Negros condenam a Associação Comercial do Paraná

Presidente da ACP, Edson José Ramon, se explica a líderes negros, mas não recua da decisão de ir à  Justiça contra o feriado de homenagem a Zumbi dos Palmares. Foto: ACP/Divulgação.
Presidente da ACP, Edson José Ramon, se explica a líderes negros, mas não recua da decisão de ir à  Justiça contra o feriado de homenagem a Zumbi dos Palmares. Foto: ACP/Divulgação.
Não é nada amistosa a convivência da comunidade negra curitibana com a Associação Comercial do Paraná (ACP). O quiproquó começou com um anúncio pago da centenária entidade contra o feriado municipal da Consciência Negra, no dia 20 de novembro, aprovado pela Câmara de Vereadores.

Na publicidade veiculada no jornal Gazeta do Povo, a ACP avisa que tomará medidas cabíveis [contra a Câmara de Vereadores e a Prefeitura] visando reverter a lei que homenageia os negros e as negras curitibanos (leia sobre isso clicando aqui). A ofensiva contra a lembrança da morte do líder negro Zumbi dos Palmares pegou muito mal.

Por que a ACP também não entra na Justiça contra o feriado de Natal, Dia das Mães, Dia das Crianças?

Segundo dados do IBGE, 24% da população de Curitiba é afrodescendente, portanto, um contingente importante incorporado à  sociedade do consumo.

Tentando recuperar o leite derramado, o presidente da ACP, Edson José Ramon, recebeu ontem (16) o vereador Mestre Pop, do PSC, e o presidente do COMPER (Conselho Municipal de Políticas à‰tnicos-Raciais) Saul Dorval da Silva.

Faltou a centenária Associação pedir desculpas aos negros e negras. Se a organização tivesse investido contra os feriados católicos, os papas-hóstias já teriam recebido um pedido formal de desculpas da entidade empresarial. Preto, pobre, pode esperar mais pelo reconhecimento !“ e talvez jamais por uma reconsideração.

O vereador Mestre Pop, que é negro, avisa que, caso a Associação Comercial do Paraná ingresse na Justiça contra o feriado em questão, não medirá esforços e tomará todas as medidas cabíveis para a sua manutenção.

à‰ bom lembrar que não é a primeira vez que a ACP se mete numa lambança sem tamanho. Em junho de 2012, a centenária organização lançou um confuso manifesto onde fez alerta à  sociedade brasileira! e mostrou-se preocupada com o momento político e as crescentes ameaças ao Estado de Direito e à s instituições democráticas! (relembre clicando aqui). Coisa de louco.

Comments are closed.