Governo Dilma garante desconto de 20% nas contas de luz

do Brasil 247

Apesar do uso acentuado das usinas térmicas, cujo custo deverá ser repassado para os consumidores, tarifa menor da energia elétrica continua garantida para o consumidor em 2013. "Não podemos misturar uma coisa com a outra", declarou Márcio Zimmermann, secretário executivo do Ministério de Minas e Energia. Outro desafio enfrentado pelo governo para baixar o preço foi a resistência do PSDB, que tirou as elétricas de São Paulo, Minas e Paraná, estados governados pelos tucanos Alckmin, Anastasia e Richa, do contrato integral.

Apesar do uso acentuado das usinas térmicas, cujo custo deverá ser repassado para os consumidores, tarifa menor da energia elétrica continua garantida para o consumidor em 2013. “Não podemos misturar uma coisa com a outra”, declarou Márcio Zimmermann, secretário executivo do Ministério de Minas e Energia. Outro desafio enfrentado pelo governo para baixar o preço foi a resistência do PSDB, que tirou as elétricas de São Paulo, Minas e Paraná, estados governados pelos tucanos Alckmin, Anastasia e Richa, do contrato integral.

Apesar dos desafios, o governo federal garantiu, nesta terça-feira 8, o desconto de 20% na tarifa da energia elétrica para o consumidor em 2013. A notícia foi dada pelo secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann.

Segundo ele, o uso acentuado das usinas térmicas, cujo custo será repassado na conta de luz, como já admitiu o próprio governo, não compromete o desconto prometido no final do ano pela presidente Dilma Rousseff.

“A redução de 20% é estrutural, enquanto o gasto com as térmicas é conjuntural. Não podemos misturar uma coisa com a outra”, declarou Zimmermann. O secretário reafirmou ainda, como já havia dito Dilma, que o País não corre risco de precisar racionar energia e que, apesar de os reservatórios estarem baixos, o sistema hidrotérmico está equilibrado.

“Em 2001 o problema era a falta de usinas, e hoje não temos esse problema. As usinas térmicas entram nos leilões de energia para serem usadas quando houver necessidade. Essa é uma característica do nosso sistema”, disse o secretário.

Resistência do PSDB

Além do custo acentuado das usinas, outro desafio enfrentado pelo governo para a redução da tarifa foi a não aceitação inicial de três elétricas em renovar integralmente o contrato de concessão proposto, considerado um “boicote” da oposição por parte do governo federal.

As empresas resistentes à  renovação foram as maiores de energia elétrica do País: a Cesp, de São Paulo, a Cemig, de Minas Gerais, e a Copel, do Paraná, estados governados por Geraldo Alckmin, Antonio Anastasia e Beto Richa, todos do PSDB. Depois, a empresa elétrica de Goiás se juntou ao grupo.

Comentários encerrados.