Mobilização na internet obriga governo pagar férias a professores

* Tentativa de calote tucano durou menos de 24 horas

dinheiroEste blog registrou ontem (26) que os professores e funcionários das 2,1 mil escolas da rede estadual do Paraná acessaram o contracheque, via internet, sem a previsão do pagamento de 1/3 de férias para o mês de janeiro (leia mais sobre isso clicando aqui).

Temendo levar mais um calote do governo de Beto Richa (PSDB), os educadores se mobilizaram nas redes sociais ao longo do dia. Em pleno sábado, houve milhares de compartilhamento da informação que obrigou a Secretaria de Estado da Educação (SEED) a republicar o holerite com a correção.

Meu caro Esmael Morais, o barulho foi tanto que a SEED corrigiu os contracheques em pleno sábado. Segundo relato de alguns colegas, os professores amanheceram o sábado sem as férias, mas foram dormir com elas, pelo menos no contracheque!, anotou Amarildo Magalhães, de Paranavaí, no Noroeste do estado.

A professora Tânia Cabral, de Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba, foi mais enfática na crítica ao governo tucano: Agora não falta mais nada! Cria uma matriz única, deixa centenas de professores sem aulas, não assume a responsabilidade das horas-atividade, “perde” os tablets enviados pelo governo federal e não paga as férias dos professores… Pensando bem, falta uma coisa sim: mandar a cavalaria surrar os educadores do Paraná!!!!, protestou.

Em 18 anos de profissão é a primeira vez que isto acontece. Eu odeio este governador!, desabafou a professora Sibele Ganz, de Curitiba.

O governo Richa não se pronunciou oficialmente sobre o episódio, mas, devido à  pressão dos professores e funcionários, o contracheque foi corrigido e a promessa de que o pagamento sairá na próxima quarta-feira (30) foi renovada.

19 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O fato é consequência da marketização do governo, espero que super secretário Stephanes consiga resolver o caso.

  2. Bom mas na COHAB foi instituído o calote porque lá também o Bertoldi e demais diretores não pagaram as férias ! mas os funci nem reclamam…. Eta povinho manso!

  3. Parreiras Rodrigues, atualize-se por favor. No PR, temos várias instituições federais: UFPR, UTFPR, IFPR, UNILA, UFFS. Educação não é custo, é investimento. Se o governo do estado tivesse menos comissionados,ele estaria dentro do limite da LRF.

  4. Ô Roberta – péra ai, não sou assessor do governador e disse que nem procuração tenho para o teor do meu comentário que se limitou a IMAGINAR uma falha na computação. Aliás, tô nem aí prá campanha de quem quer que seja enquanto não acontecer uma profunda reforma política que ponha ordem nessa zona.
    Mas não venha me ensinar sobre a via crucis vivida pelos educadores, o que acontece aqui no Paraná e praticamente em todos os Estados, pois fui aluno, fui professor e deles vivo rodeado.
    O custo do Ensino para o Governo do Estado é elevado, pois há que se considerar o volume das folhas de todas as faculdades estaduais, visto que temos uma única Universidade Federal, embora já tenhamos oferecido ao Brasil, dois ministros da Educação no último meio século.
    Nenhum deles conseguiu federalizar as já existentes universidades de Maringá, Londrina e Ponta Grossa.
    Você e alguns comentaristas ai de riba, em sã consciência, acham que o Governo iria simplesmente reter o terço de férias da categoria?
    Válida a grita, sim, mas inválida a suspeita.

    • Só que no seu caso, se o governador fosse do PT, a suspeita seria válida né!? Não adianta camuflar não, você é um tucano de bela plumagem. E não adianta seu discurso de ex-petista, ex-isto, ex-aquilo. Por mais que tente se mostrar um “apartidário”, seu discurso o trai.

    • É difícil imaginar educação com professores sem educação. Acredito na argumentação em contrapartida dos impropérios jogados ao léu. Xingamentos no blog desse senhor, que claramente manipula os ânimos de pessoas de bem para um levante de ódio coletivo, só provam o quanto a categoria está carente de reais profissionais da área. Educação é tão séria que garanto. Nenhum desses “profissionais” mal educados que berram e xingam sequer pensam em sair do ensino público, apesar das reclamações. Até porque o ensino privado cobra metas, resultado. Coisa que não vemos no ensino público. Dinheiro querem, mas sem compromisso com o melhor.

  5. caros amigos ai de cima, não foi somente na SEED que não haviam lançado o 1/3 das férias em outros órgãos do estado também, mas como num passe de mágica eles apareçeram novamente, lamento não ter impresso o contra-cheque anterior.

  6. Qualquer iniciante em computação sabe que uma falha na digitação produz um resultado desastroso.

    Aguardemos a explicação da Seed.

    Como se algum professor desses ai em riba nunca tivesse feito a sua cagadinha ao dar uma nota numa prova, ou algo que o valha.

    Sem nenhuma procuração para defender quem quer que seja, uns e outros não perdem a oportunidade de faturar políticamente o que pode ser um erro despropositado, pois duvido que o Governo iria deixar de pagar o que é de direito do magistério.

    Como no caso do capotamento do veiculo que transportava auxiliares do Beto Richa lá no Sudoeste na sexta-feira. Teve gente que lamentou não ter morrido ninguém, que questionou o pagamento do prejuízo.

    Eita gente pobrezinha de sentimento, de sensatez.

    Dos milhões torrados nas falhas dos exames do Enem, no atraso e no superfaturamento das obras do São Francisco, dos preparativos para a Copa, todo mundo quetim, né?

    • Concordo, pode até ter ocorrido um erro de digitação mas, a categoria dos professores já está em alerta em relação ao cumprimento daquela lei federal, que o governador até agora esta titubeando em cumprir, e ocorre este erro. Na real, não só os professores mais toda a categoria dos servidores públicos estadual esta pela goela com os últimos governantes, ai também se inclua seu REQUIÃO, que agindo com autoritarismo e discurso hipócrita baseado na carta de puebla não respeitou os servidores, deixando um campo minado pro seu sucessor, se bem que este já dava pra notar pela sua passagem pela PMC que governa só pros MARAJÁS.

      • Mas este não foi o único erro do governo ao longo do seu mandato com relação aos professores, foram erros constantes naquilo que nos é de direito, como por exemplo, não cumprimento da hora atividade, o não pagamento das progressões na data devida, etc, etc…

    • Caro Parreias Rodrigues, esse governadorzinho de merda que vc esta defendendo ja deixou de pagar muita coisa aos funcionarios da Educação sim, vc deve ser algum assessor do dito cujo e não sente na pele o que é trabalhar com “projetos de marginais” armados, incendiando escolas, ameaçando educadores que nada podem fazer pois a unica maneira que eles podem interferir é conversando, como se conversa adiantasse com esses marginais, ai vem esse cidadão ai e não quer pagar o que é de direito, se fosse um simples erro de digitação como o Sr. quer que acreditemos o contra cheque não estaria corrigido no mesmo dia, diga se de passagem um sabado, haveria sim uma nota de desculpas dizendo que houve um erro e que seria corrigido, ele não foi homen nem sequer para se desculpar faça me o favor né…… Isso falando de professores, sem mencionar os demais funcionarios de escola, pois esses V. Excia nem sabe que existem….

  7. E que indenizará aos processos esse atraso?

  8. Viu como é uma pressão, enquanto a APP fica de corpo mole os professores não conseguem nada!

    • Professor GALDINOOOOO pocotó pocotó pocotó…tenho colegas professores que antes da eleição enchiam a bola do beto, e eu como servidor da pmc, sempre falava se ele for igual foi pra nós tadinho de vcs…agora estão sentindo o gosto amargo de fel.

      • O pior é saber que colegas nossos apoiaram uma pessoa do nível do Beto Richa. Se nós que deveríamos ser politicamente críticos e criteriosos para as escolhas de nossos governantes não somos, imagine o restante da população?!
        Que o exemplo de ontem sirva para nos manter UNIDOS para conquistarmos outros direitos como: 33% de H.A, retroativo do piso nacional, entre outras pautas.

        SÓ HÁ GARANTIA DE DIREITOS QUANDO HÁ LUTA, já dizia o pensador e jurista Rudolf von Ihering.

    • Verdade Professor do Norte do PR (que não tem coragem de se identificar). A APP fica só de corpo mole. As conquistas que os trabalhadores e trabalhadoras em educação tiveram nos últimos anos, provavelmente, se deve a sua brilhante atuação nas lutas…