Hospital nega atendimento a ex-prefeito baleado, imagine a situação do povão…

Saul Raiz foi prefeito de Curitiba entre 1975 e 1978. Foto: Albari Rosa.

Saul Raiz foi prefeito de Curitiba entre 1975 e 1978. Foto: Albari Rosa.

O ex-prefeito de Curitiba, Saul Raiz, 83 anos, levou dois tiros em uma tentativa de assalto no centro da cidade. Mesmo baleada, no começo da noite de ontem (17), a vítima conduziu seu próprio veículo até o Hospital São Vicente.

Pois bem, o ex-prefeito não recebeu atendimento. O médico plantonista não lhe encostou a mão, nem o olhou. O hospital alegou não possuir pronto-atendimento para evento daquela natureza.

Ferido à  bala na altura do tórax e em um braço, Saul Raiz precisava, então, seguir até o Hospital Evangélico — onde ainda está internado e não corre risco de morte.

Foi necessária a intervenção do manobrista do Hospital São Vicente, que se recusara a fazer o primeiro atendimento. Se não fosse o altruísmo do manobrista, muito provavelmente, dificilmente o ex-prefeito octogenário ainda estaria com vida.

Essa situação no mínimo “kafikaniana” aconteceu com um senhor da elite curitibana, um ex-prefeito da capital. Agora, caro leitor, imagine o que acontece com o povão, no dia a dia, que depende da saúde pública…

O ocorrido serve de alerta aos gestores públicos. Portanto, está certa a prefeitura em abrir uma sindicância, bem como o Ministério Público investigar o caso de omissão de socorro.

Particularmente, eu defendo que todos os hospitais que recebem dinheiro do SUS (Serviço Único de Saúde) devam ser geridos pelo poder público. Esses estabelecimentos — vide o caso do próprio Evangélico –, mesmo vivendo de generosos repasses de recursos públicos, sempre operam no vermelho e prestam sofrível atendimento (quando atendem).

Comentários encerrados.