Metade dos gastos de Dilma vai para programas sociais

Dilma gasta 50,4% dos recursos em Bolsa Família. Foto: Wilson Dias/ABr

Dilma gasta 50,4% dos recursos em Bolsa Família. Foto: Wilson Dias/ABr

Com o impulso do reajuste do salário mínimo e da reformulação do Bolsa Família, os programas sociais de transferência de renda alcançaram peso inédito no gasto público e na economia do país.

Recursos pagos diretamente a famílias representaram mais da metade –exatos 50,4%– das despesas do governo federal no ano passado, excluídos da conta os encargos da dívida pública.

Dados recém-apurados da execução orçamentária mostram que o montante chegou a R$ 405,2 bilhões, distribuídos entre o regime geral de previdência, o amparo ao trabalhador e a assistência.

Trata-se de 9,2% do Produto Interno Bruto, ou seja, de todos os valores recebidos pela população e pelas empresas instaladas no país.

São proporções sem paralelo entre países emergentes, o que ajuda a explicar a também anômala carga de impostos brasileira, na casa de 35% da renda nacional.

Na maior parte das economias latino-americanas e asiáticas, a arrecadação dos governos varia entre 20% e 25% do PIB –apenas recentemente, a Argentina chegou aos patamares do Brasil.

A carga tributária dos dois sul-americanos é similar à  média de 34 países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, que reúne, na sua maior parte, nações desenvolvidas.

O aparato de seguridade social no Brasil é encabeçado pela previdência social urbana, cuja clientela cresce ano a ano em linha com o aumento da expectativa de vida da população.

As despesas recordes do ano passado foram alimentadas pelo aumento do salário mínimo de 7,5% acima da inflação, o maior desde o ano eleitoral de 2006.

Além das aposentadorias e pensões, os benefícios trabalhistas e assistenciais de caráter universal –direitos de todos os que preencherem os requisitos da legislação– também têm o piso salarial como referência.

Estão nessa lista o seguro-desemprego, o abono salarial e a assistência obrigatória a idosos e deficientes de baixa renda, todos com aumento de transferências em 2012.

O abono salarial cresce ainda com a formalização da mão de obra, uma vez que trabalhadores sem carteira não têm direito ao benefício.

Na quinta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou taxa de desemprego de 5,5% em 2012, a menor da série histórica anual iniciada em 2003.

Já no caso do seguro-desemprego, foi editado decreto destinado a conter o aumento de gastos, com a exigência de curso profissionalizante para os trabalhadores que ingressam pela terceira vez no programa.

BOLSA FAMàLIA

A expansão mais aguda de despesas se dá no Bolsa Família, que paga benefícios não vinculados ao salário mínimo a uma clientela cadastrada pelo governo entre famílias pobres e miseráveis.

Principal marca da administração petista, o programa passou, na gestão de Dilma Rousseff, pela maior reformulação desde que foi criado há quase uma década.

Os benefícios foram reajustados e passaram a ser calculados para que as famílias com filhos possam ultrapassar a linha da miséria, fixada em R$ 70 mensais por pessoa.

Em consequência, a despesa com a clientela de 13,9 milhões de famílias saltou de R$ 13,6 bilhões, no fim do governo Lula, para R$ 20,5 bilhões no ano passado.

8 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Quem trabalha de forma digna não tem direito a viver bem, nem mesmo a ter uma casa própria, já os vagabundos que só querem mesmo viver de bolsa miséria, estes sim tem tudo, o governo a tudo. Em breve teremos um país totalmente dependente das bolsas miséria, afinal a educação no páis está uma bosta, os educadores não estão nem ai para ensinar, ja que o salário deles eles julgam ser baixo demais para viver em nome da educação.

    Brasil, é mesmo um país de tolos!

  2. É muito dinheiro do povo Brasileiro

  3. LINDO COMENTARIO, ASSINO EM BAIXO. E PAU NOS CUECAS DE SEDA.

  4. Há de se admitir: COM O ADVENTO LULA, muito se tem feito mas ainda muito a se fazer, evidentemente, extensito ao Governo Dilma, pois Lula e Dilma fazem parte integrante desse processo de ativação / aceleração do desenvolvimento do Brasil. Na “VISÃO” dos POLÍTICOS “COBRAS CRIADAS”, os PROGRAMAS SOCIAIS têm tudo haver com a COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTO, pois enquanto os PROGS. SOCIAS são destinados aos “pobres mortais” da Pirâmide Social, as MANILHAS NÃO SÃO APARENTES portanto, DINHEIRO JOGADO FORA. E alguns desses n/ “LÍDIMOS REPRESENTANTES” somados aos inconformados do GRUPO BRASILEIROS ELITIZADOS UNIDOS DE WALL STREET” (Vendilhões da Pátria) vão encontrar todo o respaldo “necessário” na Mídia Conivente que mercê “reporcagens” e colunas “próprias” de “experts” contratados e simpatizantes convidados tentam, ainda, convencer os incautos com as suas “verdades”. Então, em uníssomo (exceto eles), admitamos: Impossível se movimentar máquina obstruída pela oxidação ao longo de dezenas de anos… de um dia para o outro !!!.

  5. -ISSO É ELOGIO OU CRITICA?
    Prezado leitor, Responda e saberemos de que lado está?
    País rico é um país sem pobreza ou país rico é chegar à condição de 5ª econômia do mundo? Dá para fazer as duas coisas?

  6. Estou em campanha, responderia a presidentE! lá no Norte do país, onde foi inaugurar mil casas financiadas pela CEF.

    O IBGE é tocado agora por economistas e não mais por pesquisadores e profissionais de estatísticas.

    Mais uma instituição dantes solidamente creditada junto à Nação, que deita na cama da suspeitabilidade.

    Passam prá ela agora dados comparativos do desemprego agora em relação ao último ano do governo FHC, abalado por crises internacionais, pela quebra da bolsa do México, pelo próprio temor da eleição de Lula, pela disparada do dólar, do corte de investimentos privados e consequente queda na arrecadação que mexeu nas contas públicas e logicamente influiu para o desabamento do emprego.
    Coisa feia, IBGE. Contribuindo para a vigarice do governo lulopetista!

    E Lula vai a Havana ver o andamento das obras do porto de Mariel feitas pela Odebrecht com dinheiro do BNDES e não consegue conversar com Hugo Chaves que deveria estar ocupado jogando uma partida de tênis com Fidel, já que todo mundo lá diz que ele tá um coco.

    Isso eu não leio em 147, Vi o Mundo, Mino Carta, por ai…

  7. Mudança só haverá se aumentarem o investimento em EDUCAÇÃO! Programas e projetos assistencialistas só cooperam com a reeleição…

  8. Miséria…
    Ela faz isto com o dinheiro tomado dos aposentados.
    A pessoa quanto mais velha, menos tem valor.
    O Fator Previdenciário é cruel e destrói vidas e sonhos.
    O PT, Lula e Dilma não são leais. São traidores justamente dos que sempre ludibriaram, os trabalhadores da iniciativa privada.
    Dizem que o trabalho dignifica o homem.
    Vejam abaixo o que dizia Lula há anos atrás.

    http://www.youtube.com/watch?v=khrWYPd3hRQ

    Pelo poder vale tudo.