Pela criação da frota pública da prefeitura de Curitiba

Compartilhe agora!

Caixa-preta: Cotrans fornece veículos e motoristas à  prefeitura de Curitiba. Foto: Jonathan Campos/ Gazeta do Povo.
Caixa-preta: Cotrans fornece veículos e motoristas à  prefeitura de Curitiba. Foto: Jonathan Campos/ Gazeta do Povo.
O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), devolveu ontem (8) à  Cotrans !“ empresa de locação de veículos !“ 13 carros de luxo que estavam à  sua disposição no gabinete (relembre clicando aqui). O gesto chamou a atenção dos curitibanos, mas é possível romper ainda mais com essa relação promíscua entre o público e o fornecedor, onde este último sempre levou vantagem sobre a coletividade.

A prefeitura da capital paranaense diz que economizará cerca de R$ 41 mil mensais com a medida. Muito pouco, pois a frota alugada ultrapassa milhares de veículos em todas as repartições. Coisa de milhões de reais que vazam anualmente dos cofres públicos, sem que haja a incorporação de uma única agulha ao patrimônio municipal. Dinheiro de aluguel é dinheiro jogado fora, já diz um famoso ditado popular.

Pois bem, eu acredito que chegou a hora de o poder público municipal constituir sua própria frota com veículos adquiridos junto à s fábricas. Essa postura geraria uma economia astronômica ao erário, pois a cada carro alugado daria para comprar de três a quatro zero km. A prefeitura poderia dar-se a luxo de utilizar os veículos por apenas um ano e, logo após, descartá-los ao ferro velho que mesmo assim custariam bem menos ao povo curitibano.

A terceirização é bobagem. Não me venham os privatistas com esse papo furado de que a “atividade-fim” da prefeitura não é cuidar de frota. A frota própria custaria bem mais barato, mesmo descartando anualmente ao lixo todos os carros comprados pelo poder público. Este é o fato. Sobraria mais dinheiro para a saúde e a educação, por exemplo.

Também não há necessidade de cada veículo possuir motorista. Hoje, todos os servidores possuem carteira de habilitação. Esse negócio de motorista terceirizado custa uma fortuna aos cofres públicos e o trabalhador recebe uma ninharia por uma jornada geralmente estafante. Uma sacanagem com o trabalhador. Uma maravilha para o atravessador de mão de obra.

O contrato prefeitura de Curitiba com a Cotrans, ao lado do Instituto Curitiba de Informática (ICI), é considerado uma das caixas-pretas que na campanha Gustavo Fruet prometeu abrir, caso fosse eleito. Os eleitores o escolheram. Agora só falta ele cumprir a promessa.

Compartilhe agora!

Comments are closed.