grande hipócrita e está querendo que a população de Curitiba acabe matando nossos filhos, familiares e parentes pois incentivar a queima de radares, orientação por parte de agentes e o mesmo que dizer CURITIBA cidade sem lei e sem vida, para vc matar é o mais importante, o carro e como uma arma nas mãos dos infratores dos arruaceiros enfim, para quem tem um blog como esse deveria ter mais responsabilidade com a vida humana, minha mãe trabalha a anos como orientadora do EstaR e agora como agente de Trânsito desde o início do Código de Trânsito e é uma pessoa cheia de virtudes e responsabilidades e agora o SENHOR está jogando a população contra essas pessoas que saem todos os dias para ganhar seu pão. PENSE BEM NO QUE DIZ E ESCREVE LEMBRESSE UM DIA PODERÁ SER UMA VITIMA DESSE TRÂNSITO VIOLENTO QUE TEMOS, RADAR E PARA COIBIR VELOCIDADE, QUEM PASSA A 80 EM LOCAIS DE 60 DEVE PAGAR PELA IRRESPONSABILIDADE, OU SERÁ QUE O SENHOR É UM INFRATOR NATO E NÃO QUER PAGAR PELOS SEUS ERROS.

        • aaaaa …! entao esta explicado!!! sua mae trabalha a anos na prefeitura, multou muitos motoristas né??entao esta mamando na teta da prefeitura!!!!agora…?Vc dozer q a populaçao vai matar os seus filhos????A populaçao???vc diz q apopulaçao do paraná é um bando de motoristas infratores???hahahahahahahahahahahah…! isso é bem o pensamento dessa tucanadas do DEMO mesmo!!!É O FIM DA PICADA MESMO!!!VADERRETO TUCANADAS DO DEMO!!!

          • Cara…vc nao sabe nem escrever…

          • O coitado!!!O cara parece um urutu cruzeiro,de tanto veneno!!!talvez um vampirao nervoso,revoltado, raivoso, pois perdeu a boquinha na URBS/CONSILUX,ICI…Hehehehehehehehehehahahahahahahahaha,
            o q foi bonequinha???vc esta nervosinha…?LUCIANINHA… Entao vai pescar…
            FORA INDUSTRIA DAS MULTAS!!!!FORA BETO!!! FORA TUCANADAS DO DEMO!!ESTAMOS JUNTOS ESMAEL!!!

          • Toma LUCIANO derrotado!! leia amateria inteira se tiver saco e coragem!!!

            O Fantástico foi até a periferia de uma cidade do interior do Rio Grande do Sul para documentar uma situação absurda: um edital que está pronto para ser publicado prevê a instalação de uma lombada eletrônica em uma rua de chão batido, onde só passam carroças e bicicletas e onde galinhas dividem espaço com poucos pedestres. O que está por trás desse escândalo? Corrupção.

            Fraudes e muitas negociatas. É um retrato escandaloso de como funciona a indústria das multas no Brasil. Uma indústria que fatura R$ 2 bilhões por ano.

            A investigação do Fantástico começa em Porto Alegre. Na capital gaúcha, o representante da empresa Engebrás, Marcio Paim Velho, se prepara para negociar a instalação de lombadas eletrônicas e radares fixos, também conhecidos como pardais.

            A conversa foi registrada com uma câmera escondida pelo repórter do Fantástico Giovani Grizotti, que se passou por funcionário de uma prefeitura gaúcha e teve a colaboração de um ex-funcionário público do Rio Grande do Sul com experiência em licitações na área de trânsito.

            Marcio faz uma avaliação de quanto pode pagar de propina. Ele diz que, em média, 10%. “Se quiser um pouquinho mais, um pouquinho menos, depende”.

            Uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito criou regras para a instalação de controladores eletrônicos de velocidade no Brasil. Pelas normas, é preciso um estudo técnico que leva em conta itens como quantidade de veículos e pedestres que utilizam a via, índices de acidentes e a velocidade permitida. Só com esse estudo, feito por empresas especializadas, é que pode ser autorizada a instalação de pardais e lombadas.
            O representante da Engebrás indica uma empresa para fazer os estudos técnicos: ACT, de Porto Alegre.

            Chamados pelo repórter e sem saber que estão sendo filmados, os três sócios da ACT foram até uma prefeitura do Rio Grande do Sul. Dois deles são também funcionários do governo gaúcho e um do governo federal.

            São eles: João Otávio Marques Neto, funcionário da Eletrosul, uma estatal da área energética; Gisele Vasconcelos da Silva, técnica da diretoria do Detran do Rio Grande do Sul; e Paulo Aguiar, coordenador do setor de lombadas eletrônicas e radares do Daer, o departamento de estradas do estado.

            Paulo Aguiar responde a processo sob a acusação de ter favorecido a Engebrás em um contrato que causou um prejuízo de R$ 13 milhões aos cofres do estado. A Engebrás foi a empresa que indicou os serviços da ACT ao repórter.

            Dias depois do encontro na prefeitura, Paulo Aguiar recebeu o repórter supostamente interessado em contratar a ACT. O negócio é privado, mas a conversa foi na sala do Daer, em Esteio, Região Metropolitana de Porto Alegre. Paulo Aguiar propõe uma fraude: a contratação da empresa seria pela modalidade carta-convite, pela qual a prefeitura convida três fornecedores a apresentar um orçamento para depois escolher o de menor valor. Paulo indica duas empresas parceiras que devem ser convidadas a elaborar orçamentos. Elas vão apresentar um preço maior. Assim, a proposta da ACT será mais barata, e vai vencer a licitação

            “Sem problema. Tenho mais duas empresas que trabalham comigo”, garante.

            O contrato é fechado em outro prédio público. Desta vez, o segundo sócio da ACT, João Otávio, recebe o repórter na Eletrosul. Ele tenta aumentar o valor do contrato e oferece uma propina.

            “Não dá para subir um pouquinho? Eu até passaria um percentual de comissão de 10%”, diz.

            Gisele Vasconcelos, terceira sócia da ACT, entrega o orçamento na frente do prédio do Detran gaúcho, onde trabalha, e reforça que os outros dois orçamentos serão enviados pelo correio, com valores maiores, conforme combinado.

            Os valores enviados pelos Correios são um pouco maiores que o da ACT, que apresentou um custo de R$ 20 mil.

            No dia marcado para o pagamento, o ex-funcionário público que acompanhou as negociações aparece com um envelope supostamente contendo os R$ 20 mil da concorrência fraudada. Logo em seguida, chega o repórter do Fantástico.

            Repórter: O que tem nesse envelope? Vocês estão fazendo alguma negociação aqui?
            XXX: Não, senhor. Estamos almoçando, e esse cidadão veio aqui falar conosco.
            Repórter: Quem é esse cidadão?
            XXX: O senhor me desculpe, mas eu não posso.
            Repórter: O senhor conhece esse cidadão que estava aqui?
            XXX: Não. Não conheço. Ele chegou aqui e sentou. Não conheço.
            Repórter: Nunca viu ele?
            XXX: Não.
            Repórter: Vocês não ofereceram propina para esse cidadão?
            XXX: Pelo amor de Deus.

            A investigação segue no rastro das fraudes praticadas pelas empresas que fabricam radares. Uma delas é a Perkons, de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, que tem contratos no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul. A Perkons diz que inventou a lombada eletrônica e é líder no segmento no Brasil.

            Alexandre Carvalho representa a empresa no Rio Grande do Sul. Logo no começo, ele revela como garantir a Perkons como a fornecedora dos radares para uma prefeitura, antes mesmo de começar a licitação: preparando um edital viciado.

            Quem senta para negociar é o gerente da Perkons, Jobel Araújo, que confirma a oferta de propina feita pelo vendedor Alexandre Carvallho.

            “O Alexandre me falou 8,5% daquele valor, mais que isso começa a ficar inviável”, diz.

            A empresa preparou o edital sem realizar um estudo técnico, como manda a lei, para saber se nesses locais é necessário instalar os radares. Preste atenção no edital: Rua Gralha Azul. Este é o endereço que apareceu no começo da reportagem. Na viela de chão batido, a empresa confirma a necessidade de instalar lombada eletrônica. E nas quatro faixas. Que faixas são essas?

            “É um absurdo, uma falta total de critério. Ela não é nem pavimentada. Não tem as mínimas condições técnicas para que se justifique a implantação de uma lombada eletrônica”, avalia o engenheiro de trânsito Mauri Pânitz.

            Outras revelações comprovam a falta de critérios para instalar radares no país. Em Curitiba, há empresas que oferecem negócios mais lucrativos para as prefeituras corruptas. O encontro com o Alexandre Matschinke, vendedor da Dataprom, revela uma cena de corrupção explícita.

            “Se tu me “˜der”™ abertura para eu ir lá e montar o teu projeto inteiro, “˜você”™ vai me falar: “˜Eu quero 15%, eu quero 10%”™. Eu coloco isso no valor”, diz Alexandre Matschinke.

            Ele admite que o custo da propina sai do bolso do contribuinte. Esqueça os percentuais comuns nesse tipo de negociação. Aqui, é tudo no meio a meio.

            Outra empresa: a CSP, de Florianópolis, mesma prática. O vendedor Tiago Rodrigues diz que pode negociar de 12% a 15% de propina. “Como o montante é maior, eu posso negociar com que o diretor dê uns 15% tranquilamente”, afirma.

            Negociada a propina pelo vendedor Tiago Rodrigues, é marcada a entrega do edital.

            Até aqui ele imagina estar negociando com um assessor da prefeitura. Mas, quando o repórter se identifica, ele passa a negar tudo o que havia admitido segundos antes.

            “Na verdade, não é direcionado. Eu não tenho nada para falar”, despista, afirmando que não ofereceu propina.

            Ainda em Curitiba, o esquema se repete com a Consilux, que tem radares na capital paranaense e em São Paulo. Quem negocia é o diretor comercial, Heterley Richter Júnior. Ele promete o edital já pronto. A propina oferecida pela Consilux: 5%. O diretor da Consilux enviou a cópia do edital pela internet.

            E será que todos os motoristas são iguais perante os radares? A resposta é não. É possível anular multas de apadrinhados políticos, amigos, parentes.

            Perguntado se existe alguma maneira de livrar um cara desses da multa, o diretor comercial da Consilux assegura: “Tem. Você têm”. E confessa: a Consilux já anulou multas em Curitiba. Segundo ele, ninguém descobriu.

            A equipe de reportagem segue para São Paulo, outro mercado explorado pela indústria da multa. São Paulo é o estado brasileiro com o maior número de radares: 4 mil, quase 11 milhões de multas em 2010, uma a cada três segundos. Um representante de outro fabricante de radares, a Consladel, confirma a fraude que permite tirar multas antes que elas sejam enviadas ao Detran.

            A partir daí, Cleberton Tintor segue o roteiro desse tipo de negociata: propinas, editais direcionados, fraudes.

            “Eu tenho o edital pronto. Eu te passo os pontos e você “˜encaixa”™ o valor que eu te dei.
            Aí, eu acerto até o valor da comissão. Então, comissão de 3% a 5%, tira multa e direciona o edital”, explica.

            Outra empresa paulista, a Splice, também faz parte do esquema ilegal. E as cenas flagrantes de corrupção se repetem. Sobra dinheiro até para a campanha eleitoral de prefeitos corruptos.

            Para o vendedor da empresa, José Leandro Vitt, a fraude dos editais é comum no mercado. E acusa a concorrente gaúcha Eliseu Kopp de participar do esquema.

            O Fantástico teve acesso a editais publicados por quatro prefeituras do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina em que a Kopp venceu a licitação. Nos de Lagoa Vermelha, Erechim e Rio do Sul, trechos inteiros são exatamente iguais.

            Sem saber que está sendo gravado o funcionário da Eliseu Kopp, Jean Carlos Ferreira, admite a montagem de editais para direcionar a licitar em favor da empresa.

            “Esse aqui é o meu produto. Se você gostar, eu vou te dizer quais são as especificações dele. Eu vou te dar uma ajuda. E tu “˜vai”™ montar. É assim que as prefeituras fazem. É legal”, afirma.

            Não. Isso é crime contra as licitações. E contra o bolso do contribuinte.

            “O que nós constatamos nesses editais são situações de possível direcionamento dessas licitações em função, por exemplo, da especificação dos equipamentos que estão sendo demandados. Um edital direcionado seria uma falha gravíssima”, diz Cezar Miola, vice-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio Gande do Sul.

            Há dois anos em Carazinho, no interior gaúcho, o promotor da cidade conseguiu suspender as lombadas e radares da Eliseu Kopp. Mas a razão foi outra. Ele descobriu que 85% da arrecadação com multas seriam repassados à empresa. Quanto mais multas, mais dinheiro para a Kopp. Em outra cidade do interior gaúcho, Vacaria, a cláusula do contrato que previa os repasses à empresa foi suspensa. Em um ano, a prefeitura economizou R$ 1 milhão.

            O repasse de percentuais de multas às empresas como a Eliseu Kopp pode livrar milhares de motoristas das penalidades. Isso porque as multas podem ser anuladas. Foi o que decidiu a Justiça do Ceará depois de denúncia feita pelo procurador da República Oscar Costa Filho.

            “Uma resolução do Contran de outubro de 2002 diz que todas aquelas multas que tenham com base em contratos que estipulassem a chamada cláusula de produtividade ou cláusula de remuneração ““ o que significa quanto mais multas se aplica mais se arrecada ““ devem ser imediatamente retiradas do sistema”, explica.

            E o que acontece quando o radar não está onde deveria? Em 2009, um estudo apontou os 50 trechos de rodovias brasileiras onde mais acontecem acidentes com mortes.
            “As pessoas que estão sendo mortas todos os dias no trânsito acabam sendo totalmente desvalorizadas por estudos que estão sendo mal feitos e radares mal colocados”, comenta o programador Israel dos Santos Rodrigues.

            Segundo o levantamento, lidera o ranking de mortes um trecho na Rodovia BR-282, no oeste de Santa Catarina. Na semana passada, 27 pessoas morreram em um acidente envolvendo um ônibus e uma carreta.

            “Nós temos que fiscalizar, usar os equipamentos disponíveis, a tecnologia que está aí para salvar vidas, desde que tenham critérios para isso. E, claro, um dos critérios é que não tenha falcatrua, tráfico de influências, interesses. Os radares devem estar nos locais onde realmente vão salvar vidas. E falcatrua com vidas é inadmissível”, ressalta Diza Gonzaga, da Fundação Thiago Gonzaga Vida Urgente.

            O Fantástico pediu explicações para as empresas citadas na reportagem.

            “A empresa não participa de acordos de mercado. A empresa não faz direcionamento de editais. Pelo que eu vi da declaração, foi dentro de uma conversa informal onde o funcionário estava dizendo ao pretenso representante da prefeitura que ele estava oferecendo uma especificação do produto. Até porque essa não é, não foi e nunca será a orientação da empresa”, afirma Nelson Momo, diretor da Kopp.

            A Consilux também se manifestou.

            “A nossa política é muito clara: não admitimos nada parecido com isso. Todos os nossos contratos são muito transparentes. Não existe a menor possibilidade de ter qualquer tipo de negociata”, diz o diretor-presidente da Consilux, Aldo Vendramin.

            Em nota, a empresa Splice, de Votorantim, no interior de São Paulo, disse que repudia esquemas ilegais e que afastou o funcionário mostrado na reportagem.

            Na capital paulista, a Consladel divulgou nota negando as irregularidades denunciadas e que o vendedor da imprensa imaginava estar negociando com um representante comercial, por isso, a oferta de comissão.

            A Perkons, de Curitiba, disse que vai se manifestar depois de a reportagem ir ao ar. O advogado da Dataprom, também de Curitiba, disse que a empresa desconhece as práticas reveladas pelo Fantástico.

            Procuradas, as prefeituras de Erechim e Lagoa Vermelha, no Rio Grande do Sul, e Rio do Sul, em Santa Catarina, negaram que os editais tenham sido direcionados para favorecer a empresa Eliseu Kopp.

            O secretário de Infraestrutura e Logística do Rio Grande do Sul, a quem o Daer é subordinado disse que o coordenador Paulo Aguiar será exonerado do cargo nesta segunda-feira (14).

            “Ver um agente privado oferecendo vantagens a um agente público narrando essa obtenção de vantagens é realmente personificar corrupção e algo revoltante”, avalia o procurador-geral do Ministério Público de Contas do Rio Grande do Sul, Geraldo da Camino.
            PUBLICIDADE

            Blitz flagra veículos irregulares fazendo transporte escolar
            Repórter vira taxista e descobre mundo à margem da lei do país
            Violência no trânsito custa R$ 22 bilhões por ano
            Elefantes brancos desperdiçam dinheiro do contribuinte
            Curta o Fantástico no Facebook
            Siga o @showdavida no Twitter

      • ÔOOOO Esmael júnior, chama seu pai Esmael pra responder de forma séria ai no blog, pois suas respostas já estão irritando.

  31. Bloqueiro Esmael

    Você esta querendo destorcer a nota do SINDIURBANO, querendo que os motoristas agridam os trabalhadores e principalmente as trabalhadoras nas ruas de nossa Capital, com esta campanha.
    Sempre tive este blog como um instrumento de luta pela moralidade e neste caso você esta querendo que maus motoristas continuem rodando pelas ruas de nossa cidade colocando a vida minha a sua de seus filhos e todo o cidadão que anda pela cidade.
    Parabéns ao SINDIURBANO-PR PELA CORAGEM DE QUESTIONAR O SECRETARIO QUE NÃO SABE SE É SECRETARIO OU PRESIDENTE DO CREA.

    • Bobagem. Lobby da indústria da multa. Sou contra.

    • Sindicato do DEMO!!!o q…?Vcs pegeram a doença do BETO…? Q usa a desgraça dos outros para arrecadar dos coitados dos motoristas??JA Ñ BASTA O IPVA,SEGURO OBRIGATORIO,PEDAGIOS MAIS CARO DO MUNDO!!!!??? ISSO É VAMPÍRISMO!!!!

  32. Caro Esmael
    Sua matéria sobre a industria da multa me parece que não tem nada haver com a nota de repudio do sindicato, pois o sindicato em nehum momento defende as empresas de radares.
    Apenas cita um estatistica publica de que cerca de 60% das multas são emitidas por radares.
    A nota tem por objetivo solicitar ao secretario que esclareça o que para ele é a industria das multas, pois os trabalhadores nas ruas estão sendo hostilizados por motorista, os chamando de operários da industria das multas.
    Muito me estranha este seu “post” pois joga os trabalhadores na vala comum dos desonestos, o que não é de seu feitio.
    Como eu conheço a direção do SINDIURBANO e sei que voce tambem os conhece, pois voce militou no movimento estudantil ao lado de alguns daqueles dirigentes, sabe muito bem que eles sempre questionaram as empresas de radares.

    • Sou contra a indústria da multa. Agente de trânsito tem que orientar, não multar. Os radares têm que ser queimados em praça pública. Tudo transmitido ao vivo pelas tevês.

      • E permitir que os condutores ameacem a vida dos demais cidadãos? E ignorar o que define o CTB? Não me parece coerente. Parece, sim, uma tentativa de promover algum secretário em prejuízo da lei e da convivência social.

        • Chega de indústria da multa!

          • Isso mesmo Esmael, quem sabe o caminho seja desrespeitar todas as leis, quem sabe assim as pessoas parem de morrer no trânsito, quem sabe as pessoas parem de dirigir alcoolizadas, quem sabe as pessoas sem algo que regulamenta sejam pessoas responsáveis e deixem de fazer muitas das barbaridades que fazem no trânsito! Será que é esse o caminho que você prega? Espero que repense seus conceitos! Um abraço e até!

          • Você rezar um pai nosso para deixar de escrever tanta bobagem em tão poucas linhas!

          • Esmael, com certeza rezarei vários pai nosso para que Deus coloque um pouco de juizo na sua cabeça, e que você deixe de falar tanta besteira!
            Chega de ser hipócrita, pare de falar essas besteiras e quem sabe lance uma campanha de concientização dos motoristas em Curitiba, ou você prefere patrocinar a bandalheira querendo queimar radares?

          • Pedale, não faça lobby de radar!

      • E o que você diz dos motoristas ao celular, dos que não rspeitam sinal vermelho, dos que ocupam a vaga de idosos e deficientes de forma irregular, e outras insanidades cometidas pelos condutores? Não seria melhor você, como formador de opinião, tentar educá-los à não manter a “indústria da multa” em vez de fomentar estas irregularidades???

        • Educação nada tem a ver com indústria da multa. Uma exclui a outra.

          • Como seus argumentos sao vazios esmael…vc nao vê que esta lutando ppr uma causa errada?

          • Pedale, ande a pé, não faça lobby para radar eletrônico!

          • Para onde vai o dinheiro das multas heimmm?????
            já trabalhei na implantação de radares em uma certa licitação e sei que a grana vai pra uns ai e não para a melhoria do transito que por sinal foi transformado intensionalmente num caos ;
            sim pois criam o problema para lucrarem com a solução.

      • osi
        O seu comentário está aguardando moderação.
        fevereiro 14, 2013 às 17:34
        Que pena sr Esmael, vc é um grande hipócrita e está querendo que a população de Curitiba acabe matando nossos filhos, familiares e parentes pois incentivar a queima de radares, orientação por parte de agentes e o mesmo que dizer CURITIBA cidade sem lei e sem vida, para vc matar é o mais importante, o carro e como uma arma nas mãos dos infratores dos arruaceiros enfim, para quem tem um blog como esse deveria ter mais responsabilidade com a vida humana, minha mãe trabalha a anos como orientadora do EstaR e agora como agente de Trânsito desde o início do Código de Trânsito e é uma pessoa cheia de virtudes e responsabilidades e agora o SENHOR está jogando a população contra essas pessoas que saem todos os dias para ganhar seu pão. PENSE BEM NO QUE DIZ E ESCREVE LEMBRESSE UM DIA PODERÁ SER UMA VITIMA DESSE TRÂNSITO VIOLENTO QUE TEMOS, RADAR E PARA COIBIR VELOCIDADE, QUEM PASSA A 80 EM LOCAIS DE 60 DEVE PAGAR PELA IRRESPONSABILIDADE, OU SERÁ QUE O SENHOR É UM INFRATOR NATO E NÃO QUER PAGAR PELOS SEUS ERROS.

        • O lobby dos radares não tem filhos, nem alma. Me poupe dessa bogabem. Só acredita nessa conversa mole quem é trouxa.

          • ESPERO SINCERAMENTE ESMAEL QUE VC NUNCA TENHA UM ENTE QUERIDO SEU, VÍTIMA DESSES INCONSEQUENTES DO TRÂNSITO, POIS SÓ QUEM É CONSCIENTE OU JÁ PASSOU POR ISSO SABE QUE NÃO SE PODE DEIXAR A CIDADE ASSIM SEM LEI. COMO SEI QUE CONSCIÊNCIA VC PARECE QUE NÃO TEM ESPERO QUE NUNCA ESTEJA DO OUTRO LADO.

          • Deixe de conversa mole. Lobby do radar não tem coração, nem sentimento. Isso é coisa de “troll” a serviço da indústria da multa. A conversinha sempre é a mesma.

      • Sr. Esmael.. poohta chamada distorcida essa sua matéria…
        Seja imparcial e troque o título, pf… não seja tolo…

        Essa história de indústria da multa não existe!!! É fruto da imaginação de motoristas irresponsáveis que adoram dar um jeitinho no trânsito para levar vantagens sobres os demais.. é o sujeito que dá aquela “furadinha” de sinal, que deixa o carro estacionado em local irregular (“mas é só 5 minutinhos”), que anda muito acima da velocidade das vias, que faz conversão proibida, que fica na faixa exclusiva para conversão à direita/esquerda e toma a frente daqueles que respeitam a via, daqueles que falam no celular, fumam e comem ao volante ao mesmo tempo, enfim, do cidadão MALANDRO que não está nem aí para as leis de trânsito, tampouco para os demais que transitam ao seu redor”¦
        Esse cidadão (para não dizer outra coisa) merece tomar na toba com uma coleção de multas pra lá de pesadas!!! Tem de sentir no bolso!!!
        E repito: INDUSTRIA DA MULTA NÃO EXISTE!!!!!!!

    • Então nos diga como chamar, tal atitude pois é industria de multa, e escrachada…

  33. A URBS É UMA EMPRESA MUITO RICA.
    ELA COMPRA A TUDO E A TODOS!
    O SINDICADO PARANAENSE É UMA MERCADORIA BARATA!!!