Privatização do Porto de Paranaguá opõe Requião a Gleisi Hoffmann

Para provar que é contra a privatização dos portos, Requião divulga foto do tempo em que se amarrava cachorro com linguiça, provavelmente 1990, onde discursa em ato público em Paranaguá ao lado de sindicalistas.

Para provar que é contra a privatização dos portos, Requião divulga foto do tempo em que se amarrava cachorro com linguiça, provavelmente 1990, onde discursa em ato público em Paranaguá ao lado de sindicalistas.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) divulgou, nesta quinta-feira (21), nota de solidariedade aos trabalhadores que não querem os portos do país privatizados.

Não se entrega a porta de entrada do país a interesses privados. Os Estados Unidos não fazem isso, o Japão não faz isso, por que nós vamos fazer?!, disse Requião, criticando a Medida Provisória 595, da Secretaria Especial de Portos, vinculada à  Presidência da República.

A manifestação pública contra a privatização opõe o senador peemedebista à  ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que defendeu esta semana o regime de concessão.

A Presidência da República, por meio de nota enviada a este blog, negou que o governo federal esteja privatizando os portos (clique aqui para relembrar).

O senador não aceita a argumentação de falta de recursos públicos! para investimentos, frequentemente usada pelo governo, mídia e empresários em defesa da privatização.

Estão aí as informações dando conta da baixíssima execução orçamentária federal na área de infraestrutura. O Ministério dos Transportes, por exemplo, está paralisado desde que surgiram as denúncias contra a Delta ou mesmo antes disso. Quer dizer, dinheiro não falta, falta executar obras!, afirma Requião.

Segundo o senador, para suprir a falta de obras, a ausência de planejamento e o marasmo administrativo, o governo acena com o remédio da privatização sob, o falso discurso da modernidade.

Requião destaca que os trabalhadores portuários alegam que, do jeito que está, a Medida Provisória 595 irá gerar desemprego no setor. A Medida cria diferenças de custos entre os novos portos privados e os públicos e isenta os privados de diversos encargos e impostos que os portos públicos têm que arcar.

Além do senador do PMDB, o governador Beto Richa (PSDB) também tirou uma “casquinha” política do episódio. Segundo o tucano, “Gleisi privatiza o Porto de Paranaguá” (relembre clicando aqui).

Nesta sexta-feira (22), cerca de 10 mil trabalhadores do Porto de Paranaguá deverão cruzar os braços contra a MP 595 (clique aqui para relembrar).

Comentários encerrados.