Henrique Alves anuncia degola de Genoino e mais três

do Brasil 247

Está consumada a traição. O deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que em campanha dizia que a Câmara dos Deputados tinha a prerrogativa de cassar ou não deputados, publica artigo na Folha deste domingo revelando sua intenção de declarar vagos os mandatos de José Genoino (PT-SP), João Paulo Cunha (PT-SP), Pedro Henry (PP-PR) e Valdemar Costa Neto (PR-SP); os quatro podem começar a arrumar as gavetas, pois o novo chefe do Legislativo quer convocar rapidamente seus suplentes.

Está consumada a traição. O deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que em campanha dizia que a Câmara dos Deputados tinha a prerrogativa de cassar ou não deputados, publica artigo na Folha deste domingo revelando sua intenção de declarar vagos os mandatos de José Genoino (PT-SP), João Paulo Cunha (PT-SP), Pedro Henry (PP-PR) e Valdemar Costa Neto (PR-SP); os quatro podem começar a arrumar as gavetas, pois o novo chefe do Legislativo quer convocar rapidamente seus suplentes.

Política talvez seja a arte da traição. E um exemplo claro está prestes a se consumar. Até poucos dias atrás, o deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que dependia dos votos do PT e dos partidos da base aliada para se eleger presidente da Câmara dos Deputados, dizia que a prerrogativa de cassar ou não deputados é do Poder Legislativo, conforme reza o artigo 55 da Constituição Federal !“ e não do Poder Judiciário.

Suas declarações eram tratadas como o prenúncio de uma eventual desobediência ao Supremo Tribunal Federal, que determinou a perda imediata dos mandatos de quatro deputados condenados na Ação Penal 470: José Genoino (PT-SP), João Paulo Cunha (PT-SP), Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-PR).

Na semana passada, no entanto, Henrique Eduardo Alves visitou o presidente do Supremo Tribunal Federal e começou a ajustar o seu discurso. Disse que aqueles que apostavam no conflito institucional entre Legislativo e Judiciário poderiam “tirar o cavalinho da chuva”. Esse discurso ambíguo, ora para um lado, ora para outro, gerou a interpretação de que Henrique Alves estaria tentando ganhar tempo, permitindo que, sem conflitos com o STF, os deputados concluíssem seus mandatos.

Não é bem assim. No artigo “Avançar, com respeito e harmonia”, que será publicado na Folha deste domingo, Henrique Eduardo Alves anuncia sua decisão de mandar para a forca os quatro deputados !“ e, aparentemente, de forma expedita, conforme pedia, hoje, o jornal da família Frias, em editorial.

“No que diz respeito à  perda de mandato parlamentar por condenação pela Corte Suprema, cabe à  Câmara, nos termos constitucionais, finalizar o processo de perda de mandato, processando a liturgia de declarar a vacância do cargo e convocar o suplente”, diz Henrique Eduardo Alves, sem dar margem a interpretações ambíguas. “Tenho por dever fazer bem o que tem de ser feito”, conclui.

Portanto, os quatro deputados condenados podem começar a preparar suas gavetas. E os suplentes devem se preparar para assumir. No caso de Genoino, trata-se da ex-deputada Iara Bernardi. Na vaga de João Paulo Cunha, entraria Hélcio Simões, ex-vereador em Mauá. Pedro Doner, por sua vez, seria o substituto de Pedro Henry. No lugar de Valdemar Costa Neto, viria Renato Simões. Curiosamente, um nome do PT, uma vez que a legenda e o PR fizeram parte da mesma coligação.

Leia também o artigo Com o PMDB não se brinca, que aborda esta e as próximas traições de Henrique Eduardo Alves, que até recentemente era acusado pelos grandes veículos de comunicação de não estar à  altura do cargo !“ uma acusação que, é claro, será esquecida.

Comentários encerrados.